‘Bitcoin revolucionou os crimes online e ninguém está seguro’, diz ex-diretor de segurança do Facebook

Views: 59
0 0
Read Time:2 Minute, 24 Second

Alex Stamos, ex-CSO do Facebook, não poupou críticas ao Bitcoin e às criptomoedas, atribuindo à popularização dos criptoativos o aumento de ataques de hackers no mundo.

'Bitcoin revolucionou os crimes online e ninguém está seguro', diz ex-diretor de segurança do Facebook

O ex-CSO (Chief Security Officer, ou diretor de segurança) do Facebook Alex Stamos disse durante o evento Collision 2021, da Web Summit, sobre o uso de Bitcoin pelo crime organizado, segundo o portal português Dinheiro Vivo.

Stamos disse que as criptomoedas têm tornado os crimes de hacking mais atraentes e fáceis de praticar, “facilitando” a vida dos hackers:

“O Bitcoin revolucionou o crime online e facilitou a vida aos hackers e resolveu o problema antigo da forma de receber pagamentos”

O especialista em cibersegurança ainda lembrou que sua equipe no Facebook descobriu um ataque de hackers à empresa que roubou mais de US$ 110 milhões. Na época, o dinheiro foi recuperado e os envolvidos foram presos, mas segundo ele, se o caso fosse descoberto hoje, o fim da história seria diferente:

“Se fosse hoje, com criptomoedas, seria quase impossível apanhá-los. As criptomoedas criaram uma economia de pessoas que estão sendo enganadas”.

O pesquisador de segurança online ainda disse durante o evento que os ataques não estão restritos às Big Techs e quase ninguém hoje está seguro para evitar ataques de hackers, que muitas vezes são inclusive recrutados por empresas de cibersegurança:

“É difícil ter um negócio legítimo que não possa ser alvo de hackers patrocinados por Estados. Os mais pequenos não têm um mecanismo global que os proteja, em mundo em que os hackers são tão bons quantos os especialistas e há alguns especialistas que trabalham de dia para o Estado e de noite são hackers”.

Os problemas de privacidade também foram tema do debate de Stamos nos EUA:

“O mercado falhou em termos de incentivos, porque a privacidade não é a prioridade nos regulamentos e nos EUA é onde se está pior, com regras dos tempos de Ronald Reagan dos anos 1980 que ainda ditam a realidade online num tempo em que só havia empresas de telecomunicações que atuavam no mercado norte-americano”

Finalmente, sobrou até para os NFTs, tokens não fungíveis que têm sido usados para certificar colecionáveis, desde cards da NBA até obras de arte e de música ao redor do mundo. Segundo o ex-diretor do Facebook, os NFTs são “mais uma forma de enganar as pessoas” e a tecnologia blockchain, embora “interessante intelectualmente, não faz sentido na maioria dos casos na sociedade humana”:

“Os NFT são um sintoma atual de colocar blockchain em tudo, por exemplo, não faz sentido usar em transações de imobiliário porque é só mais uma forma de enganar pessoas”.

O Facebook, ex-empresa de Alex Stamos, promete lançar ainda em 2021 sua criptomoeda, que já chamou-se Libra mas agora ganhou o nome de Diem, um token lastreado em uma cesta de ativos.

FONTE: COINTELEGRAPH

Previous post Estudo aponta que 90% dos dispositivos descartados contém dados confidenciais
Next post Hackers vendem pacote de 223 milhões de registros supostamente roubados do PoupaTempo por BTC

Deixe um comentário