Ferramenta de IA detecta vídeos de deepfakes pelo reflexo da luz nos olhos

Views: 131
0 0
Read Time:2 Minute, 25 Second

Uma nova ferramenta usa a inteligência artificial (IA) para detectar deepfakes gravados em vídeo pelo reflexo da luz nos olhos de seus personagens. O sistema, criado por especialistas da Universidade de Buffalo, teve 94% de exatidão em encontrar vídeos falsos feitos em modo retrato.

A ferramenta de IA analisa a córnea das pessoas presentes nos vídeos, determinando serem reais ou deepfakes. Essa parte do olho tem um aspecto quase espelhado, que reflete a luz que incide sobre ela. Em um vídeo real, ambos os olhos terão mais ou menos o mesmo reflexo, considerando que a pessoa estará enxergando o mesmo objeto. Em um vídeo falso, esse padrão não é fielmente reproduzido uma vez que o material é gerado por computador.

Sistema usa IA para detectar deepfakes por meio do reflexo da luz nos olhos dos personagens presentes em vídeos. Imagem: Universidade de Buffalo/Divulgação
Sistema usa IA para detectar deepfakes por meio do reflexo da luz nos olhos dos personagens presentes em vídeos. Imagem: Universidade de Buffalo/Divulgação

Desde seu nascimento, os deepfakes levantaram questões bastante necessárias devido aos seus potenciais problemas de segurança. Mas a tecnologia também já foi aplicada de forma benéfica: um museu na Flórida, dedicado à vida e obra do pintor surrealista Salvador Dalí, coloca o próprio artista (que faleceu em dezembro de 1989) para comandar o tour dos visitantes. Entretanto, os deepfakes tornaram-se mais conhecidos pelo seu lado maléfico: com eles, é possível inserir o rosto de qualquer pessoa, por exemplo, em um filme pornográfico.

Processo ainda depende de alguns fatores

Em 2020, uma ferramenta usava a tecnologia deepfake para “adivinhar” como seria o corpo nu de uma pessoa a partir de uma foto de biquíni, gerando “falsos nudes”,  o que obviamente traz preocupações de constrangimento e privacidade para especialistas em segurança trabalharem em cima.

O sistema da Universidade de Buffalo mapeia os rostos e olhos das pessoas presentes nos vídeos, procurando por essas discrepâncias do reflexo da luz nas córneas e íris. As diferenças podem variar desde formas geométricas aleatórias até o posicionamento e ângulo errados, no caso de vídeos falsos. A partir daí, a ferramenta estabelece uma pontuação numérica: quanto mais baixo for o valor, maior a chance do vídeo ser falso.

A ferramenta procura por erros de reprodução da forma como a luz é refletida: em vídeos reais, os dois olhos terão reflexos iguais. Imagem: Universidade de Buffalo/Reprodução
A ferramenta procura por erros de reprodução da forma como a luz é refletida: em vídeos reais, os dois olhos terão reflexos iguais. Imagem: Universidade de Buffalo/Reprodução

Os cientistas, porém, reconhecem que há falhas no método empregado. Não bastasse ele funcionar apenas em vídeos gravados em modo retrato (quando você filma com o seu celular em pé, por exemplo), ele ainda depende de uma fonte de luz constante e também que ambos os olhos estejam visíveis para a captura. Qualquer coisa que fuja desse padrão fará com que o sistema, embora funcione normalmente, apresente falsos positivos.

Agora, o time da Universidade de Buffalo vai trabalhar justamente para aprimorar essas falhas e atualizar o recurso, o que pode levar um bom tempo e muita pesquisa.

FONTE: OLHAR DIGITAL

messenger sharing button
skype sharing button
flipboard sharing button
tumblr sharing button
pinterest sharing button
evernote sharing button
gmail sharing button
sharethis sharing button
Previous post App aterroriza colegas em video-chamadas do Zoom com sons legitimamente desconfortáveis
Next post Estudo mostra quais os apps mais invasivos no iOS

Deixe um comentário