Nova empresa, mesmos problemas: Porto Rico sofre quedas de energia

Views: 102
0 0
Read Time:3 Minute, 21 Second

Uma empresa privada que assumiu a transmissão e distribuição de energia em Porto Rico este mês tem lutado com paralisações generalizadas e crescente raiva enquanto se mexia para controlar um incêndio que deixou centenas de milhares de clientes no escuro.

Autoridades dizem que as paralisações afetaram mais de 1 milhão de clientes até agora este mês, sem contar os afetados pela explosão e incêndio em uma subestação principal na capital de San Juan. Vários prefeitos haviam declarado emergência, pois distribuíam gelo e geradores aos mais necessitados antes do incêndio de quinta-feira, cuja causa estava sob investigação, pois as autoridades avisaram que levaria a noite toda para restaurar a energia depois que um transformador explodiu.

Cerca de 700.000 clientes ficaram sem energia no auge da paralisação, e pelo menos 400.000 ficaram sem eletricidade na quinta-feira.

Muitos em Porto Rico esperavam uma rápida melhora no serviço, mas os clientes reclamam que ficou ainda pior nos primeiros dias de operações da Luma – com problemas complicados pelas fortes chuvas desta semana seguidas pela explosão.

“Isso se transformou em caos”, disse Javier Jiménez, prefeito da cidade ocidental de San Sebastián, que havia estabelecido sua própria brigada de trabalhadores para fazer reparos depois que o furacão Maria destruiu em grande parte a rede elétrica do território americano em 2017, deixando algumas pessoas sem eletricidade por quase um ano.

Jiménez disse que foi forçado a ativar essa brigada mais uma vez esta semana porque a Luma Energy, que assumiu o sistema de transmissão e distribuição da Autoridade de Energia Elétrica de Porto Rico em 1º de junho, disse-lhe que não tinha mão de obra suficiente para restaurar a eletricidade para as mais de 1.000 famílias que restaram no escuro durante o fim de semana em sua cidade.

“Eu não podia acreditar”, disse ele. “Uma empresa que está aqui há poucos dias…”

Jiménez também observou que os porto-riquenhos reclamaram que, quando ligam para a empresa, são colocados em espera por horas sem resposta.

Um porta-voz da Luma não retornou uma mensagem para comentar, enquanto um representante da empresa, José Pérez, disse às estações de rádio locais que as paralisações poderiam ser atos de sabotagem ou casos de muitas pessoas usando o sistema ao mesmo tempo. Então, na tarde de quinta-feira, a Luma informou que seu site se tornou alvo de um ataque cibernético, dizendo que os 2 milhões de acessos por segundo que estava recebendo estava impedindo os clientes de acessar o site.

Funcionários do governo pediram paciência, observando que Luma herdou milhares de paralisações e apenas assumiu um sistema funcionando em infraestrutura, grande parte delas remendadas após o furacão Maria.

No início de junho, o CEO da Luma, Wayne Stensby, disse a repórteres que a empresa tinha mais de 350 trabalhadores de linha e que o número era suficiente.

Na terça-feira, Luma emitiu um comunicado pedindo aos funcionários municipais e empresas privadas que parassem de tentar consertar o sistema de forma independente, dizendo que tais esforços eram ilegais e perigosos.

“A Luma está ciente das paralisações que afetam as comunidades em Porto Rico e trabalhando com segurança e estratégia para restaurar a energia em toda a ilha”, disse.

Mas muitos clientes estão fervendo, incluindo José Aquino, um instrutor de ginástica de 38 anos que disse que ele e sua família ficaram sem energia por 14 horas de cada vez em várias ocasiões nesta semana. Seu pai é diabético e teve que jogar fora sua insulina antes de comprar um pequeno refrigerador para armazená-lo no gelo.

“Ele não teve que fazer isso desde (o furacão) Maria”, disse Aquino, acrescentando que nem ele nem sua esposa foram capazes de relatar as paralisações a Luma. “Eles não respondem.”

Luma, um consórcio formado por Calgary, a Atco, com sede em Alberta, e a Quanta Services Inc. de Houston, atende cerca de 1,5 milhão de clientes. Ele operará o sistema de transmissão e distribuição sob um contrato de 15 anos com o governo de Porto Rico.

FONTE: APNEWS

Previous post Foi assim que pude ver posts/stories privados e arquivados de usuários no Instagram sem segui-los
Next post Fornecedora da Audi e Volkswagen deixa exposto dados de mais de 3,3 milhões de clientes das montadoras

Deixe um comentário