Brasil tem alta de 220% no 1° semestre de ataques cibernéticos

Views: 87
0 0
Read Time:2 Minute, 26 Second

Pesquisa realizada pela MZ, empresa de soluções de Relações com Investidores, com dados coletados pelo sistema de busca do site da CVM (Comissão de Valores Imobiliários), revelou que no Brasil, os ataques cibernéticos aumentaram em 220% no primeiro semestre de 2021 quando comparado ao mesmo período do ano passado.

A pandemia da COVID-19 trouxe muitas mudanças no cotidiano do mundo todo com o isolamento social, novos hábitos de interação, higiene, trabalho em home office e impulsionou a transformação digital das empresas. Afinal, com o consumidor estando mais em casa, as companhias tiveram que melhorar suas tecnologias para se conectar a eles através de sites, e-commerces, webinars, entre outros. Esse aceleramento trouxe vários benefícios, mas por outro lado, os ataques cibernéticos aumentaram em volume, intensidade e complexidade.

Para as empresas, também foi preciso adaptar os locais de trabalho a home office e devido à fragilidade dos sistemas de algumas, o acesso remoto de um ERP, por exemplo, abriu espaço para ataques.

Segundo dados da consultoria de risco Cyber Risk e da corretora Marsh Brasil, do total de orçamento com TI das empresas, só 5% são gastos em cibersegurança. O pouco investimento no segmento de segurança tecnológica evidencia a necessidade das empresas se atentarem ao problema e colocar em seu planejamento esta ação, já que o risco não está apenas no vazamento dos dados de clientes, mas também, um ataque cibernético, pode paralisar todo o seu sistema operacional.

Sendo assim, é importante que as empresas contem com soluções de segurança da informação que trabalhem de forma integrada e automatizada em toda a rede central. Com ações simples como a aquisição de um firewall de qualidade e antivírus nas máquinas de todos os colaboradores, as empresas poderão proteger melhor os seus dados.

Existem algumas soluções que também podem ajudar a mitigar o risco de um possível ataque cibernético, entre elas estão a implantação de um excelente sistema ERP e a migração de dados para a nuvem. Estando em nuvem, o ERP ganha mais alguns benefícios, pois não depende da infraestrutura de servidor próprio para ajudar as empresas a compartilhar informações entre departamentos. O software em nuvem continua integrando todas as funções essenciais para o funcionamento de um negócio, conforme menciona Ricardo Nunes, CEO da TRIYO Tecnologia.

O objetivo principal é tornar o core business da empresa mais eficiente, centralizando todas as informações em um único software como, estoque, produção, finanças e nota fiscal. Além de contar com a segurança da aplicação em nuvem, que previne imprevistos indesejáveis com servidores locais. Ricardo Nunes, CEO da TRIYO, cita também que a migração em nuvem ainda oferece mais algumas vantagens como:

  • Redução de custos;
  • Maior segurança para a corporação;
  • Acesso remoto aos dados;
  • Escalabilidade;
  • Atualização constante e ágil

São muitas as vantagens da migração do ERP para a nuvem que garantem um ganho estratégico e comercial para as empresas, além de proteger os seus dados de cyberataques.

FONTE: JORNAL DE BRASILIA

Previous post 7 estratégias para sobrevivência em segurança cibernética
Next post Quais países correm mais (e menos) riscos cibernéticos?

Deixe um comentário