Grupo Fleury foi vítima do mesmo ransomware que infectou TJ-RS, Sol Oriens, JBS e Colonial Pipeline

Views: 52
0 0
Read Time:1 Minute, 51 Second

O Grupo Fleury, uma das maiores redes de clínicas e serviços médicos do Brasil, que comunicou ter sofrido um ataque cibernético na última semana, foi infectada pelo ransomware REvil, o mesmo responsável pelo ataque ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS), a fornecedora de tecnologia para desenvolvimento de armas nucleares, Sol Oriens, a JBS e a Colonial Pipeline.

A informação foi apurada pelo portal BleepingComputer, que ouviu fontes ligadas ao caso. De acordo com o portal, várias fontes do setor da segurança da informação revelaram que o Grupo Fleury foi infectado pelo ransomware REvil, também conhecido como Sodinokibi, que está exigindo um resgate equivalente a mais de U$ 5 milhões (R$ 24 milhões) em criptomoedas.

Mensagem com informações e data para pagamento do resgate, deixada pelos cibercriminosos. Foto: BleepingComputer.
Mensagem com informações e data para pagamento do resgate, deixada pelos cibercriminosos. Foto: BleepingComputer.

A The Hack entrou em contato com o Grupo Fleury, que não confirmou ter sido infectado por um ransomware e também não informou se pagou ou não o resgate dos dados, apenas que está trabalhando em parceria com empresas especializadas para responder ao caso.

“O Grupo Fleury informa que conta com empresas especializadas para avaliar o incidente cibernético, aguarda a conclusão dos trabalhos e não comenta quaisquer rumores de mercado“, disse um porta-voz da empresa à The Hack.

Na mensagem deixada pelos cibercriminosos, enviada ao BleepingComputer, estava sinalizado que a data limite para o pagamento era sexta-feira (25) e caso não fosse pago, o grupo vazaria os dados roubados da empresa, em sua página na dark web e o valor para o resgate desses dados passaria a ser de U$ 10 milhões (R$ 48 milhões).

No entanto, como a empresa não confirma essas informações, ainda não há como saber se o valor de cerca de R$ 24 milhões foi pago aos cibercriminosos.

Segundo o próprio Grupo Fleury são mais de 9 mil funcionários, além de mais de 2 mil médicos empregados, divididos em cerca de 216 unidades de atendimento. A empresa opera sob as marcas: Fleury Medicina e Saúde; a+ Medicina Diagnóstica; Laboratório Weinmann; Labs a+; Clínica Felippe Mattoso; Diagnoson a+; Weinmann Serdil; Instituto de Radiologia; Campana e outros.

FONTE: THE HACK

Previous post Exclusivo: falha grave no LinkedIn permite envio de phishing pelo email oficial da empresa
Next post Pedófilo da dark web gemiu sobre o acesso a crianças em confinamento e disse à sala de bate-papo ‘PedoPub’ que trabalhar em casa parou suas caminhadas depois da escola

Deixe um comentário