As SMEs ainda são um alvo fácil para cibercriminosos

Views: 44
0 0
Read Time:2 Minute, 12 Second

O cibercrime continua sendo uma grande preocupação, com 51% das SMEs experimentando uma violação de segurança cibernética, revela uma pesquisa da Markel Direct.

Nesta pesquisa que entrevistou 1000 entrevistados, markel direct explorou a questão do crime cibernético e seu impacto sobre os trabalhadores autônomos e as MEEs. A pesquisa constatou que os ataques mais comuns de cibersegurança foram relacionados a malware/vírus (24%), seguidos de uma violação de dados (16%) e um ataque de phishing (15%), com 68% relatando que o custo de sua violação era de até £5.000.

Isso ocorre depois que o último Relatório Trimestral de Fraudes e Crimes Cibernéticos revelou que os britânicos perderam mais de 1 bilhão de libras nos primeiros seis meses de 2021, devido ao aumento considerável da atividade fraudulenta.

As medidas que as MEEs e os trabalhadores autônomos estão tomando para proteger contra crimes cibernéticos

88% das empresas tinham pelo menos uma forma de cibersegurança em vigor (como antivírus, firewalls ou autenticação de vários fatores), com 70% se sentindo bastante confiantes ou extremamente confiantes em seus arranjos de cibersegurança.

Dos entrevistados que não tinham segurança cibernética no local, o custo foi a principal razão por trás disso, com 11% dos entrevistados afirmando que não gastaria nada em proteção.

Rob Rees, diretor de direct and partnerships da Markel Direct, disse que “os ataques cibernéticos às maiores corporações são frequentemente manchetes, especialmente em consideração a algumas das principais violações que aconteceram nos últimos anos para empresas conhecidas e autoridades locais. No entanto, as MEEs e os trabalhadores autônomos também estão em risco, e as consequências podem ser devastadoras para empresas menores que podem não ser capazes de se recuperar do impacto financeiro de uma violação cibernética, ou perder a confiança de seus clientes.”

Um impacto financeiro das violações através de ações judiciais

As violações das ESE e dos trabalhadores autônomos não só afetam a segurança de seus dados, mas também podem ter um impacto financeiro significativo por meio de ações legais que poderiam ser tomadas por terceiros e interrupção das atividades empresariais.

Rees continuou: “Os criminosos cibernéticos muitas vezes visam os trabalhadores autônomos e as MEs, pois não têm os recursos que as grandes empresas têm para investir em segurança cibernética. As ESE e os trabalhadores autônomos que se tornam alvos de um ataque cibernético podem acabar enfrentando consequências financeiras e operacionais, das quais alguns podem nunca se recuperar. Embora os custos de cibersegurança e seguros cibernéticos possam parecer desnecessários para algumas empresas, o custo real das perdas relatadas em todo o Reino Unido que pudemos destacar em nosso estudo mostra o impacto que ele pode ter.”

FONTE: THE REGISTER

Previous post WebSpec, uma estrutura formal para análise de segurança do navegador, revela novo ataque de cookies
Next post Grupo hacker alega ter invadido sistemas da Claro, NET e Embratel

Deixe um comentário