Rastreando os rastreadores da Web

Views: 101
0 0
Read Time:4 Minute, 19 Second

Rastreadores web de terceiros podem estar acompanhando cada passo dos visitantes do seu site. Como novas ferramentas como o Blacklight podem ajudá-lo a pará-los em seus rastros?

Amy Jessel tomou a decisão consciente de não comprar anúncios do Facebook ou do Google para promover sua empresa sem fins lucrativos ShapingYouth.

“Fiz grandes esforços para não monetizar via Google AdSense ou mesmo patrocínios”, explica Jessel, fundador e diretor executivo da ShapingYouth, que tem como objetivo ensinar alfabetização midiática às crianças e seus pais.

Então, ela ficou surpresa ao saber que o Google poderia acessar os dados de análise da Shaping Youth, a menos que a organização tomou medidas para escondê-los. É o que os rastreadores de sites de terceiros fazem – mesmo quando as empresas pensam que não estão expondo os consumidores a certos sites – e eles vêm levantando preocupações de privacidade há muito tempo.

Jessel percebeu como os rastreadores de sites são pervasivos através do Blacklight, uma nova ferramenta de código aberto que expõe o rastreamento de sites por local. Seus criadores esperam que a Blacklight lance mais luz sobre quem está rastreando os visitantes do site — e o que pode ser feito sobre isso.

Pego no Ato 

Como outras ferramentas antes, o Blacklight permite que os usuários digitem uma URL e, em seguida, retorna uma lista de rastreadores desse site. Construído pela organização de notícias focada em dados The Markup, a Blacklight fornece listas suspensas que oferecem mais detalhes sobre rastreadores que o site usa, incluindo ferramentas de rastreamento da Web bem conhecidas, como pixels do Facebook, cookies e rastreadores de anúncios de terceiros.

Ele também revela quando um site usa registro chave, impressão digital de tela e gravação de sessões para monitorar seus visitantes, e quando os rastreadores estão se comunicando entre si — rastreadores dizendo a outros rastreadores como rastreá-lo.

É importante ressaltar que a Blacklight diz aos usuários quando um site implantou o “público de remarketing” do Google Analytics, que muitos não ouviram falar pelo nome, mas sabem suas consequências: É a tecnologia que mostra você alvo, muitas vezes anúncios semelhantes ou idênticos, à medida que você visita sites diferentes e aparentemente desconectados na Internet. O Markup espera que outros aproveitem o código-fonte aberto da Blacklight para construir outras maneiras de expor o rastreamento de sites.

Os consumidores de hoje precisam assumir um papel mais ativo na forma como interagem com as notícias, disse Nabiha Syed, presidente da The Markup, em um comunicado. Parte disso significa entender como e por que os sites estão rastreando-os.

“Queremos que os leitores se vejam menos como consumidores passivos de notícias e mais como campeões proativos da verdade. Construir ferramentas como o Blacklight incentiva esse tipo de mudança poderosa de mentalidade”, disse ela.

Além da Privacidade

Dito isso, o Blacklight não fornece um conjunto específico de instruções sobre como parar os rastreadores em suas faixas, exceto para aconselhar que os usuários mudem do Google Chrome para navegadores mais focados em privacidade, como Firefox ou Safari, e para instalar os tipos de bloqueadores de rastreamento que especialistas em privacidade têm aconselhado os consumidores a usar em relação aos primeiros anos. Dado que o Chrome domina o cenário do navegador quase tão completamente quanto seu criador Google domina as pesquisas na Web, a luta para convencer os consumidores a começar a tomar medidas para parar o rastreamento on-line pode sentir o Sisysphean na melhor das hipóteses.

Essa é uma das limitações da Internet comercial, diz Gabriel Weinberg, CEO e fundador do mecanismo de busca focado em privacidade DuckDuckGo. Weinberg, que consultou as primeiras iterações do Blacklight, adverte contra o niilismo da privacidade e desistir da luta contra o rastreamento da Web.

“Você ainda ficaria surpreso com quantas pessoas não sabem que o Google está à espreita em cerca de 85% das páginas, e o Facebook em torno de 36%”, diz Weinberg, citando estatísticas da ferramenta de radar de código abertodo DuckDuckGo. “Blacklight é outra maneira que você pode aprender como o rastreamento da Web é generalizado”,

Junto com a privacidade, ele aponta para outra razão prática para usar um bloqueador de rastreadores: acelera a Internet. Os rastreadores de bloqueio podem carregar sites 19 vezes mais rápido do que se os rastreadores forem deixados sem ônus, diz ele.

Para os consumidores que querem mudanças mais duradouras na forma como os sites os rastreiam, seu único recurso é pressionar os políticos a garantir essas proteções com regulação, aconselha Weinberg. Leis de privacidade relativamente novas e mais agressivas na Europa e na Califórnia não tomam as medidas necessárias para proteger os usuários da Internet, diz ele.

“Nada ao redor do mundo faz o que queremos”, acrescenta Weinberg. “Ainda não está lá fora, mas estamos lá fora defendendo isso. Mas deveria existir.”

Para Jessel, que fundou a ShapingYouth em 2006, o rastreamento de sites notório é uma traição à promessa da Internet.

“As mídias sociais tiveram a oportunidade de levantar vozes e elevar a conversa e, em vez disso, tornou-se uma corrida de cunhagem e consumo até o fundo para engajamento e olhos”, diz ela.

FONTE: DARK READING

Previous post Hacker pede 5 Bitcoins para liberar servidores de prefeitura em São Paulo
Next post Projetos de segurança de muitas empresas vazaram em hack da empresa sueca Gunnebo

Deixe um comentário