Novo software usa deep learning para detectar malwares sofisticados

Views: 36
0 0
Read Time:2 Minute, 33 Second

Por Dácio Castelo Branco

Box, empresa de serviços de gerenciamento de conteúdos armazenados na nuvem, anunciou uma nova funcionalidade para seus sistemas, o deep scan, que irá realizar um escaneamento profundo de arquivos quando eles são enviados para identificar malwares sofisticados e impedir a ocorrência de ataques.

A nova funcionalidade faz parte do chamado Box Shield, software de gerenciamento de arquivos da Box, e irá fazer uso de deep learning para impedir vazamento de dados, identificar ameaças e detectar qualquer tipo de comportamento fora do comum nos sistemas.

Deep learning é um tipo de aprendizado de máquina que, em vez de organizar os dados para serem executados através de operações fixas, configura os parâmetros básicos sobre as informações e treina o computador para aprender sozinho através do reconhecimento de padrões em diferentes camadas de processamento.

deep scan entrará em ação sempre que um arquivo for enviado para a nuvem da Box. A função irá escanear o documento e, caso ache padrões maliciosos nele, irá o deixar de quarentena. Usuários ainda poderão o editar e ver prévias, mas não poderão baixá-lo para suas máquinas. Além disso, detalhes como quem foi o responsável pelo envio do conteúdo malicioso e quais usuários o acessaram também serão disponibilizados.

Ilustração mostrando o funcionamento do deep scan. (Imagem: Captura de Tela/Dácio Augusto/Canaltech)

Desde abril do ano passado a Box está adicionando ao Box Shield ferramentas para o combate de infecções digitais, porém, focadas sempre em ameaças já conhecidas. Com a adição do deep scan, a empresa pretende mesclar tecnologia de deep learning com dados de ameaças externas, para realizar uma melhor análise de conteúdos potencialmente maliciosos e, principalmente, proteger sistemas corporativos das mais diversas vulnerabilidades, sejam de dia-zero (falhas de sistema críticas até então desconhecida) ou recém-descobertas.

Diego Dugatkin, Gerente de Produtos da Box, afirma que o aumento dos ataques de sequestro virtual (ransomware) no primeiro semestre de 2021, a Box tem como missão fornecer aos seus clientes uma plataforma segura onde eles possam gerenciar e proteger seus dados, e que o Box Shield, junto do deep scan, são o resultado do trabalho para alcançar esse objetivo.

As ferramentas do Box Shield

A interface de informações de arquivos do Box Shield. (Imagem: Reprodução/Box)

A Box espera disponibilizar o deep scan até o final do ano. Com essa nova ferramenta, o Box Shield se torna capaz de realizar as seguintes ações de segurança:

  • Reconhecimento de características maliciosas em arquivos em tempo real, a partir do uso de modelos de deep learning;
  • Detecção de malware durante o upload, atualização, download, prévia, compartilhamento, cópia ou movimentação de arquivos, reduzindo o risco de infecções;
  • Análise de conteúdos externos acessados por usuários para expandir a proteção de itens compartilhados com as empresas;
  • Permitir que administradores do Box Shield possam sobrescrever regras sobre o tratamento de conteúdos de baixo-risco, sem prejudicar os fluxos de trabalho.

O Box Shield pode ser adquirido no site oficial da Box, disponível aqui.

FONTE: CANALTECH

Previous post Nova variante de malware escrita em Python tem como alvo máquinas virtuais
Next post Ciberataques semanais contra empresas no Brasil aumentaram 62% em 2021

Deixe um comentário