Prevenção contra perda de dados em Governo

Views: 199
0 0
Read Time:6 Minute, 59 Second

Governos armazenam uma riqueza de informações sensíveis, desde dados classificados até registros de cidadãos. No entanto, à medida que a tecnologia avança, crescem também as ameaças cibernéticas. Nos últimos anos, as violações de dados aumentaram em todo o mundo, afetando não apenas corporações e indivíduos, mas também governos. 

Imagine um cenário em que os arquivos ultra secretos de um governo são expostos a forças externas sem permissão. Não é apenas algo de romances de espionagem; é um desafio do mundo real que as agências governamentais enfrentam. Hackers, intencionalmente ou não, conseguem acesso a dados governamentais sensíveis, colocando não apenas a segurança em risco, mas também a confiança do público.

Neste artigo, exploraremos o complexo mundo das violações de dados governamentais, examinando os fatores por trás desses ataques e o papel crucial da prevenção de perda de dados na proteção de nossas instituições. Vamos embasar nossa jornada com insights do Relatório de Violação de Dados de 2023 da Verizon, lançando luz sobre esse cenário de ameaças em constante evolução.

Estatísticas de violações de dados no setor público

Primeiro, vamos recorrer aos números do Relatório de Investigações de Violação de Dados de 2023 da Verizon para obter uma compreensão concreta da escala de incidentes de segurança de dados no ano passado. Este relatório examina violações em escala global, proporcionando uma boa ideia do estado atual da segurança de dados no mundo.

No setor público, foram relatados impressionantes 3.273 incidentes, com 584 deles confirmando a divulgação de dados. Compare isso com apenas 525 incidentes na indústria de saúde e cerca de 1.800 tanto na área financeira quanto na manufatura. Isso representa um número substancial de violações que comprometeram, de alguma forma, a segurança das informações governamentais.

Os padrões de violação mais comuns no setor público são a intrusão no sistema, perda e roubo de ativos e engenharia social. E embora se possa pensar que será sempre um atacante externo à organização que tentará roubar dados governamentais, em impressionantes 30% dos incidentes, atores internos também desempenham um papel. Essa dinâmica interna-externa adiciona complexidade ao desafio de proteger dados governamentais.

Nas seções seguintes, vamos aprofundar ainda mais, examinando como essas estatísticas se traduzem em cenários do mundo real e o papel da prevenção de perda de dados na proteção contra esses tipos de ameaças.

Táticas comuns em incidentes de segurança de dados do governo

Como em qualquer campo de batalha, entender as táticas do oponente é crucial. É a única maneira de superá-los! No campo das violações de dados governamentais, cibercriminosos empregam uma miríade de estratégias para infiltrar sistemas seguros. Vamos explorar algumas das táticas mais comuns que cibercriminosos gostam de usar:

1. Golpes de phishing direcionados a funcionários governamentais: Golpes de phishing, embora onipresentes, continuam eficazes. Neste método, cibercriminosos enviam e-mails ou mensagens convincentes, muitas vezes se passando por entidades confiáveis, para enganar trabalhadores do governo. Clicar em links maliciosos ou baixar arquivos infectados pode comprometer a segurança de todo o sistema. Muitas vezes, é um simples erro honesto do funcionário que pode ter consequências graves.

2. Ataques de ransomware: Ransomware envolve a criptografia dos dados de uma organização pelo cibercriminoso e, em seguida, exigir um pagamento de resgate em troca da chave de descriptografia. Esses ataques podem parar sistemas inteiros e exigir esforços caros de recuperação, tornando-os uma tática prevalente e impactante em violações de dados governamentais.

3. Ameaças persistentes avançadas (APTs): As APTs são ataques cibernéticos sofisticados e de longo prazo, normalmente conduzidos por grupos de hackers bem organizados. Esses atacantes, uma vez infiltrados nos sistemas governamentais, estabelecem uma presença persistente, permanecendo indetectados por longos períodos enquanto exfiltram dados sensíveis ou realizam atividades de espionagem. As APTs são difíceis de detectar e podem causar danos severos às instituições governamentais e à segurança de seus dados.

4. Hackeando parceiros do setor privado: Parceiros do setor privado que trabalham com governos podem ter acesso a dados sensíveis do setor público, e ao violar o sistema de segurança deles, um hacker pode obter um ponto de entrada para informações governamentais valiosas. Essas táticas revelam as complexidades do relacionamento entre instituições governamentais e seus parceiros.

