Ataque hacker rouba R$ 3 bilhões em criptomoedas

Views: 59
0 0
Read Time:1 Minute, 21 Second

O ataque representa o maior hack da história das finanças descentralizadas (DeFi)

LUIZ FELIPE SIMÕES

O protocolo Poly Network foi hackeado nesta terça-feira (10) e perdeu US$ 611 milhões, cerca de R$ 3,17 bilhões em criptomoedas. Segundo informações do The Block, research especializada em criptoativos, o roubo cravou o maior hack na história do setor de finanças descentralizadas (DeFi).

Após uma investigação preliminar, a equipe responsável afirmou que acredita que o trabalho não tenha sido feito por uma pessoa só. Em sua página do Twitter, o time lamentou o ocorrido e divulgou os endereços das carteiras usadas pelos criminosos. A Poly Network é um protocolo para trocas de ativos digitais em diversas blockchains, como o bitcoin, ethereum e ontology.

Veja a divisão dos ativos digitais que foram roubados pelos criminosos: US$ 273 milhões em Ether, US$ 253 milhões em tokens da Binance Smart Chain e US$ 85 milhões em USDC da rede Polygon.

O projeto também solicitou para as principais corretoras de ativos digitais que colocassem o endereço que drenou as contas do protocolo em suas listas negras. Os fundos roubados pelos criminosos foram movidos para três endereços diferentes:

  • ETH (Ethereum): 0xC8a65Fadf0e0dDAf421F28FEAb69Bf6E2E589963;
  • BSC (Binance Smart Chain): 0x0D6e286A7cfD25E0c01fEe9756765D8033B32C71;
  • Polygon (Polygon): 0x5dc3603C9D42Ff184153a8a9094a73d461663214.

Os CEOs da Binance, OKEx e Huobi responderam pouco tempo depois que estão monitorando os fluxos de moeda e vão fazer o melhor para gerenciar a situação. Todos afirmam, no entanto, que não há garantias.

Já Paolo Ardoino, CEO da Tether, a criptomoeda estável lastreada no dólar, afirmou que congelou US$ 33 milhões em fundos do endereço utilizado pelos hackers.

FONTE: ESTADÃO

Previous post Ataques de ransomware foram os mais comuns às empresas brasileiras no primeiro semestre de 2021
Next post Geração recente de deepfakes desafia segurança digital e exige novas abordagens

Deixe um comentário