Ciberataque à Pfizer e BioNTech viola documentos de vacina contra a Covid-19

Views: 119
0 0
Read Time:1 Minute, 51 Second

Um ciberataque direcionado à Pfizer e à BioNTech concedeu a um grupo hacker o acesso ilegal a documentos da vacina que as empresas estão desenvolvendo contra a Covid-19. Segundo comunicado das duas companhias, o assunto foi divulgado por elas em nome do interesse público que gira ao redor do assunto.

O ataque teve como alvo um servidor das Agências Europeias de Medicina (EMAs) e conseguiu abrir documentos relacionados aos pedidos de aprovação da vacina em órgãos europeus de saúde.

Uma investigação já foi iniciada para identificar e punir os responsáveis pelo ciberataque, porém, ainda não se sabe quais exatamente foram os documentos acessados, nem como se deu a invasão.

Ciberataque à Pfizer expõe documentos de aprovaçãoda vacina contra a Covid-19 na Europa
Vacina da Pfizer poderá ser aplicada na UE até o fim do ano. Imagem: Seda Servet/Shutterstock

“É importante ressaltar que nenhum dos sistemas da Pfizer ou da BioNTech foram comprometidos em relação com este incidente, e nós ainda não fomos informados de nenhum participante do estudo tendo seus dados identificados neste acesso”, disse a BioNTech, em nota.

“A EMA nos assegurou de que o ciberataque não trará nenhum impacto na expectativa de avaliação da vacina”, continuou o laboratório alemão. A EMA é o órgão responsável por aprovar a comercialização de medicações por toda a União Europeia.

Atualmente, a autoridade está em processo de análise para a aprovação de dois imunizantes – um é o da Pfizer-BioNTech, e o outro pertence à Moderna. Ainda não se sabe se este último também foi impactado pelo ciberataque.

Vacina sob ataque?

Na última semana, pesquisadores de segurança a serviço da IBM alertaram que hackers também estavam tentando atacar sistemas posicionados na cadeia de armazenamento de transportes refrigerados das vacinas. Eles ainda levantaram a possibilidade de que o governo de algum país estivesse por trás dos ataques.

Vale lembrar que a vacina da Pfizer-BioNTech requer refrigeração a -70º C de temperatura, o que a torna um alvo preferencial para esse tipo de ação.

Em outro caso, especialistas norte-americanos afirmaram, em julho, que hackers ligados ao governo russo estariam tentando roubar informações relacionadas à pesquisa da vacina contra o novo coronavírus nos EUA, Canadá e Reino Unido. O Kremlin negou as acusações.

FONTE: OLHAR DIGITAL

Previous post Quais são as prioridades para a cibersegurança corporativa nos próximos anos?
Next post 3 antivírus para serem evitados em seu computador

Deixe um comentário