Cloud: Para onde levar os sistemas de missão crítica da sua empresa?

Views: 50
0 0
Read Time:4 Minute, 14 Second

Uma história comum entre as empresas que surgiu ao longo da “era Covid-19” foi a aceleração de seus negócios no formato digital. Alguns setores do mercado comentam de uma aceleração de 6 anos em seus projetos de transformação digital. E certamente existe um outro ponto de similaridade: a busca pela computação em nuvem, em suas mais diversas modalidades, como uma infraestrutura de TI capaz de suportar tamanha demanda.

O “IBM Institute for Business Value”, em parceria com a Oxford Economics, entrevistou 7.200 executivos de 47 países e identificou 4 tipos de workloads que as empresas estão levando para a nuvem: compra e venda de computação pagando apenas pelo consumido, compra de serviços em provedores de hiperescala, aplicativos/computação/rede e a infraestrutura operacional core.

E justamente visando atender ao máximo estas diferentes demandas, a IBM Cloud aprimorou seus serviços. A MZR IBM (Cloud Multizone Region), que completou 1 ano no mês de março, possibilitou um incremento dos serviços oferecidos aos clientes no Brasil, principalmente sobre a ótica de resiliência, segurança e alta disponibilidade – o que beneficia diretamente empresas com aplicações de missão crítica na nuvem, onde o SLA de disponibilidade de alguns serviços pode chegar em até 99.995%.

A novidade e um dos grandes diferenciais está no investimento em serviços de segurança, como a computação confidencial e o sistema “Keep Your Own Key” (KYOK), que permite que os clientes tenham controle total de quem acessa seus dados na nuvem através do uso de chaves criptográficas armazenadas em um mainframe na nuvem — nem mesmo os administradores da IBM Cloud com acesso físico ao data center têm acesso aos dados do cliente.

Outra importante novidade é que a IBM Cloud conta agora com serviços baseados na plataforma IBM Power, possibilitando aos clientes o consumo sob demanda de máquinas virtuais rodando AIX, Linux ou IBM i na montagem de arquiteturas híbridas.

A IBM anunciou em fevereiro deste ano alguns novos serviços em nuvem suportados pelo Mainframe – o que chamam de ZaaS on IBM Cloud. Além de ter disponíveis para consumo sob demanda máquinas virtuais LinuxONE, também tem um HSM (Hardware Security Module) em mainframe com certificação FIPS 140-2 de nível 4 – o mais alto grau de certificação de segurança e único no mercado de nuvem mundial.

Complementando o portfólio de ZaaS on IBM Cloud tem o Wazi aaS, que entrega ambientes nativos de Z para desenvolvimento e testes. Em poucos minutos um cliente pode ter acesso a um ambiente z/OS para desenvolver suas aplicações – aqui não estamos falando de emulação de z/OS em x86 – estamos falando de instâncias nativas de IBM Z com performance até 15x maior que os emuladores.

Neste 1 ano de existência, a MZR IBM possibilitou aos clientes a criação de arquiteturas mais robustas e resilientes, com um aumento significativo do nível de segurança antes oferecido.

Conheça algumas das principais soluções da IBM:

  • Hyper Protect Services – conjunto de serviços de segurança na IBM Cloud para habilitar a computação confidencial protegendo dados armazenados, em trânsito ou em processamento.
  • Hyper Protect Crypto Services – módulo de segurança baseado em hardware (HSM) Mainframe, entregue em nuvem, para gerenciamento de chaves criptográficas. Possui certificação FIPS 140-2 de nível 4 – única no mercado – e possibilita que só o cliente tenha acesso aos seus dados.
  • Hyper Protect DBaaS – MongoDB e PostgreSQL como serviço entregues em um container LinuxONE fornecendo criptografia de dados integrada com escalabilidade vertical e desempenho excelente.
  • Hyper Protect Virtual Servers – protegem as cargas de trabalho Linux® no IBM System z e no LinuxONE em todo o ciclo de vida do aplicativo, desde o desenvolvimento até à implementação e ao gerenciamento. Agora, é possível assegurar-se de que os aplicativos e os dados estejam sempre privados e protegidos contra ameaças internas e externas.
  • IBM Cloud for Financial Services – ambiente em nuvem construído especificadamente para endereçar as demandas do setor financeiro provendo ambientes altamente seguros e um ecossistema amplo de parceiros relevantes para o setor.
  • ROKS – oferta gerenciada de Red Hat OpenShift em IBM Cloud mais completa do mercado com SLA de 99.99% de disponibilidade com completa automação de provisionamento do cluster e worker nodes.
  • Power Systems Virtual Server (Power VS) – trata-se da mais escalável e única oferta de máquinas virtuais baseadas em processador Power (RISC) capaz de rodar ambientes AIX, Linux e IBM i com até 143 cores disponível no Brasil. Tem também a opção única de rodar em PowerVS ambientes SAP certificados (S/4HANA & SoH) reduzindo o TCO do projeto SAP dos Clientes.
  • SAP on IBM Cloud – catálogo mais amplo de máquinas virtuais certificadas pela SAP possibilitando que o cliente escolha a melhor opção de arquitetura e utilização entre bare-metal (servidor físico) certificado, máquinas virtuais (VMs) certificadas, ambiente VMWare certificado (único no mercado) e PowerVS certificado. Atualmente a IBM possui o record de benchmark de SAPS para uma máquina virtual em cloud que é de 907,820 SAPS entregue por uma instância IBM Cloud PowerVS.
  • Bare-metal – opção de consumo de servidores físicos dedicados com até 8 processadores para ambientes que precisam de extremo processamento.

FONTE: OLHAR DIGITAL

Previous post Plataformas de ensino à distância teriam coletado dados de alunos no Brasil
Next post Sabe o que é pior que uma economia desacelerada? Um ataque cibernético

Deixe um comentário