O que AppSec e desenvolvedores que trabalham em ambientes nativos de nuvem precisam saber

Views: 3330
0 0
Read Time:10 Minute, 33 Second

Todas as organizações empresariais são, em essência, editoras de software, independentemente do seu setor. Isso ocorre porque toda empresa depende de aplicativos de software customizados para gerenciar processos internos, interagir com clientes ou analisar dados, tornando-os criadores e distribuidores de software para fornecer seus serviços de forma eficaz e competitiva.

A segurança de aplicativos (AppSec), um segmento estratégico do amplo espectro de segurança da informação, é uma disciplina em constante evolução que se concentra em garantir a segurança, integridade e robustez dos aplicativos de software. No entanto, para realmente compreender a profundidade e o escopo da segurança de aplicativos, é crucial definir o termo “aplicativo”.

Aplicativos e o advento de IaaS e PaaS

O conceito de aplicativo assumiu novas dimensões com o advento das ofertas de Infraestrutura como Serviço ( IaaS ) e Plataforma como Serviço (PaaS). Antes de sua introdução, os aplicativos eram em grande parte soluções locais, dependentes de hardware físico e software interno. A mudança para a computação em nuvem pôs fim a esta era, inaugurando uma nova era de serviços virtualizados, escaláveis ​​e sob demanda.

As ofertas de IaaS e PaaS redefiniram os aplicativos abstraindo a infraestrutura física e as camadas de middleware. IaaS fornece o hardware virtualizado – recursos de computação, armazenamento e rede – no qual os aplicativos de software são executados. Por outro lado, o PaaS oferece o ambiente de tempo de execução para desenvolvimento, teste e gerenciamento de aplicativos.

Esta mudança permitiu que as empresas se concentrassem mais na criação de valor através do desenvolvimento de aplicações , em vez de ficarem presas nas complexidades da manutenção da infra-estrutura. Também transformou a forma como definimos os aplicativos, mudando o foco dos recursos físicos e da arquitetura que suportam o aplicativo para a funcionalidade e o valor que o aplicativo oferece.

Evolução da infraestrutura de nuvem pública

A infraestrutura de nuvem pública trouxe outra mudança significativa, redefinindo as fronteiras entre aplicações e infraestrutura. Na nuvem pública, os aplicativos e sua infraestrutura subjacente são menos distinguíveis e mais interconectados do que nunca. Os aplicativos são cada vez mais construídos a partir de componentes pequenos e distribuídos, cada um com sua própria infraestrutura, confundindo ainda mais a linha entre eles.

O advento de plataformas de nuvem pública, como Amazon Web Services, Microsoft Azure e Google Cloud Platform, influenciou muito o design, a implantação e o gerenciamento de aplicativos.

Nesse ambiente, um aplicativo pode ser composto de muitos microsserviços , cada um executado em contêineres separados ou em plataformas sem servidor. Esta mudança levou ao termo “aplicativos nativos da nuvem”, onde os aplicativos são projetados especificamente para uma arquitetura de computação em nuvem, aproveitando seus benefícios de escalabilidade, resiliência e agilidade.

Definindo um aplicativo

Em termos mais simples, um aplicativo ou “app” é um tipo de software projetado para executar tarefas ou funções específicas para os usuários. Do ponto de vista técnico, um aplicativo pode ser uma única linha de script, um conjunto de serviços em uma arquitetura de microsserviços ou qualquer coisa intermediária. Ele encapsula lógica de negócios, interfaces de usuário e acesso a dados, trabalhando dentro das diretrizes de um sistema operacional para fornecer uma interação amigável.

Porém, no mundo dos negócios, um aplicativo transcende o mero software. Torna-se uma ferramenta que impulsiona a eficiência dos processos, melhora a experiência do cliente, facilita a coleta de dados e gera insights para a tomada de decisões informadas. Pode incorporar diversas tecnologias e interfaces – tanto físicas como digitais – para proporcionar uma experiência de utilizador perfeita, melhorando a capacidade de uma organização cumprir os seus objectivos estratégicos.

Essa natureza multifacetada dos aplicativos modernos apresenta uma infinidade de desafios de segurança.

À medida que os aplicativos evoluem de arquiteturas monolíticas para microsserviços descentralizados e integram um amplo espectro de interfaces e tecnologias, a superfície de ataque se expande exponencialmente. Cada componente, interface e linha de código se torna um ponto potencial de vulnerabilidade. A natureza dinâmica dos serviços baseados em nuvem, muitas vezes abrangendo diferentes provedores e regiões, complica ainda mais o cenário de segurança. Não se trata mais apenas de proteger software independente, mas de garantir a segurança de todo um ecossistema com o qual o aplicativo interage.

Além disso, os processos de integração contínua e entrega contínua ( CI/CD ) que impulsionam o desenvolvimento de software moderno aceleram o ritmo no qual os aplicativos são atualizados e implantados. Embora essa agilidade beneficie as empresas ao fornecer rapidamente recursos e correções aos usuários finais, também significa que os protocolos de segurança precisam ser igualmente ágeis. As medidas de segurança tradicionais, que muitas vezes dependem de revisões e auditorias periódicas, podem não ser suficientes neste ambiente acelerado. Assim, a tarefa de proteger uma aplicação no mundo de hoje exige uma abordagem proativa, holística e adaptativa. Os profissionais de segurança cibernética precisam repensar e reformular as suas estratégias, garantindo que a segurança seja incorporada em todas as fases do ciclo de vida da aplicação, desde a concepção, passando pela implantação, até ao desmantelamento.

Para compreender completamente o termo “aplicação” no mundo contemporâneo que prioriza a nuvem, devemos examiná-lo em vários níveis: como um programa de software, como uma unidade funcional em um ambiente de negócios e como uma mistura de código e infraestrutura no IaaS moderno. , PaaS e contexto IaC.

Aplicação como programa de software

Tecnicamente, um aplicativo se refere a um programa de software desenvolvido para ajudar os usuários a realizar tarefas específicas. É um pacote independente e agrupado de instruções codificadas escritas em uma linguagem de programação, com bibliotecas e dependências associadas que instruem um computador a executar um conjunto designado de ações. Os exemplos variam de aplicativos de desktop como o Microsoft Word a aplicativos móveis como o Instagram e aplicativos da web como o Google Docs.

Uma aplicação é distinta do sistema operacional e do hardware — ela utiliza os recursos do sistema, coordenados pelo sistema operacional, para executar suas tarefas. No entanto, o código do aplicativo por si só não encapsula tudo o que o aplicativo é: ele depende de interfaces, protocolos e estruturas de dados que permitem interagir com os usuários, o sistema operacional e outros aplicativos.

Aplicação como unidade funcional

No contexto de uma empresa ou organização, um aplicativo assume um significado funcional adicional. Não é apenas um programa, mas uma ferramenta para capacitar processos de negócios, melhorar a produtividade, interagir com clientes ou analisar dados. Essa perspectiva traz elementos como interfaces de usuário (UI), experiências de usuário (UX), gerenciamento de dados e integrações com outros softwares ou serviços.

Por exemplo, um aplicativo de gerenciamento de relacionamento com o cliente (CRM) não envolve apenas o código de software subjacente, mas também o banco de dados de informações do cliente que ele gerencia, as interfaces que os vendedores usam, as análises que fornece e as conexões que tem com outros sistemas, como e-mail ou software de faturamento.

Aplicação na era da nuvem

Com o surgimento dos modelos IaaS, PaaS e IaaS, a definição de um aplicativo se estende para incluir o ambiente de tempo de execução associado e a infraestrutura subjacente. Os aplicativos agora não são apenas pacotes de código, mas sistemas holísticos que incluem recursos de hardware virtualizados, sistemas operacionais, bancos de dados e configurações de rede dos quais dependem.

O advento dos microsserviços e da conteinerização, onde um aplicativo pode consistir em muitos componentes implantáveis ​​de forma independente, cada um deles executado em seu próprio ambiente, complexifica ainda mais essa definição. Em um aplicativo nativo da nuvem, cada microsserviço com seu código, dependências e ambiente pode ser considerado um “aplicativo” por si só.

A introdução da Infraestrutura como Código ( IAC ) complicou ainda mais a definição de aplicações. IaC é a prática de gerenciar e provisionar infraestrutura por meio de arquivos de definição legíveis por máquina, em vez de configuração de hardware físico ou ferramentas de configuração interativas.

Sob este paradigma, a infraestrutura – tradicionalmente considerada um aspecto estático e raramente modificado – torna-se dinâmica e maleável, quase uma extensão da própria aplicação. Os aplicativos e sua infraestrutura ficam intimamente interligados, evoluindo em conjunto.

Com IaC, a definição de um aplicativo se estende para incluir a infraestrutura subjacente na qual ele opera. O código do aplicativo não inclui apenas a lógica de negócios, mas também as definições dos recursos necessários para funcionar com eficiência. A aplicação torna-se responsável por seu ambiente, e o ambiente torna-se parte integrante da aplicação.

