Antecipando a próxima onda de desafios de segurança cibernética da IoT

Views: 70
0 0
Read Time:5 Minute, 55 Second

Nesta entrevista da Help Net Security, Roland Atoui, Diretor Geral do Red Alert Labs , discute os meandros da transição de configurações de IoT isoladas para ambientes interconectados, examinando a superfície de ataque cada vez maior e as complexidades diferenciadas que essa evolução impõe.

Atoui também investiga a urgência da padronização, a ameaça de falhas em cascata e as linhas confusas de responsabilização entre as partes interessadas.

Dada a transição de dispositivos IoT isolados para ambientes IoT interconectados, quais são os principais desafios e riscos que isso traz em termos de segurança cibernética?

Passar de dispositivos IoT isolados para interconectados revela novos desafios de segurança cibernética. Esta expansão semelhante à da Web promove riscos escaláveis, ampliando a superfície de ataque e tornando a aplicação uniforme de medidas de segurança uma tarefa complexa. Podem surgir ambiguidades com responsabilidades partilhadas entre as partes interessadas, confundindo os limites da responsabilização . Além disso, a urgência da normalização aumenta, uma vez que mesmo pequenas inconsistências nos protocolos de segurança podem tornar-se elos fracos significativos.

A mudança para a interconectividade também traz à tona a ameaça de “falha em cascata”, onde uma única vulnerabilidade pode se propagar por toda a rede, levando a uma falha em todo o sistema. A comunicação entre plataformas aumenta os problemas de compatibilidade, exigindo soluções inovadoras. Essencialmente, a interligação é ao mesmo tempo uma vantagem e um desafio, necessitando de abordagens inovadoras para proteger o vasto panorama digital, tornando imperativo que os profissionais se mantenham a par dos novos desenvolvimentos e das melhores práticas emergentes.

Que medidas devem os líderes tecnológicos tomar para garantir uma integração mais holística da IoT e da segurança cibernética, abordando as preocupações relativas à interoperabilidade, segurança e complexidades de instalação?

Garantir uma integração perfeita da IoT com a segurança cibernética requer uma abordagem estratégica por parte dos líderes tecnológicos. Enfatizar a inicialização segura, empregar padrões de integração avançados e escaláveis, como o dispositivo de integração FIDO , e construir meticulosamente uma cadeia de suprimentos confiável são essenciais. Além disso, trata-se de criar um ecossistema vigilante onde cada componente não é apenas incluído, mas também examinado quanto à integridade da segurança.

Uma compreensão abrangente da interação entre hardware, software e atores humanos ajuda na criação de uma estratégia de segurança coerente e unificada. Aproveitar ferramentas de última geração e colaborar com especialistas em vários domínios pode permitir que os líderes de tecnologia destruam os silos e criem sistemas IoT verdadeiramente integrados. Este escrutínio em camadas reforça a resiliência coletiva de todo o ambiente IoT, abordando os desafios multifacetados de interoperabilidade, segurança e instalação e, em última análise, estabelecendo uma referência em excelência em segurança cibernética.

Você consegue se aprofundar no papel do aprendizado de máquina e da IA ​​na automatização dos testes de vulnerabilidade de dispositivos IoT? Quão eficazes são essas técnicas em comparação com os métodos tradicionais?

Acredito que o aprendizado de máquina e a IA são revolucionários nos testes de vulnerabilidade de dispositivos IoT. Ao contrário dos métodos tradicionais, que podem ser lentos e ignorar novas ameaças, as técnicas baseadas em IA são ágeis e dinâmicas. Eles aprendem com o ambiente, adaptando-se mais rapidamente a novas vulnerabilidades. Ao aproveitar a análise de big data e algoritmos preditivos, esses sistemas inteligentes podem não apenas detectar ameaças conhecidas, mas também prever potenciais pontos fracos antes que sejam explorados.

A eficácia destas tecnologias reside na sua capacidade de fornecer uma defesa mais ágil e contínua contra o mundo em rápida evolução das ameaças cibernéticas. No entanto, a integração da IA ​​na cibersegurança também exige uma utilização responsável e ética, tendo em conta a privacidade dos dados e potenciais distorções nos algoritmos. É uma jornada que transforma a segurança de uma linha de defesa estática em um escudo proativo e adaptativo.

Como você vê o futuro da segurança cibernética da IoT, especialmente com o maior envolvimento dos setores público e privado na elaboração de políticas?

Prevendo o futuro da segurança cibernética da IoT , vejo uma sinfonia de colaboração entre os setores público e privado. Mais políticas podem tecer uma tapeçaria complexa, mas são vitais para estabelecer uma base consistente em segurança cibernética e reforçar a confiança. Na UE, o impulso para um mercado único reflecte este esforço colaborativo, funcionando como um farol que orienta o caminho.

Este alinhamento nas políticas não se trata apenas de uniformidade; trata-se de orquestrar um ambiente harmonioso e seguro que ressoe com segurança e inovação para todos os envolvidos. As tendências tecnológicas emergentes, as regulamentações globais e a necessidade de colaboração transfronteiriça moldarão ainda mais o cenário. As parcerias público-privadas tornar-se-ão fundamentais para a elaboração de regulamentações sensíveis que promovam a inovação, preservando ao mesmo tempo a segurança e a privacidade.

Que conselho você daria aos compradores e fornecedores de soluções de IoT para promover maior colaboração, confiança e avanço na criação de um ambiente de IoT totalmente interconectado?

Para alcançar um ambiente IoT seguro e interconectado, a colaboração e a confiança são fundamentais. Aconselho os compradores e fornecedores a primeiro mapearem os riscos potenciais e, em seguida, alinharem as suas estratégias com uma abordagem baseada no risco. É vital adotar padrões de segurança cibernética específicos do seu mercado, tornando-os uma base sólida.

Além disso, o desenvolvimento de relações transparentes e responsáveis ​​com os parceiros garante que todos na cadeia de abastecimento estejam comprometidos com os mesmos objetivos de segurança. Auditorias regulares, educação contínua e uma ênfase na responsabilidade partilhada podem fomentar a confiança e a inovação. Esta estratégia não só fortalece a segurança, mas também estimula a inovação e o progresso, criando um cenário de IoT robusto e sinérgico onde a segurança não é apenas um requisito; é uma parceria.

Por último, com os ataques cibernéticos a tornarem-se cada vez mais sofisticados, como deverá a indústria da IoT antecipar-se e preparar-se para a próxima vaga de desafios no domínio da segurança cibernética?

À medida que os ataques cibernéticos evoluem em complexidade, a indústria da IoT precisa de estar um passo à frente, fortalecendo as suas defesas. Construir uma estrutura robusta e adotar uma abordagem de design que prioriza a segurança tornam-se mais do que melhores práticas; são necessidades. Ao priorizar um ciclo de vida de desenvolvimento seguro, a indústria pode manter os riscos sob controle.

O envolvimento na normalização e na colaboração entre sectores aumenta a preparação. É vital empregar estratégias que não sejam apenas eficazes, mas também eficientes em termos de custos e escaláveis. O objetivo é transformar a segurança cibernética de um desafio numa vantagem competitiva, preparando-se para o futuro e ao mesmo tempo protegendo o presente. Num mundo onde a conectividade está a expandir-se, a vigilância nunca deve diminuir; a nossa prontidão hoje definirá a nossa resiliência amanhã. O caminho a seguir é de vigilância incessante, esforço colaborativo e um compromisso constante com a segurança como uma responsabilidade partilhada.

FONTE: HELP NET SECURITY

POSTS RELACIONADOS