Interrupções custaram US$ 4 tri às empresas no ano passado

Views: 38
0 0
Read Time:3 Minute, 11 Second

Estudo revela que as interrupções da cadeia de suprimentos custaram às empresas cerca de US$ 4 trilhões no total, no ano passado

As interrupções na cadeia de suprimentos de algumas das maiores empresas americanas e europeias durante a pandemia custaram, no total, de US$ 2 trilhões a US$ 4 trilhões no ano passado. Às voltas com a escassez de recursos e atrasos prolongados nas remessas de produtos, muitas organizações ainda estão lutando com os efeitos das interrupções na cadeia de suprimentos. Isso também teve impacto na percepção dos consumidores sobre certas marcas, de acordo com um estudo da empresa global de cadeia de suprimentos GEP e da The Economist Intelligence Unit, braço de informação de negócios do The Economist Group.

A instabilidade e as interrupções em uma cadeia de abastecimento local ou global podem ser atribuídas a uma variedade de fatores: tarifas e guerras comerciais, turbulência política, regulamentações mais rígidas sobre certos recursos naturais, desastres naturais e, como já sabemos, a pandemia global. Mas o estudo destaca que as ameaças cibernéticas estão causando cada vez mais interrupções na continuidade dos negócios.

Embora as organizações não possam controlar coisas como desastres naturais e pandemias globais, elas podem fortalecer sua segurança cibernética para minimizar as vulnerabilidades da cadeia de suprimentos. Ataques cibernéticos na cadeia de abastecimento demonstram os danos potenciais que podem ser realizados quando os malfeitores visam os “elos mais fracos” de qualquer sistema — desde o abastecimento de alimentos, distribuição de petróleo e gás, operações governamentais e bens e serviços de alta tecnologia.

Em abril deste ano, o grupo de ransomware russo REvil violou a Quanta Computers, maior fabricante mundial de laptops e fornecedora de empresas de tecnologia como HP, Facebook e Google. Quando a Quanta supostamente se recusou a pagar o resgate de US$ 50 milhões, o REvil começou a ameaçar atacar seu famoso cliente, a Apple, alegando que obteve plantas roubadas de produtos da empresa como chantagem todos os dias em que o resgate não era pago.

O ataque à SolarWinds é outro exemplo recente de vulnerabilidades da cadeia de suprimentos. No maior e mais sofisticado ataque cibernético orquestrado contra sistemas governamentais dos EUA nos últimos anos, pelo menos nove agências federais — incluindo o Tesouro e o Departamento de Comércio — e outras entidades globais foram violadas usando credenciais comprometidas de funcionários do governo para acessar sistemas de e-mail.

Por último, uma das maiores processadoras de carne do mundo, a brasileira JBS, que vende seus produtos nos mercados dos Estados Unidos, México, Canadá, Europa, Oriente Médio, África e Ásia, foi vítima de um ataque de ransomware no final de maio, tendo desembolsado cerca de US$ 11 milhões para pagar o resgate ao grupo de hackers. A Casa Branca disse que a JBS provavelmente também foi atacada pelo REvil, e a administração Biden está se envolvendo com Moscou para responsabilizar os hackers.

Com vários ataques recentes relacionados à cadeia de suprimentos causando estragos em todo o país, a Casa Branca está intervindo para avaliar as formas de melhorar a segurança cibernética do país. A administração Biden-Harris anunciou recentemente a formação de uma força-tarefa contra perturbações da cadeia de suprimentos que abordará vulnerabilidades cibernéticas críticas nos EUA. cadeias de abastecimento e infraestrutura crítica.

O governo emitiu uma ordem executiva no mês passado intitulada “Melhorando a segurança cibernética da nação”. Esse E.O. apontou especificamente que todos os sistemas federais de TI devem atender ou exceder certos requisitos de segurança cibernética e objetivou melhorar o compartilhamento de informações entre os setores público e privado.A Casa Branca também está tornando a Certificação do Modelo de Maturidade em Segurança Cibernética (CMMC) uma grande parte de seu processo de revisão da cadeia de abastecimento da Casa Branca, que deve ajudar a impulsionar o sucesso no longo prazo contra futuras ameaças à cadeia de abastecimento. 

FONTE: CISO ADVISOR

Previous post 68% do malware é disseminado por aplicações em nuvem
Next post Só 32% das empresas têm áreas dedicadas à cibersegurança, apesar do risco crescente no Brasil

Deixe uma resposta