Bruxelas cria grupo que será responsável pelo sistema de certificação de cibersegurança na UE

Views: 119
0 0
Read Time:1 Minute, 33 Second

Depois de ter dado a conhecer que estava a reunir esforços para garantir que os cidadãos europeus estão protegidos contra as crescentes ciberameaças geradas pela pandemia, a Comissão Europeia anuncia a criação do Stakeholders Cybersecurity Certification Group (SCCG) em parceria com a Agência Europeia para a Segurança das Redes e da Informação (ENISA).

De acordo com Bruxelas, o SCCG funcionará como uma entidade consultora, aconselhando a Comissão Europeia em matéria de certificação de cibersegurança e preparando um plano de trabalhos. Como previsto no EU Cybersecurity Act, um dos seus objetivos será a criação de estruturas para a certificação de produtos, processos e serviços mais coesos e que ajudem a reduzir a fragmentação que atualmente existe entre os processos dos diferentes Estados-Membros.

Para Thierry Breton, comissário europeu para o Mercado Interno, citado em comunicado, a certificação desempenhará um papel crucial na segurança dos produtos tecnológicos e no aumento da confiança nos mesmos. Além disso, dará às empresas europeias as ferramentas necessárias para demonstrar que os seus produtos e serviços têm funcionalidades de cibersegurança avançadas, ajudando-as a competir de uma melhor forma no mercado internacional.

O SCCG, que se reuniu pela primeira vez a 24 de junho, é composto por 50 representantes de diversas entidades, incluindo instituições académicas, organizações de consumidores e de definição de standards e empresas da área de cibersegurança.Comissão Europeia, ENISA, CERT-EU e Europol juntam-se na luta conta as ameaças em torno da COVID-19Ver artigo

O número de ciberataques tem vindo a crescer exponencialmente em plena pandemia. Os cibercriminosos estão a encontrar novas formas de se aproveitarem dos receios da população e a Europol, assim como a Agência Europeia para a Segurança das Redes e da Informação (ENISA) e a CERT-EU juntaram-se para evitar que a COVID-19 seja uma “mina de ouro” para os cibercriminosos.

FONTE: SAPOTEK

Previous post Grupo hacker fatura mais de US$ 1,5 mi vendendo acesso a redes
Next post “A cibersegurança tornou-se um enabler do negócio”

Deixe uma resposta