Quais os perfis e competências mais procurados pelo setor tecnológico em 2021?

Views: 198
0 0
Read Time:2 Minute, 24 Second

De acordo com o Salary Survey 2021, feito pela consultora Robert Walters, há três funções na área das tecnologias de informação que vão liderar as preferências das empresas do setor em Portugal.

A consultora aponta que, em geral, as empresas vão procurar principalmente Data & Analytics managers, DevOps engineers e Cyber Security Managers. 

Ainda assim, tal como tem acontecido em anos anteriores, continuará a existir uma grande procura de perfis ligados às TI, mas com uma escassez de talento disponível em Portugal. Este fenómeno levará as empresas “a competir pelos melhores candidatos”.

O inquérito da Robert Walters destaca que, no caso dos perfis ligados à cibersegurança, haverá maior necessidade deste tipo de profissionais devido ao processo de transformação digital mais acelerado. “O processo de transformação digital irá certamente continuar na maioria das empresas, pelo que haverá uma grande necessidade de Cybersecurity Managers, perfis front-end e CTOs que possam gerir e trabalhar remotamente”, detalha a consultora. 

Com a inteligência artificial a mudar processos em várias áreas de atividade, desde os recursos humanos até à logística, a Robert Walters aponta que os perfis ligados à tomada de decisão baseada em dados, com uma forte atenção aos dados, IA e robótica, serão também tendências de contratação.

Python e Node.js são as linguagens mais procuradas

Ao longo deste ano, haverá uma procura crescente por profissionais que já trabalharam ou desenvolveram plataformas digitais, ou que tenham experiência em segurança de dados, desenvolvimento e gestão de produtos, aponta o inquérito.

Além disso, trabalhar com desenvolvimento e operações e ter alguma experiência em administração e cibersegurança serão também elementos difereciadores no mercado de trabalho tecnológico.

Quanto às linguagens, Python e Node.js são as que as empresas mais procuram atualmente, aponta o inquérito. Da mesma forma, ter experiência com bases de dados como Mango DB, MySQL será uma vantagem.

Nas línguas, dominar o inglês é essencial, ainda para mais devido ao grande número de candidatos internacionais a trabalhar em Portugal.

Por último, as empresas procuram perfis tecnológicos que não só possuam as competências técnicas adequadas, mas que também apresentem boas competências para o novo mundo do trabalho, as chamadas soft skills. Neste ponto são destacadas capacidades para trabalhar com equipas multiculturais e dispersas, boas competências de comunicação ou a capacidade de adaptação à mudança constante.

Trabalho remoto quebra barreiras na contratação

Com a escassez de profissionais no mercado português, a consultora aponta que a “contratação sem fronteiras” será uma das maiores tendências da área. Se muitas destas empresas já trabalhavam de forma remota, 2020 massificou o teletrabalho.

Por isso, as empresas que estão mais habituadas a trabalhar à distância já terão adaptado os processos de contratação para modelos remotos, estando cada vez mais abertas à contratação de profissionais que nem sequer estejam no mesmo país.

“Ao separar função e localização, as empresas terão acesso a uma maior quantidade de talento.”

FONTE: DINHEIRO VIVO

Previous post O direito fundamental à proteção de dados pessoais: fundamento, impacto e desenvolvimentos recentes
Next post Vem aí uma semana inteira de formação profissional (gratuita) em cibersegurança

Deixe um comentário