Outro Colonial Pipeline ‘virá em breve’, diz executivo de agência dos EUA

Views: 83
0 0
Read Time:1 Minute, 30 Second

Rafael Romer

Um dos maiores esforços empreendidos atualmente pelo departamento de segurança interna dos Estados Unidos, (ou Homeland Security, como costuma ser chamado) tem relação com segurança cibernética. Normalmente relacionado a esforços de contraterrorismo, a estrutura federal agora se volta para ataques de ransomware – como o que afetou no começo de maio a Colonial Pipeline, uma das maiores operadoras de dutos de combustível no país.

Ataques como esse, que paralisou a empresa e afetou o fornecimento de combustível
no país, fazendo aumentar o preço de contratos futuros de petróleo, vai
acontecer de novo em infraestruturas críticas nos EUA e do mundo. Ou
seja, são inevitáveis. Mas isso não significa que seja possível reduzir
riscos aplicando políticas que coordenem esforços entre os setores
público e privado.

É o que diz Marty Edwards, vice-presidente de
soluções de segurança para tecnologias operacionais (OT) da Tenable e
copresidente do CSIWG – sigla em inglês para Grupo de Trabalho
Interagências de Sistemas de Controle, parceria público-privada entre
governo e o setor privado para segurança de OT. O grupo faz parte da
CISA (Cybersecurity and Infrastructure Security Agency), órgão
do governo dos EUA que regula a área de cibersegurança no setor
industrial. Também foi diretor do time de respostas de emergência contra
incidentes de segurança industriais (ICS-CERT), dentro do mesmo
Homeland Security.

O ataque cibernético contra a Colonial Pipeline levou o governo do
democrata Joe Biden a criar, no último dia 12 de maio, uma ordem
executiva que impõem maiores controles sobre ambientes industriais. Para
o especialista, que tem 35 anos de experiência no setor – boa parte
deles em segurança de infraestruturas industriais – ataques de
ransomware contra infraestruturas críticas dos países devem continuar
aumentando.

“Garantir a segurança digital das redes que suportam nossa energia e serviços públicos, resposta a emergências, serviços hospitalares e defesa nacional deve ser uma prioridade de qualquer nação”, diz o especialista.

Leia a entrevista completa no IT Forum.

FONTE: COMPUTERWORLD

Previous post Huawei: cibersegurança também envolve arquitetura e operação, e não só equipamentos
Next post Como funciona o ransomware DarkSide e quem está por trás dele

Deixe um comentário