O papel da automação na mitigação dos riscos de segurança cibernética

Views: 337
0 0
Read Time:5 Minute, 24 Second

Por Devin Morrissey

O conteúdo deste post é de responsabilidade exclusiva do autor. A AT&T não adota nem endossa nenhuma das opiniões, posições ou informações fornecidas pelo autor neste artigo.

Os ciberataques estão aumentando em todo o mundo. Dados recentes sugerem que ocorrem 2.200 ciberataques todos os dias e que o custo médio de uma violação de dados é de US$ 9,44 milhões.

Desses ciberataques, 92% são entregues por e-mail na forma de malware e phishing. Somente em 2022, as empresas relataram 255 milhões de ataques de phishing, com um custo médio de US$ 4,91 milhões.

A escala dos ciberataques hoje significa que a intervenção humana simplesmente não é adequada. Em vez disso, os especialistas em cibersegurança devem incorporar a automação em sua estratégia de cibersegurança mais ampla. A automação pode reduzir o risco de erro humano, identificar ameaças potenciais e proteger contra a fadiga de segurança.

Prós e contras da automação

Empresas em todo o mundo usam a automação para acelerar sua eficiência operacional, diminuir o risco e reduzir a fadiga no local de trabalho. Isso é particularmente importante em áreas como a cibersegurança, onde a vigilância constante e pensamento crítico são necessários para evitar violações de dados custosas.

No entanto, a automação não é uma solução mágica que elimina o risco de um ciberataque. Mesmo sistemas de ponta ainda precisam ser monitorados e atualizados regularmente. A falha em manter os sistemas pode resultar em protocolos de segurança defeituosos ou desligamentos acidentais devido a detecções de ameaças falsas.

Dito isso, os benefícios da automação superam em muito os contras. Um programa de automação eficaz pode liberar funcionários e aumentar a moral dos funcionários. Quando as pessoas não estão constantemente preocupadas com a detecção de ameaças, podem se concentrar na melhoria da inteligência de ameaças e na requalificação de funcionários. Isso minimiza o risco de fadiga de segurança, que, de outra forma, pode levar a:

  • Menos atenção durante o treinamento de segurança.
  • Práticas de senha inseguras.
  • Ignorar atualizações de software.
  • Comportamento arriscado online.

Mitigar a fadiga de segurança é do melhor interesse de cada departamento de TI, pois a falta de aderência às regulamentações de conformidade devido à fadiga pode ser extremamente custosa.

Reduzindo o risco de erro humano

Erros humanos representam 88% de todas as violações de dados. Esta estatística preocupante destaca a vulnerabilidade que os funcionários representam e a importância de um treinamento adequado no local de trabalho. Dados coletados por pesquisadores da Universidade de Stanford encontraram que:

  • 45% dos funcionários citam distração como o motivo pelo qual caíram em um golpe de phishing.
  • 57% dos funcionários estão mais propensos a se distraírem ao trabalhar em casa.
  • 43% dos entrevistados afirmam ser mais propensos a abrir e-mails de phishing que parecem legítimos.

Sistemas de automação baseados em nuvem podem reduzir o risco de erro humano e fazer backup de documentos e dados existentes. Isso pode ajudar os funcionários a limitar distrações e garantir que as empresas permaneçam operacionais após uma violação. O software de detecção de ameaças automatizado desliga os servidores após uma violação, mas os funcionários ainda podem acessar arquivos importantes ao trabalhar na nuvem.

Empresas que desejam reduzir o risco de erro humano podem investir em Automação de Processos Robóticos (RPA) também. A RPA lida com as tarefas de escritório simples e pesadas. Isso garante que as pessoas sigam procedimentos de segurança enquanto aumentam a produtividade do dia a dia.

Detecção de ameaças

A detecção rápida de ameaças é vital ao enfrentar um ciberataque. Uma resposta rápida pode salvar as empresas de multas pesadas e ajudar a eliminar vulnerabilidades antes que possam ser exploradas novamente. Empresas que aproveitam a detecção de ameaças com aprendizado de máquina (ML) podem até mesmo antecipar algumas violações.

A detecção de ameaças com ML funciona ensinando um algoritmo de IA a reconhecer os parâmetros de arquivos prejudiciais. O software de ML pode criar modelos precisos de ameaças potenciais para bloquear preventivamente malware quando ele aparece. Algoritmos de ML podem aprender a partir de diversas fontes, o que significa que algoritmos de ML de ponta podem extrair dados de outras máquinas, entrada humana ou suas próprias descobertas.

Isso é particularmente útil no setor financeiro, por exemplo, onde o ML desempenha um papel fundamental na detecção de fraudes e gerenciamento de riscos. Algoritmos são treinados para detectar padrões comuns em transações fraudulentas e alertar os funcionários, que revisam a atividade sinalizada. Enquanto isso, o software automatizado escaneia grandes quantidades de dados financeiros em busca de indicadores de risco, incluindo vulnerabilidade a hackers.

Algoritmos de ML também reduzem o risco de falsos positivos, interrompendo as operações do dia a dia. Ao contrário do software baseado em regras, o software de ML pode ser flexível e tomar decisões “inteligentes” com base em fatores contextuais. Isso pode manter as empresas funcionando sem interrupções e garantir que a equipe de resposta a incidentes seja acionada apenas quando necessário.

Resposta a incidentes

Uma estratégia de resposta a incidentes robusta é crucial para a eficácia de qualquer estratégia de cibersegurança. A automação da resposta a incidentes ajuda as empresas a acelerar as respostas iniciando o processo assim que uma ameaça é detectada.

Os procedimentos de resposta a incidentes automatizados variam com base na ferramenta utilizada. No entanto, tanto a gestão de informações e eventos de segurança (SIEM) quanto às ferramentas de orquestração, automação e resposta de segurança (SOAR) ajudam em:

  • Detecção de malware.
  • Eficácia do firewall.
  • Registro de aplicativos.
  • Gestão de identidade e acesso.
  • Software de segurança de endpoint.

Mesmo ferramentas de automação simples, como o registro de aplicativos, podem produzir alertas automáticos que atualizam as partes interessadas relevantes em tempo real. Isso pode fazer toda a diferença durante um ataque, já que um tempo médio de detecção rápido pode resultar em um tempo médio de reparo mais curto.

Conclusão

A automação desempenha um papel crucial em qualquer estratégia moderna de cibersegurança. Ferramentas automatizadas, como SIEMs e RPAs, podem capacitar especialistas em cibersegurança e melhorar a aderência no local de trabalho. Isso é especialmente importante hoje, à medida que os ciberataques se tornam cada vez mais comuns. Empresas que buscam fortalecer sua segurança podem investir em soluções baseadas em nuvem, pois isso as manterá operacionais caso um ataque interrompa suas operações usuais.

Esse artigo tem informações retiradas do blog da AT&T Security. A Neotel é parceira da AT&T Security e, para mais informações sobre as soluções e serviços da empresa, entre em contato com a gente.

POSTS RELACIONADOS