Seu serviço de streaming favorito não é tão seguro quanto você imagina

Views: 86
0 0
Read Time:3 Minute, 26 Second
As práticas de privacidade entre as plataformas de streaming são ruins, encontre a Common Sense Media.

Eles são usados por centenas de milhões de nós em todo o mundo para entretenimento, e seu uso durante a pandemia disparou à medida que procurávamos entretenimento para nos desviar da realidade esmagadora da vida. Mas, embora algumas das maiores plataformas de streaming de vídeo do mundo avaliem muito pelo seu valor de entretenimento, sua capacidade de manter a privacidade e a segurança deixa um pouco mais a desejar.

Essas são as conclusões de um novo relatório do grupo de lobby Common Sense Media, que descobre que dos 10 maiores serviços de streaming de vídeo, apenas um ganhou uma classificação de passe por usar práticas de privacidade que protegiam cada um de seus usuários. O Apple TV+ foi o único serviço a mancar sobre a barreira baixa, embora o YouTube TV tenha recebido a maior pontuação geral dos revisores.

Um dos serviços de streaming mais populares do mundo também foi o que obteve a pontuação mais baixa no sistema de classificação da Common Sense Media – obtendo apenas 46% de um possível 100%.

A Netflix ganhou prêmios por seu conteúdo original e tem uma profunda biblioteca de programas e filmes que capturam a imaginação do público e se tornam a coisa mais próxima do bate-papo digital com refrigerador de água. Mas suas pontuações sobre segurança de dados e consentimento dos pais, em particular, foram “ruins”.

A venda de dados ocorre

Uma das coisas que marcou a Netflix não foi que ela vendeu os dados dos usuários (diz que não), mas sua admissão de que segmenta usuários com anúncios e os rastreia à medida que usam outros aplicativos e serviços on-line. O Hulu, o próximo pior serviço de streaming pesquisado, vende dados dos usuários de acordo com sua política de privacidade.

É um dos muitos entre os 10 melhores que fazem: ao lado do Hulu, Discovery+, Peacock, HBO Max, Paramount+ e Disney+, todos dizem que vendem dados de usuários a terceiros, mergulhando duas vezes nos lucros potenciais a serem obtidos de cada usuário que já paga por uma assinatura do serviço.

Essa descoberta pode ser chocante para aqueles que desembolsam seus pagamentos todos os meses. “Muitos espectadores sabem que os aplicativos de streaming gratuitos provavelmente estão vendendo suas informações pessoais, mas a maioria dos espectadores pode não saber que a maioria dos aplicativos de streaming de assinatura paga também está vendendo dados dos usuários”, explica o relatório.

Rastreando você fora da plataforma

Uma das principais coisas em que a Common Sense Media marcou aplicativos depois de analisar suas políticas de privacidade foi que eles rastreiam os usuários para longe dos próprios serviços. Onde quer que você vá na internet, nove dos 10 principais serviços de streaming estão observando você e coletando dados sobre você para desenvolver o conhecimento deles sobre o seu perfil.

Somente o Apple TV+ não está coletando seus dados fora do serviço, diz o relatório.

Outra questão levantada pela Common Sense Media foi sobre como os perfis das crianças são tratados e tratados através dos serviços. “As empresas por trás dos aplicativos de streaming devem fazer mais para proteger a privacidade das crianças, desde fornecer controles parentais mais fortes até estabelecer políticas específicas para as crianças”, diz a Common Sense Media. “Mas nossas descobertas também servem como um lembrete para os pais fazerem escolhas inteligentes em torno dos aplicativos que permitem que seus filhos usem e como proteger melhor sua privacidade durante o streaming.”

A empresa de pesquisa também analisou cinco dispositivos populares, incluindo Apple TV, Google TV, Amazon Fire TV, Roku Streaming Stick+ e Nvidia Shield TV. Assim como é o caso dos serviços de streaming, a Apple TV ficou em primeiro lugar em segurança e adesão às melhores práticas, ganhando uma nota de aprovação. Tecnicamente, o Google TV obteve uma pontuação maior do que a oferta da Apple – 81% versus 79% -, mas ficou em segundo lugar porque, apesar de sua política de privacidade mais transparente, as coisas que realmente fez com os dados eram menos apropriadas aos olhos da Common Sense Media.

FONTE: CYBERNEWS

Previous post Como preparar sua rede Windows para um ataque de ransomware
Next post Esta é a verdadeira história dos bancos de dados biométricos afegãos abandonados aos talibãs

Deixe um comentário