5. Ameaças internas: Ameaças internas referem-se a incidentes nos quais indivíduos com acesso autorizado a sistemas governamentais usam ou manipulam dados intencionalmente ou acidentalmente. Isso pode incluir funcionários ou contratados do governo vazando informações sensíveis, intencionalmente ou não, através de ações como compartilhar documentos classificados com partes não autorizadas ou enviar acidentalmente dados sensíveis para destinatários errados.

6. Invasão de servidores físicos: Às vezes, a abordagem tradicional ainda é eficaz. Hackers identificam vulnerabilidades em servidores físicos desatualizados usados para armazenamento de dados por alguns governos. Esses servidores podem ter pontos de entrada fáceis, tornando-os alvos atraentes. A lição aqui é clara: proteger dados governamentais vai além do digital; a segurança física também é importante.

Melhores práticas de cibersegurança para organizações governamentais

Ao navegarmos no mundo em constante mudança e sempre ativo das ameaças cibernéticas, os governos se veem com uma tarefa importante: manter a proteção de seus dados sensíveis. Nesta seção, vamos mergulhar nas etapas e estratégias essenciais que os governos podem adotar para ajudar a manter seus dados seguros.

1. Enfatizar o treinamento de funcionários: Como dizem, “Uma corrente é tão forte quanto seu elo mais fraco.” Na cibersegurança governamental, esse elo fraco pode ser um funcionário inadvertido. É essencial educar as pessoas internamente sobre como reconhecer e prevenir violações de dados.

2. Adotar software baseado na nuvem (com segurança): A transição de servidores físicos no local para soluções baseadas na nuvem é crucial na cibersegurança governamental moderna. Provedores de nuvem oferecem backups automáticos e atualizações regulares, garantindo a segurança e acessibilidade de dados críticos. Embora as soluções na nuvem ofereçam vantagens significativas, é importante garantir sua implementação segura. Isso não apenas minimiza o risco de violações de dados, mas também simplifica as operações governamentais.

3. Implementar software de emissão de tickets de TI: Com um número crescente de departamentos e sistemas em organizações governamentais, o software de emissão de tickets oferece um mecanismo automatizado para priorizar e resolver problemas técnicos de maneira eficiente. Isso garante que os problemas sejam prontamente abordados, potencialmente prevenindo que vulnerabilidades se intensifiquem. Essa abordagem proativa não apenas melhora a eficiência geral, mas também reduz o risco de possíveis ameaças à cibersegurança.

4. Parceria apenas com empresas seguras: Quando agências governamentais trabalham com empresas privadas, muitas vezes compartilham dados importantes, o que poderia colocar os dados em risco. É crucial garantir que esses parceiros usem sistemas de computadores seguros e bem protegidos. Estabeleça diretrizes para verificar se os parceiros têm práticas sólidas de cibersegurança para proteger a integridade dos dados compartilhados.

5. Implementar soluções robustas de prevenção de perda de dados (DLP): Uma solução DLP forte é como ter um guarda vigilante na porta. As ferramentas DLP monitoram os movimentos de dados, sinalizam acessos não autorizados e impedem que os funcionários participem de comportamentos perigosos. Tudo isso ajuda a proteger informações sensíveis contra ameaças externas e internas.

O que é o software DLP e como ele pode ajudar a proteger seus dados?

O software DLP é uma tecnologia que protege dados sensíveis monitorando, controlando o acesso e prevenindo sua distribuição não autorizada. Uma das funções principais do DLP é evitar violações de dados identificando, categorizando e monitorando dados dentro da sua rede governamental. E é incansável – um bom DLP nunca descansa, escaneando continuamente a rede.

Ele pode detectar atividades incomuns ou não autorizadas, interrompendo violações em andamento. Uma característica importante de uma boa solução DLP são alertas em tempo real, permitindo que o pessoal de TI tome medidas imediatas. O tempo é essencial se houver um vazamento de dados ocorrendo, então você deseja agir assim que humanamente possível para evitar mais danos.

Essa abordagem proativa pode ser a diferença entre uma violação de dados fracassada e bem-sucedida. Por exemplo, intrusões no sistema são um padrão comum de violação no setor público. DLP monitora ativamente o tráfego de rede e detecta anomalias que poderiam sinalizar um ataque cibernético. Seu sistema DLP deve garantir que apenas indivíduos autorizados possam visualizar ou transmitir dados sensíveis, adicionando uma camada adicional de defesa contra violações.

Autor Petra Tatai Chaloupka, Consultora de Cibersegurança da safetica.

Esse artigo tem informações retiradas do blog da safetica. A Neotel é parceira da safetica e, para mais informações sobre as soluções e serviços da empresa, entre em contato com a gente.

POSTS RELACIONADOS