Hackers exigem US$ 11 milhões da Capcom após ataque de ransomware

Views: 119
0 0
Read Time:1 Minute, 32 Second

Um grupo de cibercriminosos que invadiu os sistemas da gigante japonesa de videogames Capcom está exigindo US$ 11 milhões depois de implantar ransomware e roubar grandes quantidades de dados.

A Capcom, que tem operações nos EUA, Europa e Leste asiático, é mais conhecida por jogos como Resident Evil, Street Fighter, Devil May Cry, Monster Hunter, Ace Attorney e Mega Man.

A empresa revelou em 4 de novembro em um comunicado à imprensa que detectou acesso não autorizado às suas redes internas alguns dias antes. A Capcom disse que foi forçada a interromper algumas operações e que o incidente impactou seus servidores de e-mail e arquivos, entre outros sistemas. Alegou que não havia encontrado nenhuma evidência de que as informações dos clientes foram comprometidas.

No entanto, os cibercriminosos que violaram a Capcom, um grupo que usa o ransomware conhecido como Ragnar Locker,afirmam ter roubado mais de 1 TB de arquivos, incluindo arquivos contábeis, extratos bancários, relatórios financeiros, documentos fiscais, propriedade intelectual, informações comerciais proprietárias, informações pessoais de funcionários e clientes, contratos corporativos, e-mails, chats privados e vários outros tipos de informações.

Ragnar Locker ransom note for Capcom

Um pesquisador que usa o apelido online pancak3 disse à SecurityWeek que aprendeu com os atacantes que eles estão inicialmente pedindo à Capcom para pagar US$ 11 milhões em bitcoin.

O pesquisador diz que os hackers afirmam que seu ransomware criptografou cerca de 2.000 servidores Capcom, incluindo servidores de arquivos. Os atacantes postaram algumas capturas de tela para provar que eles ganharam acesso a informações confidenciais.

Os operadores da Ragnar Locker exigiram um resgate semelhante da empresa de energia renovável EDP,cujos sistemas violaram em maio. Acredita-se que o mesmo ransomware esteja envolvido em ataques recentes contra a Organização Marítima Internacional das Nações Unidas e a gigante francesa de navegação CMA CGM.

FONTE: SECURITY WEEK

Previous post Proeminentes empresas italianas sob ataque, Campari é a última
Next post O especialista russo aponta quais smartphones são mais vulneráveis à vigilância

Deixe um comentário