Ataque hacker à Rede Ipiranga prejudica abastecimento de postos de gasolina no país

Views: 164
0 0
Read Time:2 Minute, 24 Second

O conglomerado Ultrapar (UGPA3) sofreu um ataque hacker no início desta semana que está prejudicando o abastecimento de postos de gasolina no país.

A Ultrapar, dona da rede de distribuição de combustíveis Ipiranga, confirmou nesta terça-feira (12) que havia sido vítima de um ataque hacker.

Apesar de não dar muitos detalhes sobre o incidente, a Ultrapar confirmou que o ataque cibernético em seu ambiente de tecnologia da informação levou a companhia a interromper o funcionamento de alguns sistemas.

Em nota, a companhia afirma que acionou os protocolos de controle e segurança para minimizar eventuais impactos assim que identificou a invasão. Por essa razão, a empresa opera em regime de contingência desde terça-feira (12).

“A Ultrapar está avaliando a extensão desse incidente e atuando para mitigar seus efeitos, empreendendo todos os esforços para normalizar suas operações, e manterá o mercado informado de qualquer informação relevante relacionada a este evento.”

A medida preventiva foi tomada para impedir que o ataque se alastrasse na rede e causasse um dano ainda maior. No entanto, a interrupção afetou parcialmente as operações das subsidiárias da companhia, como a Rede Ipiranga.

Postos de gasolina ficam sem abastecimento

Um dia após a Ultrapar interromper parcialmente o funcionamento do seu sistema, o impacto já foi sentido em cidades brasileiras.

Nesta quarta-feira (13), conforme noticiou o portal NSC Total, cerca de 100 postos de gasolina da Grande Florianópolis enfrentaram problemas para repor seus estoques de combustível.

Como o sistema de informática da Ultrapar não estava em funcionamento pleno, a companhia teve problemas em registrar os pedidos das distribuidoras.

De acordo com  Joel Fernandes, vice-presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Minerais de Florianópolis (Sindópolis), o ataque hacker à Rede Ipiranga obrigou que a reposição dos estoques fosse feita de uma maneira alternativa.

Segundo ele, a equipe de tecnologia da Ultrapar desenvolveu um canal alternativo para emitir notas e pedidos das distribuidoras. Dessa forma, os postos de Florianópolis puderam receber combustível vindo de uma base de Itajaí. 

Conforme Fernandes declarou à NSC Total, a estimativa é que seja necessário cerca de dois dias para que o abastecimento volte ao normal. Enquanto isso, o problema causa prejuízo aos postos da região:

“É um prejuízo porque as vendas param, mas as despesas continuam. Tudo isso em um momento complicado por causa da pandemia.”

De acordo com nota da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), os pedidos da Ultrapar estão sendo retomados com lentidão. A previsão era que até o final desta quarta-feira (13) tudo voltasse ao normal.

Apesar da Ultrapar não ter divulgado nenhum detalhe sobre o tipo de ataque hacker que sofreu, existe a possibilidade de ter sido um ataque ransomware. Normalmente, hackers atacam grandes empresas, interrompendo o funcionamento de seus sistemas até que seja feito um pagamento, geralmente em criptomoedascomo o bitcoin.

FONTE: BEINCRYPTO

Previous post Vem aí uma semana inteira de formação profissional (gratuita) em cibersegurança
Next post Nova política de dados do WhatsApp levanta debate de abuso de poder econômico, avaliam advogados

Deixe um comentário