Estudo aponta aumento da “consciência digital” do consumidor

Views: 36
0 0
Read Time:2 Minute, 57 Second

Levantamento da Serasa Experian indica que consumidores estão mais cuidados ao compartilhar dados pessoais

Com o distanciamento social, o número de transações online cresceu muito e, consequentemente, aumentou a preocupação com fraudes e com a segurança de dados. Diante disso, uma pesquisa nacional feita pela Serasa Experian mostra que subiu o número de consumidores que só compartilham informações pessoais quando há necessidade explícita nos sites em que visitam — percentual que passou de 28,4% para 33,4% em um ano. Já o número de internautas que sempre compartilham seus dados, ainda que não se sintam seguros, caiu de 35,7% para 30,9% no mesmo período.

Segundo a Chief Data Officer (CDO) da Serasa Experian, Leila Martins, “a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais é um marco importante para todos os brasileiros, pois garante aos consumidores proteção e transparência sobre o tratamento de seus dados, ao mesmo tempo em que traz aos empresários mais segurança jurídica e clareza sobre as regras para cada tipo de tratamento”.

Fraude e exposição indevida de dados pessoais

A pesquisa também mostrou que o número de brasileiros que sofreram fraudes e problemas de exposição em relação aos seus dados aumentou em 2020, de 12,7% para 17,4%.

Consumidores que já sofreram ou não algum problema relacionado aos seus dados pessoais (mar-abr/2019-2020)  2019         2020
Nunca tive problemas com vazamento dos meus dados pessoais62,1%57,0%
Sofri uma fraude pessoal, mas meus dados não foram expostos8,3%10,6%
Já comprei em sites falsos que descobri somente após a compra7,7%10,8%
Já tive problemas em sites hackeados e meus dados foram expostos7,5%10,0%
Sofri uma fraude pessoal e meus dados foram expostos5,2%7,4%

Sites e marcas conhecidas passam mais segurança ao consumidor

Na hora de compartilhar dados com empresas online, o principal aspecto de avaliação para 59,1% dos consumidores é a confiabilidade que aquela marca ou site proporciona. Em segundo lugar, 50,1% dos usuários querem saber se a política de privacidade do site é apresentada de maneira clara. Um critério importante, mas menos escolhido pelos entrevistados (26,7%), é a possibilidade de respaldo da marca em casos de problemas com a segurança das informações coletadas. Apenas 0,8% das pessoas não se preocupa em adotar métodos de avaliação sobre a segurança da área online em que vai se cadastrar, acessar ou realizar suas compras.

Metodologia

A pesquisa realizada pela Serasa Experian entrevistou 2.139 consumidores de todo o Brasil entre os dias 16 de março e 27 de abril de 2020. A metodologia aplicou, por meio de painel online nacional, um questionário com perguntas fechadas a um público composto por 58% de mulheres e 42% de homens, nas regiões Sudeste, Nordeste, Sul e Centro-Oeste/Norte. A segmentação dos participantes contemplou todas as faixas etárias e distribuição por renda familiar.

Entenda o que é LGPD

Com a nova Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), o Brasil entrou na lista de países que possuem uma regulação específica sobre o tratamento de informações pessoais.

Todas as empresas, independentemente de porte ou segmento, precisam se preocupar sobre como estão tratando dados pessoais e se seus processos estão em conformidade com a nova lei. E quando se trata de dados pessoais, a Lei não se refere apenas aos dados de clientes, mas também de funcionários, dos sócios da empresa, dos candidatos a vagas de empregos, dos prestadores de serviços, por exemplo.

FONTE: IP NEWS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *