Ransomware: o terror tecnológico das empresas

Views: 94
0 0
Read Time:2 Minute, 5 Second

O CEO da Under, Roberto Bertó, explica como evitar que sua empresa se junte a outras que tiveram dados sequestrados e atividades paralisadas por conta de cibercriminosos.

Você sabe o que empresas como Renner, Fleury, JBS, Kaseya e o Tesouro Nacional têm em comum? Todas essas organizações foram alvo de ataques de ransomware nos últimos tempos.

A ação criminosa, que consiste em sequestrar os dados vitais de uma empresa através de criptografia, pode causar um prejuízo global equivalente a US$20 bilhões neste ano, segundo dados da Kaspersky.

O Relatório de Ameaças Cibernéticas da SonicWall 2021 mostra que o Brasil está entre os cinco países que mais sofrem ataques de ransomware no mundo. A principal pergunta que gestores de TI e diretores de empresas estão fazendo no momento é: como evitar ser a próxima vítima?

O CEO da Under, Roberto Bertó, cita uma das falhas mais comuns na segurança de dados das empresas:

“Muitas organizações, na busca por economia, acabam deixando para depois o investimento em um sistema de backup que seja confiável e automatizado”, conta.

Uma das soluções indicadas é contar com uma infraestrutura de backup e restore que recupere os dados rapidamente logo após um desastre como sequestro de dados.

“Uma das formas de obter um RTO (Recovery Time Objective) próximo de zero é contar com um segundo servidor espelhando as informações do servidor principal com backup imutável. Recomendamos ainda backup em diversas camadas, inclusive offsite”.

O número de ataques do tipo ransomware cresceu muito nos últimos dois anos.

“É uma consequência direta da pandemia. Com a descentralização das equipes de trabalho, ficou mais difícil para as equipes de TI gerenciar protocolos de segurança das estações de trabalho remotas. O usuário pode acessar uma rede não-confiável ou não ter a orientação correta sobre como proteger seus dados e comprometer as informações corporativas”, diz Bertó, que aponta o treinamento constante das equipes de trabalho sobre boas práticas na internet, a criação de protocolos de segurança mais rígidos e utilizar softwares originais e atualizados como ações que diminuem as chances de um sequestro de dados. 

Sobre a Under

Com mais de 18 anos no mercado da computação em nuvem, a Under é especialista em entregar soluções em servidores dedicados, cloud e colocation para empresas. Com sede em Porto Alegre e São Paulo, oferece uma estrutura tecnológica de ponta, com dois datacenters Tier-3 no Brasil, localizados estrategicamente para fornecer segurança, alta conectividade, baixa latência e máxima disponibilidade aos seus clientes.

FONTE: CRYPTO ID

Previous post As 5 maiores preocupações em cibersegurança para os gestores de TI
Next post Malware Formbook afetou mais de 5% das organizações no Brasil

Deixe um comentário