Como anda a saúde da gestão de risco?

Views: 56
0 0
Read Time:2 Minute, 50 Second

Os vazamentos de dados sensíveis não param. Mais crítico será quando informações clínicas de pacientes ficarem expostas por erros de terceiros. Afinal, parceiros e prestadores de serviços também se tornaram o elo mais fraco. Tema será debatido em Mesa Redonda na TVD nesta quinta-feira

Diante da criticidade atual, em um cenário de inúmeros vazamentos de dados e uma sociedade que reflete pouco sobre a proteção de informações sensíveis, qualquer falha pode manchar rapidamente reputações e impactar negócios. O cenário é ainda mais crítico quando uma empresa depende do ecossistema de terceiros. Aqui, não só o usuário poderá ser o elo mais fraco, parceiros e prestadores de serviços podem abrir inúmeras brechas.

A gestão de riscos de terceiros tem entrado na pauta de prioridade dos executivos e será o tema central da primeira mesa redonda com gestores de Saúde organizada pela TVD em 2021. Em parceria com a Etek NovaRed, o evento online será nesta quinta-feira às 10h e vai reunir líderes de vários setores da Saúde.

Gestão de risco de terceiros é um assunto sensível para o setor e impacta diretamente a área de Segurança. Imagina uma informação clínica sensível de um paciente exposta na internet? O assunto é sério!

Um estudo da KPMG feito em novembro de 2020 com 1.100 executivos de grandes empresas de diversos segmentos em países diversos, inclusive no Brasil, o Third Party Risk Management Outlook 2020, apontou como o tema está em pauta.

O levantamento destacou que 77% dos executivos ouvidos afirmaram que o programa de gerenciamento de riscos de terceiros é uma prioridade estratégica, pois a reputação corporativa está diretamente ligada à performance de seus parceiros. E 74% ainda indicou uma preocupação de que as organizações precisam tornar o programa mais consistente em toda a empresa.

Dados e tecnologia estão aperfeiçoando as equipes de gestão. Contudo, apenas 25% dos respondentes afirmaram que suas empresas estão utilizando a tecnologia para melhorar a automação do fluxo de trabalho ou tampouco monitorar os terceiros.

Com a aceleração da transformação digital, diversas frentes são convocadas para colaborar com inovações, mas até que ponto essa troca com parceiros e prestadores de serviços é benéfica? Esses processos de inovação estão sendo tratados com a devida Segurança?

Como os gestores de SI da área da Saúde podem estabelecer uma relação de confiança e parceria em prol de um ambiente seguro? “Falar de confiança é a base fundamental para inovação e colaboração do ecossistema de Saúde”, destaca Rafael Sampaio, Country Manager da Etek NovaRed, que participará da mesa redonda.

O evento, que terá a mediação da jornalista e diretora editorial da Security Report, Graça Sermoud, contará também com a presença do CISO do Grupo Fleury, Silvio Hayashi, o DPO da Sanofi, Carlos Campagnoli, o head de Cybersecurity da Eurofarma, Fernando Galdinho, o gestor de privacidade e DPO da Raia Drogasil, Kleber Braga, o Information Security Manager do UnitedHealth Group, Adailton Silva, e o Regional Director, LatAm & Iberia da SecurityScorecard, José da Costa.

O cenário de vazamento de dados é tão crítico que desperta discussões em várias frentes, principalmente em setores que lidam com dado sensível diariamente com é o caso do ecossistema de empresas de Saúde. Essa é uma série de debates que a TVD e a Security Report promoverão ao longo de 2021. As inscrições para o evento online estão disponíveis aqui.

FONTE: SECURITY REPORT

Previous post Novo golpe por SMS engana filtros anti-spam para roubar dados bancários
Next post Relatório prevê que 40% dos conselhos terão um comitê de segurança cibernética dedicado até 2025

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *