Controles não implementados podem atrapalhar seus esforços de conformidade ESG

Views: 120
0 0
Read Time:2 Minute, 28 Second

Dois terços das organizações não implementaram controlos ambientais, sociais e de governação (ESG) e 60% não realizam atualmente auditorias ESG internas, de acordo com um relatório do AuditBoard.

Falta de preparação do programa ESG

Esta falta de preparação do programa ESG aumenta o risco de reportar dados incompletos ou incorretos e deixa as organizações despreparadas para manter a conformidade com regulamentações futuras, incluindo as futuras regras ESG da Securities and Exchange Commission (SEC).

O relatório também indica que algumas organizações estão mais avançadas do que outras na preparação dos seus programas ESG. Por exemplo, mais de 75% dos entrevistados disseram que atualmente coletam evidências para métricas ESG e 26% relataram que planejam começar a realizar auditorias ESG internas no próximo ano.

Além disso, 61% relataram ter uma equipe ou comitê ESG dedicado com representantes de auditoria, conformidade, jurídico e/ou gestão de risco.

Apesar do progresso, permanecem lacunas de preparação em muitas empresas. Por exemplo, apenas um terço dos entrevistados relata estar em conformidade ou planejando cumprir as regras ESG propostas pela SEC. Para aqueles que planeiam cumprir, as conclusões do relatório revelam que 90% atualmente se enquadram na metade inferior dos níveis de maturidade para relatórios e divulgações.

A obtenção de recursos também é um problema potencial, já que 46% dos entrevistados relataram que não há orçamento dedicado alocado para tecnologia ou número de funcionários ESG. Mesmo entre aqueles com orçamento ESG, apenas 9% têm orçamento alocado para tecnologia de gestão de programas ESG.

A integração dos princípios ESG

“A pesquisa do AuditBoard sobre maturidade ESG revela uma necessidade urgente de alinhar o investimento com controles e divulgação transparente. À medida que as empresas enfrentam regulamentações ESG iminentes em todo o mundo, a integração dos princípios ESG não pode permanecer segmentada”, disse John A. Wheeler , ex-analista de IRM do Gartner e consultor sênior de risco e tecnologia do AuditBoard.

“A tecnologia de gestão integrada de riscos (IRM) oferece um caminho para unificar esses elementos, garantindo que as empresas não apenas estejam em conformidade, mas também sejam líderes em práticas sustentáveis. Ao aliar o investimento a controlos robustos e a uma divulgação clara, as empresas podem preparar-se para o cenário regulamentar e posicionar-se como administradores responsáveis ​​no mercado global”, continuou Wheeler.

  • ESG não está incluído como parte estratégica da gestão de riscos empresariais ( ERM ) em muitas organizações: 40% das organizações não incluem riscos ESG na estratégia de ERM e 35% das organizações não realizaram uma avaliação de materialidade.
  • Das quatro áreas principais de competência ESG (Investimento e Processos; Amplitude e Profundidade; Relatórios e Divulgações; e Governança e Controles), os entrevistados da pesquisa demonstraram a maior maturidade em Investimentos e Processos e a menor maturidade em Relatórios e Divulgações.
  • Os temas mais acompanhados em cada categoria ESG foram: Mudanças climáticas e emissões de carbono (Ambiental, 72%), Gênero e diversidade (Social, 75%) e Composição do Conselho (Governação, 66%).

FONTE: HELP NET SECURITY

POSTS RELACIONADOS