Criminoso invade contas do iCloud e rouba milhares de nudes

Views: 52
0 0
Read Time:1 Minute, 55 Second

Por Dácio Castelo Branco

De tempos em tempos os usuários de serviços de armazenamento na nuvem são lembrados, de forma alarmante, o quanto essas plataformas podem trazer problemas. Desta vez, o alerta é feito a partir de um homem dos EUA que admitiu ter invadido contas do Apple iCloud para roubar fotos e vídeos íntimos de usuários. 

O criminoso se chama Hao Kuo Chi e vive na Califórnia. Segundo a acusação, ele conspirou com outras pessoas para acessar mais de 300 contas do iCloud, de usuários localizados nos EUA desde, pelo menos, setembro de 2014.

O Departamento de Justiça dos EUA afirma que, após invadir as contas, Chi procurava especificamente por fotos e vídeos de jovens mulheres nuas, popularmente conhecidas como nudes. Os arquivos, após roubados, eram trocados com outros indivíduos, que muitas vezes vazavam o conteúdo para o público. 

Chi é acusado de cometer os crimes de conspiração e fraude digital, que podem sentenciá-lo até 20 anos de prisão. Procurando diminuir sua pena, o acusado concordou em testemunhar contra outros envolvidos no esquema, o que pode diminuir sua sentença. 

Como a invasão ocorria

O acusado, usando o pseudônimo de “icloudripper4you” (“euroubooicloudparavc”, em tradução livre) na internet, conseguia invadir as contas do iCloud a partir de engenharia social e phishing, onde ele se passava por um membro da equipe de suporte da Apple e convencia as vítimas a compartilharem suas credenciais de acesso. 

O processo também indica que, em alguns casos, os outros envolvidos no crime davam para Chi as credenciais das vítimas. Além de vender as fotos e vídeos roubados, o acusado também mantinha os arquivos em um armazenamento na nuvem de 1TB, como sua coleção pessoal, que, segundo estimativas, era composta de centenas de milhares de itens. 

Para proteção de contas de serviços online, é recomendado que os usuários sempre estejam ligados onde estão compartilhando suas credenciais, além de não clicarem em links suspeitos. Por fim, em caso de desconfiança, é importante entrar em contato com os canais de comunicação oficiais das empresas responsáveis pelas plataformas digitais, para checar a veracidade das mensagens e telefonemas. 

E, especificamente no caso do iCloud, a Apple recomenda a leitura da página de suporte de seus serviços e aparelhos, que pode ser acessada aqui.

FONTE: CANALTECH

Previous post Falha do Facebook alerta o Brasil sobre novas vulnerabilidades da nuvem e da rede 5G
Next post Recente estudo da Forrester aponta que 75% das organizações atribuem os ataques cibernéticos às implementações mal feitas durante a pandemia

Deixe um comentário