4 estratégias para proteger o setor financeiro contra o ataque deepfake

Views: 133
0 0
Read Time:4 Minute, 20 Second

Com a ascensão da tecnologia deepfake, o setor financeiro enfrenta um novo e crescente cenário de ameaças, à medida que atores maliciosos exploram conteúdos gerados por inteligência artificial (IA) para perpetrar fraudes e ataques de engenharia social. No entanto, de acordo com um estudo da Pew Research , 61% das pessoas acham que “é pedir demais ao americano médio ser capaz de reconhecer vídeos e imagens alterados”. Isto representa um desafio significativo para os profissionais financeiros protegerem a si mesmos e aos seus clientes no ambiente digital cada vez mais desonesto.

O perigo iminente dos deepfakes nas finanças

Deepfakes têm o potencial de enganar indivíduos e manipular transações financeiras, representando riscos significativos para instituições e seus clientes. A ideia de que deepfakes estão a ser usados ​​para se passar por falecidos acrescenta uma nova camada de complexidade a esta questão já desafiante e sublinha as dificuldades gerais que as instituições financeiras enfrentam quando confrontadas com deepfakes.

A capacidade de imitar de forma convincente a aparência e a voz dos indivíduos pode facilitar fraudes de falsificação de identidade, permitir transações fraudulentas e comprometer informações confidenciais. As qualidades realistas dos Deepfakes podem dificultar o discernimento entre conteúdo real e conteúdo alterado, o que aumenta o risco de cair em fraude.

Exemplos de Deepfakes em Finanças

Deepfakes podem se manifestar de várias maneiras no âmbito do engano digital. A tecnologia Deepfake permite que os fraudadores se passem por executivos ou CEOs de alto escalão, mudando suas vozes e aparências para induzir investidores ou funcionários a realizar transações ou divulgar informações confidenciais. Essas fraudes de falsificação de identidade causadas por deepfake causam enormes perdas financeiras e prejudicam a reputação de indivíduos e empresas.

Deepfakes também podem ser usados ​​para fabricar relatórios financeiros e manipular dados, bem como comprometer a integridade do mercado e prejudicar a confiança ao produzir representações falsas de informações financeiras . A verdadeira situação financeira das empresas pode ser distorcida por estas narrativas falsas, enganando investidores e autoridades. Os relatórios financeiros fabricados com tecnologia deepfake podem transmitir informações enganosas, aumentar os indicadores de desempenho ou ocultar riscos. Como resultado, os investidores podem tomar decisões erradas e a supervisão regulamentar pode ficar comprometida.

Além disso, deepfakes têm sido usados ​​para adulterar transações financeiras e comprometer dados confidenciais. Por exemplo, os fraudadores podem usar tecnologia de “voz” deepfake para fabricar pedidos de sequestro e resgate , obrigando as vítimas a divulgar informações financeiras confidenciais ou autorizando transações fraudulentas devido a emoções exploradas. Deepfakes podem contornar medidas de segurança e assumir o controle de recursos financeiros, personificando a voz, maneirismos e outras características distintivas de uma pessoa.

Como fortalecer suas defesas contra deepfakes

É necessária uma estratégia proativa e abrangente para combater os deepfakes em qualquer setor. Felizmente, as organizações podem reduzir os riscos e proteger as suas operações aproveitando métodos como estes.

  1. Aumentar a sensibilização e a formação: É vital dar prioridade à educação e à formação no setor financeiro. Informe os funcionários e clientes sobre deepfakes, os perigos da fraude de identidade e práticas comerciais desonestas. Incentive as pessoas a abordar as comunicações e solicitações com cuidado e ceticismo e a fazê-lo através dos canais estabelecidos. Ao promover uma cultura de cepticismo e cautela, as pessoas podem proteger-se melhor a si próprias e às suas transacções financeiras.
  2. Fortalecer os processos de verificação: Implementar procedimentos completos de transação e verificação individual. Utilize inúmeras camadas, como documentos de identificação extras ou verificações fora de banda por meio de diferentes canais de comunicação. As instituições financeiras podem reduzir o risco de acesso não autorizado e de atividades fraudulentas, implementando medidas de verificação rigorosas.
  3. Promova canais de atendimento ao cliente: incentive os clientes a relatar atividades ou solicitações duvidosas usando métodos de comunicação de fácil acesso. Crie canais claros e ofereça instruções sobre práticas de denúncia. Garantir que os clientes possam contatá-lo prontamente para obter ajuda torna mais fácil responder de forma rápida e mitigar eficazmente quaisquer perigos.
  4. Implemente palavras de código e visualizações de perfil completas: soluções de baixa tecnologia podem fornecer métodos viáveis ​​de verificação. Use visualizações de perfil em vídeos para evitar que fraudadores obtenham uma perspectiva completa de 180 graus do assunto. Além disso, implemente palavras de código contínuo para determinar a autenticidade de uma pessoa.

Face ao perigo iminente representado pelos deepfakes no setor financeiro, fortalecer as defesas torna-se imperativo. Os profissionais financeiros devem navegar num mundo onde é difícil detectar conteúdos manipulados à medida que o ambiente digital se torna mais desonesto. São necessárias soluções inovadoras e um compromisso constante para proteger as empresas financeiras e os seus clientes.

Para garantir a integridade das transações financeiras e manter a confiança que sustenta a indústria, o caminho a seguir envolve adaptação constante, conhecimento de tecnologias inovadoras e trabalho com especialistas para compreender e proteger contra riscos. Através de medidas estratégicas e de uma frente unida, o setor financeiro pode superar a ameaça iminente dos deepfakes e manter a segurança e a confiança dos seus stakeholders e clientes.

FONTE: DARKREADING

POSTS RELACIONADOS