Usuários on-line se sentem seguros, mas comportamentos arriscados abundam

Views: 114
0 0
Read Time:4 Minute, 3 Second

Novas pesquisas também mostram uma divisão entre usuários mais jovens e mais velhos em suas práticas de segurança, incluindo o uso de autenticação de dois fatores e com que frequência as atualizações de software são realizadas.

A maioria dos usuários e trabalhadores domésticos considera seus dispositivos “suficientemente seguros”, mas mais de um terço nunca verifica se há atualizações em seu software de segurança e mais da metade se conecta regularmente a redes Wi-Fi desprotegidas, de acordo com um novo relatório da National Cyber Security Alliance (NCSA).

A pesquisa também mostra uma divisão entre usuários mais jovens e usuários mais velhos da tecnologia. Um pouco mais de um terço das pessoas estava trabalhando em casa devido à pandemia do coronavírus, mas pessoas muito mais jovens – 47% dos jovens de 18 a 34 anos – compõem a população de trabalho remoto. A maioria dos funcionários remotos, no entanto, não tomou medidas adicionais para proteger seus dispositivos, como usar autenticação de dois fatores (2FA) e atualizar software de segurança.

O relatório, baseado em uma pesquisa com 1.000 americanos, sugere que os trabalhadores e os usuários domésticos têm muita confiança em quão bem eles protegeram seus dispositivos contra ameaças online, diz Sylvia Layton, diretora de operações da NCSA, acrescentando que a demografia mais antiga parecia ser mais cautelosa e mais vigilante com seus dados quando eles usam dispositivos conectados.

“As pessoas tendem a se sentir mais confiantes em suas práticas de segurança do que são”, diz ela. “Muitas vezes assumimos que a geração mais jovem tomará mais medidas para proteger seus dados, mas acontece que as pessoas mais velhas parecem ser um pouco mais cautelosas do que a população [global].”

A pesquisa, que vem no final do mês anual de conscientização nacional sobre segurança cibernética de outubro, encontrou cerca de oito em cada 10 pessoas se sentiram moderadamente a altamente confiantes na segurança de seus dados e dispositivos. As empresas tornaram a segurança de seus trabalhadores remotos uma prioridade, com mais de três quartos das empresas embarcando na melhoria do trabalho remoto e mais da metade das equipes de segurança preocupadas com o nível de visibilidade que têm no estado de segurança da força de trabalho distribuída de sua empresa, constatou uma pesquisa separada de julho.

Na maioria das vezes, os jovens de 18 a 34 anos tendem a ter melhores práticas de segurança do que os de 50 a 75 anos — com 89% do grupo mais jovem, pelo menos um pouco propensos a usar 2FA, em comparação com 70% das pessoas mais velhas, informa a NCSA. Além disso, 83% dos mais jovens verificam suas atualizações de software pelo menos a cada duas ou três semanas, em comparação com 63% das pessoas mais velhas.

No entanto, grande parte das deficiências na segurança veio com hábitos de trabalho fora de casa, com apenas 39% de todos os trabalhadores usando 2FA em todos os seus dispositivos e 38% atualizando regularmente seu software antivírus, anti-malware e firewall, constatou a pesquisa.

“Há espaço para treinamento adicional, e precisa ser consistente, e precisa ser regularmente. Não é um tipo de coisa única e feita”, diz Layton. “De certa forma, todo mundo é seu próprio cara de TI em casa. Não podemos mais ligar para o cara de TI no trabalho e dizer: ‘Meu computador está com problemas’.”

Esses hábitos de trabalho fora de casa também mostram que pessoas mais velhas e mais jovens se concentram em diferentes tipos de segurança. Usuários mais jovens (46%) habilitar 2FA em seus dispositivos, por exemplo. No entanto, apenas um terço deles atualiza seu software anti-malware e firewall em comparação com quase metade dos usuários de 50 a 75 anos de idade. E usuários mais jovens têm quase o dobro de chances de usar hotspots Wi-Fi públicos em comparação com usuários mais velhos.

As respostas apoiam a ideia de que usuários mais jovens são apenas mais propensos a usar novas tecnologias, sejam os dispositivos mais recentes, novas medidas de segurança ou sem fio onipresentes, diz Layton.

“A geração mais jovem cresceu na era digital, e eles têm um maior nível de conforto em usar tecnologia que essa geração mais velha pode não fazer.”

Para as organizações, a pesquisa poderia informar conteúdos de treinamento para diferentes gerações de colaboradores. Os trabalhadores mais velhos podem precisar ser introduzidos às mais recentes tecnologias, enquanto os trabalhadores mais jovens provavelmente terão que ser ensinados a serem mais conscientes dos riscos.

Além disso, as empresas devem se certificar de que estão focadas em criar uma infraestrutura segura para sua força de trabalho distribuída, diz Layton.

“Sempre investir na tecnologia certa antecipadamente é sempre melhor do que esperar até que você tenha um incidente, ou um hack, ou um ataque de ransomware na estrada, o que lhe custará mais dinheiro do que se você tivesse investido nas melhores soluções”, diz ela.

FONTE: DARK READING

Previous post Cisco libera atualizações de segurança para vários produtos
Next post Hackers patrocinados pelo estado e gangues de ransomware diversificam táticas para infligir mais danos, revela estudo da Accenture

Deixe um comentário