Google alerta para phishing no YouTube e venda de canais sequestrados

Views: 73
0 0
Read Time:2 Minute, 54 Second

Google explicou que a maioria dos ataques a canais do YouTube usa engenharia social para que alvo baixe malwares que sequestram cookies e senhas

O Google detalhou alguns dos ataques hackers feitos a canais no YouTube com o uso de malwares que roubam senhas e cookies das vítimas. Segundo a empresa, esses hackers usavam engenharia social para aplicar golpes de phishing, e o serviço era feito em troca de 25% a 70% da receita obtidas em lives de criptomoedas — foi o caso do canal Loop Infinito.

Hackers promovem criptomoedas e vendem canais

Uma nota do Grupo de Análise de Ameaças do Google divulgada na quarta-feira (20) explicou sobre a onda de ataques hackers contra canais do YouTube.

Alguns brasileiros já foram alvo dessas invasões: o canal Loop Infinito, que mais de 1 milhão de inscritos, foi hackeado no mês passado. Nesse caso, a conta que invadiu a página era do Tucomenistão. Sob controle da conta Google ligada ao canal, o hacker promoveu lives divulgando a criptomoeda ethereum. O mesmo aconteceu com o canal de YouTube e Twitter do DJ Alok, por onde o invasor promoveu uma transmissão ao vivo com NFTs.

De acordo com o Google, a divulgação de criptomoedas pelos invasores é uma tendência nos ataques aos youtubers. Quando não há a promoção de moedas digitais, o canal corre o risco de ser vendido em um leilão paralelo realizado pelo invasor.

Maioria dos hackers era recrutada em fórum russo

A maioria dos invasores recrutados para roubar canais do YouTube vêm de um fórum russo na internet. A principal tática usada é atrair a vítima para uma suposta colaboração em seu canal — como oportunidades de patrocínio — e, então, o hacker sequestra a página do youtuber.

A maioria oferece parcerias para os youtubers testarem anti-virus, VPNs, tocadores de música, softwares de edição de foto ou jogos online.

À medida que a maioria dos softwares do Google foram podando a ação dos hackers, os invasores foram utilizando-se cada vez mais de táticas de engenharia social: são landing pages ou contas de redes sociais usadas para infectar o computador da vítima com o malware. Além disso, os golpistas também recorrem a táticas mais convencionais, como o phishing por e-mail.

O Google identificou cerca de 1.011 domínios criados para espalhar malwares para youtubers. Aproximadamente 15 mil contas foram criadas para a campanha de golpes de phishing via e-mail, com links para arquivos de Google Drive e PDF.

Golpistas migraram para WhatsApp e Telegram, diz Google

Como o Google detecta e marca e-mails com links suspeitos de phishing, a empresa conta que os hacker migraram para mensageiros privados para continuar a aplicar os golpes, como WhatsApp, Telegram or Discord.

Sobre os malwares usados pelos hackers para invadir canais do YouTube, o Google conta que cada ferramenta rouba os cookies dos navegadores das vítimas. Em seguida, o histórico de navegação é baixado pelo invasor. O problema da maioria desses malwares é que eles são executados silenciosamente, sem que o usuário saiba.

“A maioria dos malwares era capaz de roubar tanto a senha quanto os cookies. Algumas amostras tinha táticas de anti-sandboxing, incluindo mega arquivos, anexos criptografados e máscaras de IP”, disse Ashley Shen, engenheira do Google.

À maioria dos hackers era prometida uma recompensa de 25% a 70% da receita obtida pela venda do canal ou com live de criptomoedas. O Google fez uma tabela sobre os requisitos de cada proposta feita pelos hackers:

FONTE: TERRA

Previous post Pesquisa da HP sobre ameaças mostra que invasores exploram vulnerabilidades antes que empresas possam corrigi-las
Next post MoIP comunica vazamento de dados de clientes

Deixe um comentário