Israelense residente no Brasil ajudou a lavar dinheiro via dark web

Views: 194
0 0
Read Time:2 Minute, 27 Second

Tal Prihar é dono do site DeepDotWeb, que compartilhava links de sites que vendem armas, kits de malware e drogas

O israelense Tal Prihar, de 37 anos, residente no Brasil, se declarou culpado em um tribunal dos Estados Unidos da acusação de conspirar para facilitar a lavagem de dinheiro, entre outros crimes. Ele é dono do site DeepDotWeb, em sociedade com seu corréu e também cidadão israelense, Michael Phan, de 34 anos.

Eles são acusados de ter recebido milhões de dólares em propinas para conectar usuários de internet aos mercados da dark web. Criado em 2013, o site não apenas fornecia informações gerais sobre a dark web, mas também compartilhava links de sites específicos onde os usuários podiam comprar armas de fogo ilegais, kits de malware, dados financeiros roubados, drogas ilícitas, entre outros produtos ilícitos.

Cada vez que um usuário clicava em um dos links, que não podem ser encontrados por meio de mecanismos de buscas regulares, Prihar e Phan recebiam uma espécie de comissão. De acordo com documentos judiciais, a hospedagem de links de sites ilegais rendeu a ambos aproximadamente US$ 8,4 milhões.

“Prihar reconheceu hoje seu papel de liderança na operação do site que serviu como porta de entrada para vários mercados da dark web que vendem fentanil, heroína, armas de fogo, ferramentas de hacking e outros produtos ilegais”, disse o procurador de Justiça do Distrito Ocidental da Pensilvânia, Stephen Kaufman, em um comunicado divulgado no dia 31 de março. “O senhor Prihar e seu corréu extraíam uma taxa de cada cliente direcionado a esses sites ilegais, lucrando milhões de dólares”, completou ele.

As remessas da propina foram feitas por meio da carteira de Bitcoin do DeepDotWeb. Para ocultar sua natureza e origem, ele transferiu o dinheiro para contas bancárias que controlava em nome de empresas de fachada e para outras contas de Bitcoin. O site foi bloqueado pelo FBI, a pedido da Seção de Crime Informático e Propriedade Intelectual e da Seção de Crime Organizado e Gangues, órgãos do Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Prihar concordou em pagar US$ 8.414.173,00 que recebeu em propinas. Em 31 de março passado, ele se declarou culpado de conspiração para facilitar a lavagem de dinheiro. A sentença deve sair no dia 2 de agosto e Prihar pode pegar pena de até 20 anos de prisão.

“Por seis anos, o DeepDotWeb foi um portal para facilitar a compra ilegal de itens, incluindo drogas perigosas, armas e software malicioso”, disse o agente especial interino Carlton Peeples, do Pittsburgh Field Office do FBI, à Infosecurity.

“Prihar lucrou com o subproduto das transações perigosas de outras pessoas e a confissão de culpa passa uma forte mensagem para outros cibercriminosos em todo o mundo que pensam que a dark web é um porto seguro. O FBI trabalha regularmente com nossos parceiros locais, estaduais, federais e internacionais para desmantelar sites ilícitos e ir atrás dos responsáveis ​​por eles”, completou Peeples.

FONTE: CISO ADVISOR

Previous post Mercado clandestino de vacinas da Darknet está fora do ar após ciberataque
Next post Hackers estão invadindo câmeras, gravando relações sexuais e vendendo na web

Deixe um comentário