Malware para Android com 1 milhão de downloads se disfarçava como mod de Minecraft

Views: 183
0 0
Read Time:2 Minute, 7 Second

Aplicativos prometiam recursos adicionais para o jogo, mas poderiam deixar o celular inutilizável com exibição de anúncios

A popularidade de Minecraft, que já dura tantos anos, se transformou em um canal para golpes e distribuição de malware no Android. Segundo pesquisadores da Kaspersky, vários aplicativos no Google Play prometem mods para o game, mas acabam prejudicando o celular da vítima.

Os “modpacks” para Minecraft são uma parte comum da experiência de jogo, especialmente pela facilidade com que eles são desenvolvidos. Como reporta o site ThreatPost, Já são 15 mil modpacks conhecidos para o game, e, segundo os pesquisadores, pelo menos 20 deles são malignos e podem causar danos. O mais popular entre eles foi instalado mais de 1 milhão de vezes.

O Google foi alertado sobre a atividade suspeita dos apps, mas cinco deles se mantiveram no ar e não foram excluídos do Google Play: Zone Modding Minecraft, Textures for Minecraft ACPE, Seeded for Minecraft ACPE, Mods for Minecraft ACPE e Darcy Minecraft Mod.

O funcionamento dos aplicativos seguia um padrão simples. Ao abrir, o app simplesmente é incapaz de cumprir a função esperada, sendo propositalmente bugados. Assim, o usuário, normalmente uma criança ou adolescente, imediatamente o fecha. A partir de então, o malware se camufla no celular, escondendo seus ícones, o que dificulta sua remoção. Além disso, como a vítima é jovem, provavelmente não vai perder tempo caçando nas configurações do celular uma forma de remover o app oculto.

Uma vez criada essa situação, o aplicativo continua rodando permanentemente em segundo plano e começa a causar transtornos. A cada dois minutos, ele abre uma janela de navegador com publicidade. Em alguns casos, é possível fazer com que o celular abra o Google Play ou o Facebook, ou até mesmo forçar a reprodução de vídeos do YouTube, potencialmente tornando o celular inutilizável até que o app seja removido.

Os pesquisadores notam que, pelo menos, as pragas identificadas podem ser eliminadas tranquilamente do celular acessando a lista completa de aplicativos instalados no smartphone, o que pode ser feito na área de configurações. Os aplicativos não tentam se restaurar sozinhos, então uma vez desinstalados, o celular deve retomar a atividade normal.

Os pesquisadores notam que os apps tinham uma avaliação média de 3 estrelas no Google Play, resultante de opiniões muito extremas. Isso dá a entender que houve uma tentativa de manipulação da nota com avaliações falsas deixadas por bots, que dão nota máxima para o app, enquanto os usuários reais dão apenas uma estrela após o app não funcionar.

FONTE: OLHAR DIGITAL

Previous post Dois em cada cinco brasileiros já foram vítimas de golpe de phishing
Next post Malware Stantinko para Linux se apresenta como um servidor web Apache

Deixe um comentário