Explorando os riscos da tecnologia de rastreamento ocular na segurança da realidade virtual (VR)

Views: 213
0 0
Read Time:7 Minute, 40 Second

Por Sam Bocetta

A realidade virtual (VR) oferece benefícios profundos em diversas indústrias, principalmente na educação e treinamento, graças à sua natureza imersiva. Através de derivados, como ambientes de aprendizagem em 3D, a VR permite que os aprendizes compreendam conceitos teóricos de forma mais profunda e rápida.

No entanto, junto com os benefícios vêm alguns perigos. Um desses riscos é a integração da tecnologia de rastreamento ocular em ambientes de realidade virtual. Embora o rastreamento ocular prometa melhorar as experiências e a segurança através da verificação biométrica, ele também levanta preocupações de privacidade.

Essa tecnologia, apesar de útil, pode ser explorada por criminosos virtuais. Por exemplo, um recente estudo da Universidade Rutgers mostra que hackers podem usar headsets comuns de realidade virtual (AR/VR) com sensores de movimento para capturar movimentos faciais ligados à fala. Isso poderia resultar no roubo de dados sensíveis comunicados através de comandos de voz, como números de cartão de crédito e senhas.

Este artigo explora os riscos dessa nova tecnologia, investigando como as informações coletadas a partir dos nossos olhos podem ser mal utilizadas e o que isso significa para nossa segurança em mundos virtuais.

Como funciona o rastreamento ocular em VR?

A tecnologia de rastreamento ocular em realidade virtual (VR) é um sistema sofisticado projetado para monitorar e analisar para onde e como o olhar de um usuário se move quando estão imersos em um ambiente de VR.

Isso é alcançado através do uso de sensores de infravermelho e câmeras embutidas no headset de VR. Esses sensores direcionam luz infravermelha em direção aos olhos, e as câmeras capturam o reflexo dessa luz na córnea e a posição da pupila. Em seguida, analisa esses reflexos e posições para determinar com precisão a direção para onde o usuário está olhando.

Uma vez que o sistema de rastreamento ocular coleta esses dados, ele os processa em tempo real, utilizando algoritmos sofisticados para interpretar a direção do olhar do usuário, movimentos oculares e outras métricas como dilatação da pupila e taxa de piscar.

Esses dados abrangentes permitem que o sistema de VR entenda exatamente onde o usuário está focando sua atenção dentro do ambiente virtual.

Com o rápido crescimento da tecnologia de VR, a maioria das pessoas imediatamente pensa em monitoramento e venda de dados, mas ao mesmo tempo, não é só um mar de rosas. Podemos estar nos movendo em direção a um ambiente de trabalho futurista, onde podemos nos concentrar nos aspectos criativos de nossas funções. Imagine um desenvolvedor sendo capaz de receber sugestões sobre otimização de custos na nuvem ou escrever código mais limpo e legível. No entanto, as preocupações ainda precisam ser abordadas.

Preocupações de privacidade com a tecnologia de rastreamento ocular

Não nos interpretem mal – a tecnologia de rastreamento ocular pode ter muitos benefícios. Por exemplo, ela tem sido usada para identificar distúrbios cognitivos como autismo e déficit de atenção, assim como doenças mentais e psicológicas como esquizofrenia e Alzheimer. Também pode fornecer insights sobre o comportamento de uma pessoa, incluindo indicadores potenciais de uso de drogas e álcool.

Os dados que ela coleta às vezes podem ir além de apenas para onde um indivíduo está olhando, e essa tem sido uma das principais questões em torno de jogos de VR. Embora a ideia de monetizar dados de rastreamento ocular ainda seja teórica, há muito que as empresas podem inferir a partir deles.

Essa capacidade se estende a entender quais anúncios chamam nossa atenção, como processamos informações em uma página da web e nossas reações a vários estímulos. Embora possa parecer ótimo ter seu headset de VR rastreando sua atividade no jogo e fornecendo as melhores sugestões para comprar um plugin do WordPress, oferecer ideias para seu nome de domínio ou usar IA para gerar respostas úteis, as verdadeiras possibilidades são muito mais sinistras.

Assim, proteger esses dados por meio de políticas de privacidade robustas e práticas de segurança centradas em dados é essencial para mitigar os riscos associados ao seu uso indevido. Como os dispositivos de rastreamento ocular estão começando a se tornar tão comuns quanto as webcams, os reguladores devem se manter à frente das corporações ávidas por dados.

Potencial para o uso indevido de dados de rastreamento ocular

A tecnologia de rastreamento ocular, embora inovadora e rica em potencial para aprimorar as experiências do usuário em diversos campos, incluindo a VR, também abriga riscos significativos relacionados à privacidade e segurança de dados.

Os dados detalhados capturados pelo rastreamento ocular – desde para onde as pessoas olham e por quanto tempo fixam pontos específicos até métricas mais sutis como dilatação da pupila – podem revelar uma enorme quantidade sobre as preferências, interesses e até mesmo o estado emocional ou psicológico de uma pessoa.

