Hackers ‘se arrependem’ e dizem que vão devolver bitcoin a vítimas, mas escondem truque

Views: 100
0 0
Read Time:2 Minute, 1 Second

Paulo Alves

Um grupo hacker revelou que irá devolver o dinheiro pago em bitcoin por vítimas para liberar arquivos.

Os hackers disseram ter saído do mundo do crime e garantem que vão reembolsar as pessoas extorquidas. No entanto, há suspeita de que tudo seja mais um truque. As informações são do portal Bleeping Computer.

O caso surgiu no começo de fevereiro, quando o grupo hacker Ziggy, conhecido por ataques usando ransomware, anunciou seu fechamento.

“Sou o administrador do ransomware Ziggy. Decidimos divulgar todas as chaves de criptografia”, dizia uma mensagem postada em um grupo do TelegramSinais de cripto são idéias de negociação de traders especializados em comprar ou vender uma determinada criptomoeda em momentos específicos…. More no dia 6 do mês passado.

O grupo de fato liberou as chaves na sequência, permitindo que vítimas desbloqueassem arquivos criptografados durante ataques anteriores.

Mais de um mês depois, no entanto, os hackers disseram “ter um plano” para reembolsar as pessoas que chegaram a pagar resgate para reaver seus documentos.

Truque

O anúncio da devolução aconteceu no dia 20 de março, mas só veio à tona nesta semana. Embora tenham admitido arrependimento pelos crimes virtuais, o grupo pode ter se aproveitado da valorização do bitcoin para anunciar a devolução dos pagamentos.

O truque está na forma que os hackers escolheram devolver os valores. Segundo eles, o dinheiro será reembolsado utilizando a cotação do bitcoin no dia em que a vítima efetuou o pagamento.

Isso porque, quando o grupo anunciou o fim das atividades, o bitcoin era negociado no mercado por cerca de US$ 39.000. Já atualmente, o preço do criptoativo beira os US$ 59.000, uma valorização de 51,2%. Ao que tudo indica, portanto, a diferença ficará nas mãos dos hackers.

Hackers na mira

O grupo Ziggy não admite, mas o encerramento das atividades faz parte de um contexto maior de combate aos crimes virtuais no mundo. Segundo observa o portal especializado ThreatPost, esse e outros grupos hackers têm desistido com receio de serem pegos ou por já terem feito acordos com autoridades policiais.

Esse teria sido o caso, por exemplo, do grupo que controlava o ransomware FNX. Em comunicado emitido no fim de janeiro, os administradores disseram que “sentiam muito” pelas vítimas, mas a mudança teria sido, na verdade, decorrente de um acordo para ajudar no combate ao crime cibernético.

FONTE: BEINGCRYPTO

Previous post Portal da Transparência do Amazonas é hackeado e sai do ar
Next post América Latina sofreu mais de 41 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos em 2020

Deixe um comentário