Kaspersky identifica mais de 5.000 sites de phishing relacionados com a pandemia

Views: 64
0 0
Read Time:1 Minute, 33 Second

Ofertas de pagamento falsas e testes COVID-19 com desconto estão entre os métodos mais comuns utilizados pelos cibercriminosos.

De forma a compreender como os cibercriminosos exploram os temas relacionados com a pandemia, os especialistas da Kaspersky analisaram emails e páginas de phishing relacionados com a mesma, criadas para roubar as credenciais dos utilizadores.

Ofertas de pagamento falsas e testes COVID-19 com desconto estão entre os métodos mais comuns utilizados pelos cibercriminosos. Recentemente, os anúncios de phishing para códigos QR falsos e certificados de vacinação para restaurantes e eventos, tornaram-se também bastante populares.

Exemplo de um site de phishing que oferece máscaras

Os cibercrimes relacionados com a pandemia atingiram o seu auge em março de 2021. Os investigadores da Kaspersky registaram uma ligeira diminuição em junho, antes de os cibercriminosos intensificarem os seus esforços. Durante este mês, e em comparação com maio, os produtos da Kaspersky detetaram e bloquearam 14% mais sites de phishingA nível europeu, a empresa de cibersegurança conseguiu bloquear cerca de 300 sites de phishing relacionados com a pandemia, 12 dos quais em Portugal.

“Na maioria das fraudes relacionadas com a pandemia, os cibercriminosos pretendem obter os dados dos utilizadores. O phishing é frequentemente utilizado para isto: um utilizador carrega num link de um anúncio ou email e chega a uma página onde lhe é pedido que introduza informações pessoais e dados do cartão bancário. Uma vez que tenham esta informação, os cibercriminosos podem utilizá-la para roubar dinheiro das contas das vítimas. Se receber uma mensagem sobre a pandemia, recomendamos que verifique sempre duas vezes se a informação é de uma fonte oficial e lembre-se que nunca deve partilhar dados pessoais em sites suspeitos”, comenta Alexey Marchenko, Head of Content Filtering Methods Research da Kaspersky.

FONTE: COMPUTERWORLD

Previous post Malware Formbook afetou mais de 5% das organizações no Brasil
Next post Ataque de malware atinge Laboratório Cristália

Deixe um comentário