Cibercrime custa cerca de US$ 1,8 mi por minuto às empresas

Views: 106
0 0
Read Time:1 Minute, 58 Second

Pesquisadores calculam que o custo médio de uma violação é de US$ 7,2 por minuto

O crime cibernético custa às organizações US$ 1,79 milhão a cada minuto, de acordo com o relatório “Evil Internet Minute Report 2021” da RiskIQ, desenvolvedora de uma plataforma de inteligência de segurança unificada contra ameaças chamada Internet Intelligence Graph.

O estudo, que analisou o volume de atividades maliciosas na internet, revela a escala e os danos causados pelos ataques cibernéticos no ano passado, que resultou na ocorrência de 648 ameaças cibernéticas a cada minuto. 

Os pesquisadores da RiskIQ calculam que o custo médio de uma violação é de US$ 7,2 por minuto, sendo que o gasto total previsto com segurança cibernética é de US$ 280.060 a cada minuto.

O comércio eletrônico foi fortemente atingido por fraudes envolvendo o pagamento online no ano passado, com os cibercriminosos aproveitando o aumento das compras online durante a pandemia de covid-19. Embora o setor de comércio eletrônico tenha registrado um recorde de US$ 861,1 bilhões em vendas globais, ele acabou perdendo US$ 38,052 com fraudes de pagamento online a cada minuto.

Saúde, outro setor que enfrentou um aumento nos ataques cibernéticos desde o início da pandemia, perdeu US$ 13 por minuto com violações de segurança digital no ano passado.

O relatório também analisou o impacto de diferentes formas de crime cibernético. Ele mostra que, por minuto, foram US$ 3.615 perdidos com golpes de criptomoeda, totalizando 525.600 registros comprometidos e seis organizações vítimas de ransomware.

A escala dos ataques cibernéticos no ano passado foi ainda mais enfatizada pelo fato de que um host do Magecart, um esquema de captura de cartões usado por sete grupos de cibercriminosos, foi detectado a cada 31 minutos, um servidor Microsoft Exchange vulnerável foi corrigido a cada 1,7 minuto e um aplicativo móvel malicioso bloqueado a cada cinco minutos.

De acordo com Lou Manousos, CEO da RiskIQ, está mais fácil do que nunca participar do cibercrime. “A melhor tecnologia de ameaças torna os cibercriminosos mais eficazes e ricos do que nunca. Compilamos o grande número associado ao crime cibernético no ano passado com a ajuda de nosso Internet Intelligence Graph e de fontes de terceiros para ajudar empresas e pesquisadores a entender melhor contra o que estão lutando”, declarou ele à Infosecurity.

FONTE: CISO ADVISOR

Previous post Primeira busca e apreensão com base na LGPD é realizada em São Paulo
Next post Sites do grupo cibercriminoso REvil misteriosamente ficam offline na dark web

Deixe um comentário