Eletronuclear sofre ataque de ransomware

Views: 94
0 0
Read Time:2 Minute, 6 Second

O incidente atingiu a área administrativa e não teria impactado as usinas da companhia.

A Eletrobras, holding que coordena todas empresas do setor elétrico brasileiro, comunicou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que a Eletronuclear, sua subsidiária focada em operar e construir usinas termonucleares, foi alvo de ataque de ransomware.

De acordo com o site Convergência Digital, o incidente atingiu a área administrativa que, segundo a companhia, não se conecta com os sistemas das usinas nucleares de Angra 1 e Angra 2 justamente por razões de segurança.

“O incidente não trouxe impactos para a segurança nem para o funcionamento da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (CNAAA), muito menos prejuízos para o fornecimento da energia elétrica ao Sistema Interligado Nacional”, afirmou a empresa em fato relevante.

De qualquer forma, a Eletronuclear precisou suspender temporariamente o funcionamento de alguns dos seus sistemas administrativos. A própria equipe da Eletronuclear, em conjunto com a equipe do Serviço Gerenciado de Segurança (MSS), teria contido os efeitos do ataque. 

“O vírus foi isolado e uma minuciosa verificação dos ativos segue em andamento”, informou a Eletrobras.

Marcelo Branquinho, especialista em segurança cibernética e CEO da TI Safe, ressaltou ao site CISO Advisor que a segregação da rede operativa não é garantia 100% de que não haverá invasão em algum momento. 

“Embora os PLCs das usinas estejam protegidos pelo fato de a rede operativa estar isolada, se a segurança de borda não for bem feita, há, sim, o risco de uma invasão, o que pode causar até mesmo um blecaute nas regiões atendidas pelas usinas”, afirmou Branquinho.

Segundo o especialista, a cibersegurança das empresas brasileiras de energia é bastante falha, tanto que o Operador Nacional do Sistema (ONS) assumiu o desafio de conduzir uma iniciativa que tem como objetivo propor critérios e requisitos mínimos de segurança cibernética para a operação do Sistema Interligado Nacional (SIN).

O ONS submeteu à Aneel uma proposta de Procedimento de Rede, elaborada de forma colaborativa com os agentes, para tratar do tema. 

“Isso vai ser crucial para a melhoria da segurança cibernética das empresas de energia. Hoje, para se ter uma ideia, mesmo os sistemas de backup dessas companhias são bastante incipientes”, aponta o CEO da TI Safe.

Criada em 1997, a Eletronuclear é a única empresa no Brasil a produzir eletricidade a partir de fonte nuclear. Atualmente, opera as usinas Angra 1 e Angra 2, que produzem o equivalente a 40% de toda a energia consumida no estado do Rio de Janeiro.

FONTE: BAGUETE

Previous post Seis dicas de especialistas em tecnologia sobre como se proteger de ataques cibernéticos em 2021
Next post Hacker tentou contaminar água com aditivo químico na Flórida

Deixe um comentário