Salvaguardar a economia compartilhada B2B

Views: 71
0 0
Read Time:4 Minute, 10 Second

A maioria das pessoas está familiarizada com empresas de economia compartilhada business-to-consumer (B2C) como Uber, Airbnb e DoorDash, mas o que você pode não saber é que este modelo de negócios em rápido crescimento e amplamente reconhecido também está sendo cada vez mais alavancado por empresas business-to-business (B2B) para acessar serviços sob demanda em vez de contratos de curto ou longo prazo com empresas terceirizadas.

Aqui estão alguns exemplos:

Durante a pandemia, os fabricantes – especialmente os pequenos – ficaram com a capacidade ociosa da fábrica. Mercados de fabricação sob demanda, como Xometry, Fictiv e 3D Hubs conectaram empresas industriais com novos clientes, de modo que mantiveram suas fábricas e trabalhadores plenamente utilizados, tornando-os mais resilientes e ágeis.

Plataformas on-demand como o FLEXE, Flowspace e SpaceFill ajudaram os proprietários de depósitos a ganhar dinheiro com suas instalações subutilizadas, alugando-as a empresas grandes e pequenas que estão desesperadamente procurando espaço para estocar seu estoque. Líderes B2C como a Airbnb e Grubhub também estão buscando agressivamente o mercado de negócios, cavalgando na onda trabalho em casa/trabalho em qualquer lugar.

O mercado para a economia de compartilhamento B2B não é pequeno, com quase todos os negócios agora alavancando empresas de compartilhamento para aproveitar todos os tipos de serviços que podem variar desde fabricação, logística e armazenagem até desenvolvimento de software, aluguel de hardware de computador e serviços online de RH e folha de pagamento, para citar alguns.

Um ponto crucial de que muitas empresas envolvidas na economia de compartilhamento B2B estão cada vez mais conscientes é que o engajamento muitas vezes acarreta um risco de responsabilidade considerável, e é por isso que é de suma importância que as empresas façam um seguro contra este risco com serviços de verificação robustos.

Abrangendo o mercado

A própria economia compartilhada já é grande e só continuará a crescer. A BCC Research prevê que o valor de mercado da economia compartilhada global atingirá US$ 1,5 trilhão até 2024, contra US$ 373,7 bilhões em 2019, com o segmento B2B crescendo a um ritmo acelerado. Além disso, uma pesquisa da Business.com indicou que hoje quase 70% das empresas utilizam algum aspecto da economia compartilhada pelo menos uma vez por mês, com 26% tirando proveito desses serviços diariamente.

Riscos reais em jogo

As empresas de economia compartilhada B2B são diferentes dos fornecedores típicos. As relações são mais transacionais e muitas vezes a força de trabalho também é menos meticulosamente examinada. A integração varia muito de empresa para empresa, variando de conexões tradicionais stand-off a conexões vagas e mal compreendidas através de aplicativos, websites e dispositivos pessoais.

O maior risco que a maioria dos fornecedores enfrenta atualmente (e que os CIOs estão cada vez mais desconfiados) ao alavancar serviços de compartilhamento B2B é a ciber-segurança. Empreiteiros com acesso a arquivos críticos da empresa têm o poder de fazer imensos danos, se eles estão tão inclinados, e precisam ser examinados mais minuciosamente.

Há também outros riscos. Os seguros ou certificações que os fornecedores terceirizados freqüentemente se representam como possuidores podem ter expirado ou simplesmente não existir. O atendimento ao cliente e as forças de vendas sob demanda, particularmente os prestadores de serviços que entram nas casas ou propriedades dos clientes, representam um risco muito mais significativo do que seu motorista Uber médio ou pessoa de entrega DoorDash.

O ônus de examinar minuciosamente os vendedores e empreiteiros de economia compartilhada B2B está no negócio que os contrata, mas isso muitas vezes não acontece. Os mesmos tipos de verificações e saldos que uma empresa usa para contratar um funcionário ou um fornecedor tradicional devem ser implementados para compartilhar fornecedores e empreiteiros econômicos, especialmente aqueles que terão acesso aos seus dados e sistemas. Isto pode incluir a verificação da identidade e do histórico criminal do proprietário de uma empresa, um registro comercial, as licenças e/ou certificações profissionais de um empreiteiro e – talvez, o mais importante – a cobertura de seguro do indivíduo ou da empresa.

Oportunidades e obstáculos

A boa notícia é que, em toda a indústria, fornecedores de todos os tipos estão se tornando conscientes da natureza crucial da verificação e estão começando a colocar processos e sistemas para resolver o problema. A Apple, por exemplo, acrescentou novas capacidades para verificar a carteira de motorista do consumidor, e dois estados americanos (Arizona e Geórgia) já aceitaram plenamente a cópia digital da Apple armazenada nos telefones como legítima. Mais estados certamente seguirão.

A oportunidade (e obstáculo simultâneo) para empresas que desejam ter sucesso no mercado B2B é projetar soluções que irão verificar o que é essencial, e somente o que é essencial, para qualquer função ou qualificação de serviço. A maioria das qualificações são altamente especializadas e particulares – não amplas e universais como uma carteira de motorista – mas em alguns casos, a capacidade de verificar tanto micro como macro credenciais é necessária e pode ser eficaz para reduzir riscos e responsabilidades e garantir a integridade da marca, lucros e crescimento na economia de compartilhamento B2B.

FONTE: HELPNET SECURITY

Previous post Apple corrige desvio de segurança em macOS (CVE-2021-30892)
Next post Três lições de segurança OT aprendidas com os maiores incidentes cibernéticos de 2021

Deixe um comentário