Pesquisa revela que empresas operam com menos de 40% de seu potencial digital

Views: 98
0 0
Read Time:3 Minute, 0 Second

Novos dados destacam aumentos nos investimentos em tecnologia para apoiar uma cibersegurança adaptável nos próximos dois anos

A BMC anunciou os resultados completos de sua pesquisa de TI corporativo global “A Empresa Digital Autônoma: Uma Abordagem Estratégica para Medir e Melhorar a Competitividade Digital” e a disponibilidade da ferramenta interativa ADE Index. A ferramenta foi projetada para ajudar uma empresa a medir sua competitividade digital e identificar áreas de oportunidade, com uma estrutura documentada para o sucesso futuro.

A BMC contratou a 451 Research, uma empresa da S&P Global, para avaliar a percepção do mercado e o estado de preparação necessários para navegar em uma era de inteligência, automação e autonomia para se tornar um ADE. Conduzida no final de 2020, a pesquisa obteve insights de 1.200 empresas e tomadores de decisão de TI em mais de 20 setores em 11 países, e em organizações que tinham pelo menos 500 funcionários com receita anual acima de US$ 100 milhões.

“O ano de 2020 forçou quase todas as empresas em todo o mundo a acelerarem seus esforços de transformação digital e, ao apertar o botão de redefinição de prioridades, orçamentos e cronogramas em toda a organização, todos sabemos que ser digitalmente competitivo agora é obrigatório”, disse Ram Chakravarti, Chief Technology Officer da BMC.

Os insights apontam que:

• As empresas globais atualmente praticam cerca de dois quintos do que é necessário para funcionar como uma ADE. Embora todos os modelos operacionais e princípios de tecnologia de uma ADE sejam praticados atualmente pelas organizações pesquisadas, as três principais áreas de foco corporativo atraem a maior parte do investimento e incluem tornar-se um negócio orientado a dados, compra de tecnologia otimizada e domínios de negócios digitais.

• O Índice Global ADE deve aumentar de 39,3% para 46,1% nos próximos dois anos, indicando um reconhecimento de empresas ao redor do mundo por investir de maneira mais pesada em soluções de tecnologia empresarial que aumentam a competitividade digital.

• Em dois anos, as principais áreas de foco empresarial continuam a incluir negócios orientados a dados com um foco adicional em segurança cibernética adaptativa e uma experiência transcendente do cliente. Funções Corporativas alinhadas com a tecnologia ficou em quarto lugar, demonstrando que as habilidades humanas e digitais precisam se alinhar rapidamente.

• Os entrevistados da América Latina (LATAM) relataram um aumento projetado de pontuação no Índice ADE para 52% em dois anos – o maior salto em todas as regiões -, o que significa uma forte vontade de fazer investimentos em tecnologia e processos para se tornar um ADE.

Avaliando a maturidade digital para funcionar e reinventar

Um ADE é o estado futuro das empresas, que compreende sistemas criadores de valor inteligentes, interconectados e habilitados para tecnologia que minimizam o esforço manual para capitalizar a criatividade, as habilidades e o intelecto humanos em toda a empresa. A ferramenta ADE Index oferece às organizações uma maneira de medir sua própria maturidade e sofisticação digital em relação ao grupo original de entrevistados e abre o diálogo sobre como melhorar a competitividade digital em todo o modelo operacional ADE e princípios de tecnologia.

“O Índice ADE desenvolvido a partir desta pesquisa chega em um momento crucial para o cenário empresarial global, pois atingir a excelência operacional por meio de tecnologias automatizadas é uma necessidade imediata”, disse Carl Lehmann, Analista de Pesquisa Sênior da 451 Research. “Esta pesquisa mostra que áreas como segurança são uma prioridade de investimento e a capacidade de se avaliar em relação aos pares pode ser vantajosa para a integração deliberada de uma empresa do que é necessário para se adaptar e competir.”

FONTE: DECISION REPORT

Previous post Abordagem de segurança deve ser unificada e aberta, diz líder da IBM
Next post Avast compartilha dicas para que pequenas e médias empresas evitem perdas devido às vulnerabilidades do Microsoft Exchange

Deixe um comentário