Isso levanta um dilema ético significativo: E se empresas como o Google começarem a coletar e armazenar dados sobre os movimentos oculares dos usuários? Isso poderia representar um problema para organizações que planejam adotar a tecnologia de VR no futuro, especialmente aquelas que lidam com dados sensíveis.

Com uma base de consumidores cada vez mais consciente da privacidade, elas podem até ser compelidas a procurar uma alternativa ao GCP, diferentes provedores de hospedagem de e-mail e uma série de outras soluções para proteger a privacidade de seus usuários e se adaptar às suas preferências.

Os riscos potenciais do uso indevido de dados de rastreamento ocular são vastos e variados – aqui está uma visão geral concisa de algumas das questões mais urgentes:

  • Perfil pessoal. Os dados de rastreamento ocular podem ser usados para construir perfis detalhados de usuários, incluindo seus interesses, hábitos e comportamentos. Essas informações podem ser potencialmente exploradas para publicidade direcionada de uma maneira que infringe a privacidade pessoal.
  • Vigilância. Nas mãos erradas, os dados de rastreamento ocular podem servir como ferramenta de vigilância, permitindo o rastreamento não autorizado do foco e atenção de um indivíduo tanto em espaços digitais quanto físicos.
  • Manipulação e influência. Descobrir o que captura a atenção de uma pessoa ou gera respostas emocionais pode dar a outras pessoas ou organizações o poder de manipular decisões. Imagine o WordPress acessando seu banco de dados de 455 milhões de websites e usando dados de rastreamento ocular para sugerir plugins e outros produtos para aqueles que eles acham que têm mais probabilidade de comprá-los.
  • Violações de segurança. Como qualquer dado digital, as informações de rastreamento ocular estão suscetíveis a hacking e acesso não autorizado. Se tais dados forem comprometidos, isso poderia levar a roubo de identidade, chantagem ou outras formas de crimes cibernéticos, especialmente se combinados com outros dados pessoais.
  • Inferências não intencionais. O rastreamento ocular poderia inadvertidamente expor informações sensíveis sobre a saúde de uma pessoa (por exemplo, detectando condições como doença de Parkinson ou Alzheimer com base em padrões de movimento ocular) ou outros atributos pessoais sem seu consentimento.

Para mitigar esses riscos, medidas robustas de proteção de dados, processos transparentes de consentimento do usuário e estruturas regulatórias rigorosas precisam ser estabelecidas e aplicadas. Os usuários devem ser totalmente informados sobre quais dados estão sendo coletados, como estão sendo usados e quem tem acesso a eles, garantindo um equilíbrio entre o avanço tecnológico e a proteção dos direitos individuais de privacidade.

Mitigando os riscos

Para mitigar os riscos associados à tecnologia de rastreamento ocular, as empresas de RV podem criptografar os dados coletados pela tecnologia de rastreamento ocular para garantir que, mesmo se os dados forem interceptados, permaneçam inacessíveis para usuários não autorizados. A criptografia deve ser aplicada tanto durante a transmissão de dados quanto ao armazenar dados.

Por exemplo, um empreiteiro deve ser capaz de usar uma iteração semelhante ao Star Trek da realidade virtual, não como o holodeck, mas na forma de software especializado de telhado que lhes permite observar telhados em que trabalharão na RV sem se preocupar em deixar rastros de seus dados pessoais online.

As empresas também podem anonimizar dados. Anonimizar dados significa remover informações pessoalmente identificáveis para que os dados não possam ser rastreados até um indivíduo. Essa técnica pode ser particularmente útil para pesquisa ou análise agregada, onde detalhes de usuário individuais não são necessários.

A inovação em tecnologias de preservação da privacidade pode permitir os benefícios do rastreamento ocular na RV, enquanto minimiza a coleta de dados. Por exemplo, processar dados localmente no dispositivo e transmitir apenas dados necessários e anonimizados para servidores pode reduzir os riscos de privacidade.

Conclusão

À medida que a tecnologia de rastreamento ocular avança, ela nos levará a lugares incríveis que apenas sonhamos. Mas o verdadeiro sucesso está em garantir que protegemos a privacidade das pessoas e as respeitamos nesses mundos digitais. Ao explorarmos essas novas tecnologias, também devemos lembrar dos valores que nos tornam humanos.

Conversar e trabalhar juntos – criadores de tecnologia, especialistas jurídicos, legisladores e usuários – é fundamental para garantir que o rastreamento ocular na RV e AR seja bom para nós sem comprometer nossa privacidade ou segurança. É importante ser aberto, permitir que as pessoas controlem seus próprios dados e trabalhar com outros para encontrar um bom equilíbrio entre novas invenções e privacidade.

Esse artigo tem informações retiradas do blog da AT&T. A Neotel é parceira da  AT&T e, para mais informações sobre as soluções e serviços da empresa, entre em contato com a gente.

POSTS RELACIONADOS