O desafio de segurança das aplicações modernas e seus limites confusos

Esses rápidos avanços na infraestrutura de nuvem e nas práticas de desenvolvimento de software combinados redefiniram os limites dos aplicativos em três dimensões principais: horizontal, vertical e a sobreposição entre código e console. Estas mudanças colocam novos desafios de segurança que exigem novas ideias e estratégias.

1. Desafios horizontais na era nativa da nuvem

Na era nativa da nuvem, em vez de uma estrutura autônoma e monolítica, um aplicativo geralmente é uma composição de vários serviços. Cada serviço representa uma peça do quebra-cabeça do aplicativo, interagindo com outras para formar o aplicativo inteiro.

Um ambiente tão interligado apresenta vários desafios de segurança:

  • Propriedade: Com serviços provenientes de diferentes fontes, torna-se difícil determinar a responsabilidade.
  • Autorização: Estruturas multisserviços exigem controles de acesso complexos.
  • Compatibilidade: Garantir que todos os serviços interajam de forma segura e sem riscos.
  • Dependências: Cada serviço pode depender de vários outros, criando vários pontos de falha.
  • Esta mudança para uma estrutura descentralizada e orientada para microsserviços ampliou a superfície de ataque, tornando crucial considerar cada serviço como um potencial ponto de vulnerabilidade.

2. Integração vertical: de IaaS a PaaS e aplicativo

A jornada do software local para soluções em nuvem viu os aplicativos passarem de meros programas de software para se tornarem profundamente integrados à sua infraestrutura subjacente. Hoje, os aplicativos não se limitam a soluções IaaS ou PaaS; eles estão interligados com eles.

IaaS fornece a camada de hardware virtualizado, enquanto PaaS fornece o ambiente de tempo de execução do aplicativo. Essa integração vertical confundiu os limites entre o aplicativo e suas camadas de suporte. Os profissionais de segurança devem agora garantir que toda a pilha – da infraestrutura à aplicação – esteja segura.

3. Código versus console: além do software tradicional

Historicamente, um aplicativo era visto como o código que o fazia funcionar. Agora, com a ascensão da IaC, a definição de uma aplicação vai além do código de software tradicional. A IaC garante que o provisionamento da infraestrutura seja tão maleável quanto o próprio aplicativo, com ambos evoluindo em conjunto.

No paradigma IaC, a infraestrutura passa a fazer parte da aplicação, com a definição da aplicação abrangendo tanto o seu código tradicional quanto a infraestrutura na qual ela é executada. Esta fusão de código e console exige que as medidas de segurança considerem tanto o software quanto seu ambiente operacional.

Implicações para a segurança de aplicativos

As mudanças dimensionais acima transformaram o AppSec . À medida que os limites se confundem, a segurança não pode ser deixada de lado; ele precisa ser uma parte integrada de todo o ciclo de vida do aplicativo. As práticas de CI/CD enfatizam ainda mais a necessidade de protocolos de segurança ágeis.

Para navegar neste novo cenário, os profissionais de segurança cibernética devem:

  • Adote uma abordagem holística que veja os aplicativos como sistemas abrangentes, não apenas como código.
  • Garanta medidas de segurança proativas, abrangendo código e infraestrutura.
  • Evolua e adapte-se continuamente, alinhando práticas de segurança com o que há de mais moderno em desenvolvimento de aplicativos e infraestrutura.

Conclusão

Como resultado destas mudanças, a definição de uma aplicação no cenário digital atual está longe de ser simples. A evolução do local para IaaS e PaaS, a introdução da infraestrutura de nuvem pública e o advento da IaC desafiaram e expandiram a nossa compreensão do que é uma aplicação.

Do ponto de vista da segurança de aplicações, esta definição em evolução apresenta novos desafios e oportunidades. À medida que a linha entre aplicativos e infraestrutura se confunde, as equipes de segurança devem considerar o aplicativo em sua totalidade — abrangendo tanto o código do aplicativo quanto o código da infraestrutura.

No entanto, também oferece a oportunidade de integrar a segurança no início do ciclo de desenvolvimento, permitindo aplicações mais seguras desde a concepção. À medida que o cenário continua a mudar, os profissionais de segurança devem adaptar-se e evoluir continuamente, adotando novas definições e abordagens para garantir a segurança e a integridade das aplicações.

FONTE: HELP NET SECURITY

POSTS RELACIONADOS