5 melhores práticas para implementar a segurança cibernética que prioriza o risco

Views: 111
0 0
Read Time:5 Minute, 21 Second

As organizações enfrentam uma batalha difícil para proteger os ativos da nuvem híbrida e os dados confidenciais contra ameaças cibernéticas em evolução, num mundo cada vez mais interconectado e digitalizado. Embora a abordagem que coloca a segurança em primeiro lugar seja essencial, ela tem limitações na abordagem à natureza dinâmica destas ameaças. Os riscos resultantes destas ameaças são multifacetados e sofisticados, abrangendo segurança cibernética, conformidade, privacidade, continuidade dos negócios e implicações financeiras. Portanto, é necessária uma mudança em direção a uma abordagem que priorize o risco.

Para apreciar plenamente as vantagens da abordagem orientada para o risco, é vital reconhecer as limitações da abordagem que coloca a segurança em primeiro lugar. A segurança é crucial, mas é apenas uma faceta do cenário mais amplo de riscos. Concentrar-se apenas na segurança pode ofuscar outras considerações igualmente importantes.

Embora as medidas táticas de segurança, como firewalls e criptografia, sejam críticas, elas não abordam todos os riscos. Confiar numa abordagem reativa que lide apenas com ameaças conhecidas pode deixar as organizações vulneráveis ​​a riscos emergentes. Além disso, uma mentalidade rígida centrada na segurança pode prejudicar a adaptabilidade e negligenciar riscos não técnicos, como conformidade e erro humano . Esta abordagem restrita pode resultar numa alocação ineficiente de recursos, com investimentos desproporcionais em medidas preventivas.

Por que escolher a abordagem que prioriza o risco

A abordagem que prioriza o risco é uma estratégia proativa que reconhece riscos interconectados em múltiplas dimensões. Os benefícios incluem a identificação precoce de problemas, medidas preventivas oportunas e alocação eficiente de recursos. Ele se alinha aos objetivos de negócios, facilitando a avaliação sistemática de riscos e permitindo decisões informadas de mitigação de riscos. Promove a adaptabilidade às ameaças em evolução através da monitorização e avaliação contínuas do ambiente de nuvem híbrida. Prioriza a proteção de ativos e vulnerabilidades críticas, orientando a alocação de recursos para salvaguardar elementos essenciais das operações. A alocação focada de recursos otimiza tempo, orçamento e esforço, evitando desperdícios.

A adoção desta abordagem capacita as organizações a gerir os riscos de forma proativa, aumentando a resiliência cibernética para um sucesso sustentável. Além disso, para alcançar uma gestão de riscos abrangente e eficaz, as organizações devem incentivar a colaboração entre todas as equipas, incluindo operações, conformidade, governação e finanças, para obter diversas perspetivas de risco.

Além disso, devem compreender a natureza complexa dos riscos, atribuição e quantificação dos riscos. Ao identificar os componentes que podem causar mais danos e quantificar os riscos, as organizações podem detectar, priorizar e remediar as descobertas com mais rapidez.

Melhores práticas para implementar um método baseado em risco

Ao discutir uma abordagem baseada em riscos com os diretores de segurança da informação (CISOs), as suas preocupações iniciais são muitas vezes sobre a sua relevância, implementação e benefícios. Uma estrutura confiável como a Estrutura de Gerenciamento de Risco do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia ( NIST RMF ) ajuda a gerenciar o risco organizacional geral. Pode identificar, avaliar e mitigar riscos potenciais antes que se tornem problemas.

A implementação desta abordagem com base em uma estrutura aprovada permite consolidar pensamentos, ideias, processos e tecnologia. No entanto, a escolha da estrutura certa requer uma consideração cuidadosa para garantir uma avaliação precisa dos riscos.

  1. Utilização de abordagens quantitativas versus qualitativas: A avaliação quantitativa de riscos é essencial para pontuar, identificar tendências e compreender os principais contribuintes de risco ao longo do tempo. No entanto, a abordagem qualitativa é subjetiva. A abordagem quantitativa identifica os principais contribuidores de risco e elementos de alto risco, fornecendo insights precisos sobre o ambiente de nuvem híbrida. Além disso, atribui o risco ao departamento ou aplicação certa, responsabilizando-os e promovendo um sistema robusto de gestão de risco. Ele capacita as organizações a compreenderem de forma abrangente os riscos nos níveis macro e micro, facilitando a tomada de decisões informadas e a alocação eficiente de recursos.
  2. Incorporação de técnicas de gamificação: Para encorajar a participação activa de todos os membros da equipa, as organizações podem empregar técnicas de gamificação nos seus processos de gestão de riscos. Por exemplo, ao promover a concorrência amigável, os departamentos podem competir com base no desempenho da gestão de riscos utilizando um mecanismo de pontuação padrão, como um sistema de pontos ou classificação. Recompensas como cartões-presente para equipes ou vouchers substanciais incentivam os funcionários a se destacarem na gestão de riscos, contribuindo para a resiliência organizacional geral.
  3. Priorizar os riscos com base no impacto: Dentro de uma estrutura de gestão de riscos, é essencial priorizar os riscos com base no seu potencial impacto e probabilidade. As organizações podem usar um sistema de pontuação quantitativa para categorizar os riscos como de alta, média ou baixa prioridade. Isto permite-lhes alocar recursos de forma eficaz e concentrar-se na abordagem dos riscos mais críticos que representam ameaças significativas aos seus objetivos.
  4. Desenvolver uma estratégia de mitigação de riscos: As organizações devem desenvolver uma estratégia abrangente de mitigação de riscos assim que os riscos forem identificados e priorizados. Esta estratégia deve delinear ações específicas, controlos, medidas preventivas, avaliações regulares e planos de contingência para minimizar o impacto. Ao seguir uma abordagem estruturada, as organizações podem abordar proativamente ameaças potenciais, reduzir vulnerabilidades e ficar à frente das ameaças.
  5. Automatize o monitoramento e a reavaliação contínuos: A automação desempenha um papel fundamental para garantir o gerenciamento eficaz de riscos, pois permite um processo contínuo e contínuo de monitoramento e reavaliação. Ao implementar a automação para monitoramento e alertas de riscos em tempo real, as organizações podem ficar a par dos riscos emergentes e ajustar suas estratégias de mitigação de acordo. A reavaliação regular garante que a gestão de riscos permaneça alinhada com os ambientes de negócios em evolução, permitindo que as organizações mantenham uma abordagem proativa e adaptável à mitigação de riscos.

Mudar para uma abordagem que prioriza o risco é essencial para que as organizações naveguem no cenário em mudança da segurança cibernética. Os CISOs desempenham um papel fundamental na implementação desta abordagem, aproveitando avaliações de risco abrangentes, priorização de recursos e promovendo a colaboração. Adotar uma mentalidade de risco em primeiro lugar permite que as organizações tomem decisões informadas, fortaleçam a segurança, protejam ativos valiosos e reduzam o impacto financeiro.

FONTE: DARKREADING

POSTS RELACIONADOS