Economia da Transformação de Rede e Segurança – Parte 2

Views: 22
0 0
Read Time:5 Minute, 28 Second

Em dezembro de 2019, escrevi um blog recomendando que CIOs e CISOs revisassem seus orçamentos anuais em 2020 e continuassem a reduzir seus gastos em controles legados de rede e segurança baseados em dispositivos, com uma mudança para uma arquitetura escalável e baseada em nuvem à prova de futuro.

Nos últimos meses desde então, o mundo mudou. Os orçamentos estão agora sob os holofotes, com projetos não essenciais sendo adiados, orçamentos emergenciais para resposta pandêmica para manter a BAU e apoiar uma força de trabalho remota aplicada (e é alguns casos orçamento “emprestado” a partir de 2021), e orçamentos para 2021 sendo obrigados a acelerar a transformação digital (e cobrir um potencial déficit orçamentário) e apoiar o crescimento em novos serviços digitais. Essa mudança me levou a escrever uma atualização para o blog, uma “Parte 2”, para cobrir como as organizações terão que se adaptar para apoiar suas mudanças atuais e futuras de força de trabalho e orçamentos potenciais em 2020.

Dimensionamento de uma força de trabalho remota

A maioria das conversas que tenho com CIOs e CISOs prevê que a força de trabalho remota continuará a aumentar em número, com mais 20% da força de trabalho trabalhando remotamente além da pandemia. Para as organizações, este é um ponto de inflexão pelo qual se prevê que 50% da força de trabalho da organização poderia ser considerada trabalhadores remotos. Como CIOs e CISOs garantem que podem suportar totalmente esse número crescente de trabalhadores remotos, eles também são encarregados de gerenciar custos imprevisíveis, incluindo os itens capex de grandes gastos que atingem seus planos orçamentários todos os anos. Esses custos de CAPEX geralmente são compensados durante um período de orçamento de três a cinco anos, no entanto, para a organização, os gastos são pagos adiantados. A dificuldade em prever e planejar como a organização irá escalar nos próximos três a cinco anos geralmente resulta em aparelhos maiores sendo comprados para atender a um crescimento potencial da organização que aumenta ainda mais os gastos.

À medida que as mesmas organizações continuam a abraçar a nuvem, para aproveitar tanto os custos reduzidos quanto os recursos continuamente atualizados e aprimorados que os serviços em nuvem oferecem, é fundamental começar a atribuir um valor a essa transformação tanto de uma perspectiva de benefício de negócios quanto de uma perspectiva de redução de custos.

Economia de Transformação

Os itens de grande valor para a maioria dos orçamentos de segurança são os gastos com aparelhos e a manutenção contínua desses aparelhos ao longo de sua curta vida útil. Atualizações mensais com novos recursos, patches de vulnerabilidades recém-encontradas e o racking e empilhamento de aparelhos à medida que o throughput de tráfego aumenta são caros especialmente quando as janelas de manutenção de mudança só podem ser possíveis durante a noite ou nos fins de semana. Para usar uma analogia, é semelhante a comprar um carro novo a cada três anos e depreciar o custo total ao longo desse tempo sem nenhum valor residual restante. O carro é atendido todos os meses pagando ao centro de serviço uma taxa horária de duas horas por hora para um serviço que nem sempre funciona na primeira vez Ao comprar um carro pelo menos, temos um preço de troca de 30-50% do valor após os três anos. No entanto, para os aparelhos, a maioria é enviada para um ferro-velho seguro e reciclada após esse período, não importa o quão bem conservados eles sejam. Isso não só não faz sentido financeiro, como também não é a melhor abordagem para apoiar uma força de trabalho feliz e realizada com noites e fins de semana perdidos para essa exigência de manutenção. Além disso, a produção constante, o transporte e a reciclagem de eletrodomésticos não são favoráveis ao meio ambiente.

A questão-chave, no entanto, é o custo. A seguir, um exemplo de uma organização com 20 escritórios em todo o mundo e seus gastos em rede fundamental e dispositivos de segurança e tecnologia. Com o gasto total acima de US$ 10 milhões ao longo de três anos para os aparelhos MPLS, SWG, TLS, NGFW e VPN/SD-WAN, sem incluir todo o armazenamento local necessário para relatórios e as taxas de manutenção, é um negócio caro para executar a infraestrutura de rede e segurança desta organização.

Com uma força de trabalho remota de mais de 50%, por que uma organização continuaria direcionando o tráfego de rede até um data center onde esses aparelhos residem, aumentando a latência, reduzindo a qualidade do serviço e adicionando custos? Se considerarmos reduzir o custo das despesas do aparelho de três a cinco anos, uma economia significativa de custos pode ser feita. Neste mesmo exemplo, os custos do aparelho são a principal despesa em todas as categorias de gastos.

Essas economias de custos também podem se estender à redução das despesas das linhas de MPLS. Com uma mudança para nuvem, esta organização pode não precisar mais de linhas MPLS caras para cada site. Com uma abordagem direta à rede/nuvem, a organização poderia fazer uma economia significativa nos custos de WAN reduzindo ainda mais esses custos.

Os FTEs atribuídos à manutenção das luzes do aparelho podem ser reaproveitados para focar no lado das Operações de Segurança de maximizar o investimento no controle de segurança e tecnologias (escrever novas políticas, afinar e relatar) o que compensaria parte das despesas de manutenção.

Finalmente, os custos de armazenamento podem ser reduzidos. Como sabemos, os custos de armazenamento em nuvem são significativamente mais baratos do que os custos de armazenamento no local e incluem vários benefícios, incluindo backup ativo e recuperação de DR.

Resultados de negócios

Para concluir, essa abordagem pode não funcionar para todas as organizações. Uma porcentagem das organizações pode continuar a depender de aparelhos legados e de uma rede corporativa tradicional, no entanto, a maioria das organizações terá começado ou já estará se movendo para essa nova abordagem. A força de trabalho de uma organização é uma força motriz para ditar a estratégia da organização. Com uma força de trabalho que precisa da flexibilidade de trabalhar remotamente, com o consumo de infraestrutura baseada em nuvem e SaaS se tornando o normal, e com os cálculos de custos e reduções de custos que as organizações precisam considerar, agora é o momento certo para arquitetar uma arquitetura baseada em nuvem à prova de futuro que funcione para todos.

Na parte 3 desta série, analisarei a economia de custos ao longo do ciclo de vida completo de três a cinco anos e explicarei como mais economias de custos podem ser feitas.

FONTE: NETSKOPE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *