Febraban responde sobre golpes e garante que apps bancários são seguros

Views: 137
0 0
Read Time:1 Minute, 41 Second

Por Felipe Gugelmin

Um golpe em que criminosos roubam celulares para invadir contas bancárias por meio dos apps instalados despertou a atenção da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Em um comunicado, o grupo afirmou que os aplicativos bancários disponíveis atualmente são seguros, mas alguns descuidos por parte dos usuários facilitam a ação dos grupos especializados nesse tipo de ação.

Segundo a Febraban, a maioria dos furtos ocorre em vias públicas e com pessoas cujo aparelho está em uso. “Dessa forma, os criminosos têm acesso ao celular já desbloqueado e, a partir daí, realizam pesquisas no aparelho buscando por senhas eventualmente armazenadas pelos próprios usuários em aplicativos e sites”, explica a federação.

Com a obtenção desses dados, os criminosos conseguem acessar contas bancárias, sites de compras, serviços de internet e outros locais que contêm dados pessoais. Para se proteger desse tipo de ação, é preciso seguir algumas recomendações simples:

  • Nunca usar recursos que lembram automaticamente de senhas em navegadores e sites;
  • Não compartilhe ou anote senhas de acesso em documentos de texto, e-mails, mensagens de comunicadores ou outros locais que são armazenados no celular;
  • Use no seu banco uma senha diferente daquelas utilizadas para acessar outros aplicativos, sites e serviços;
  • Memorize suas senhas e não as mantenha anotadas em nenhum lugar.

A Febraban também aconselha que todos que tiverem seus aparelhos roubados devem notificar imediatamente seus bancos para exigir o bloqueio do app e da senha de acesso. Também é recomendado requisitar o bloqueio imediato da linha telefônica associada e registrar um boletim de ocorrência.

O golpe ao qual a entidade faz referência foi relatado pela Folha de S. Paulo no dia 15 de junho e chama a atenção pela capacidade dos criminosos de, supostamente, quebrar barreiras de segurança que vão da senha de acesso até soluções de biometria. A situação já despertou a atenção do Procon-SP, que emitiu um comunicado a dez bancos e três associações do setor financeiro exigindo explicações sobre os sistemas de proteção presentes em seus apps.

FONTE: CANALTECH

Previous post Pesquisa aponta falhas que abrem brechas para ransomware nas empresas
Next post Procon-SP pede que 10 bancos e 3 associações expliquem suas defesas digitais

Deixe um comentário