COVID-19 Fabricante de vacinas atingido com ataque cibernético, violação de dados

Views: 46
0 0
Read Time:3 Minute, 17 Second

Dr. Reddy, o empreiteiro da vacina “Sputinik V” COVID-19 da Rússia e um grande produtor de genéricos, teve que fechar plantas e isolar seus data centers.

O fabricante de vacinas COVID-19 Dr. Reddy’s Laboratories fechou suas fábricas no Brasil, Índia, Rússia, Reino Unido e Estados Unido após um ataque cibernético, de acordo com relatos.

A empresa indiana é a empreiteira da vacina “Sputinik V” COVID-19 da Rússia, que está prestes a entrar na Fase 2 de testes em humanos. O General de Controle de Drogas da Índia (DCGI) deu à empresa o avanço em 19 de outubro.

Nos EUA, é um grande produtor de genéricos, incluindo terapêutica para gastrointestinal, cardiovascular, tratamento da dor, oncologia, anti-infecciosos, pediatria e dermatologia.

Além de fechar as fábricas, o fabricante de medicamentos isolou todos os serviços de data center para aplicar remediações, informouo The Economic Times. Citando fontes, o ET disse que a empresa foi vitimada por uma violação de dados.

“Na esteira de um ataque cibernético detectado, isolamos todos os serviços de data center para tomar as ações preventivas necessárias”, disse o CIO Mukesh Rathi em um comunicado à imprensa na quinta-feira à noite. “Estamos antecipando que todos os serviços estejam em funcionamento dentro de 24 horas, e não prevemos nenhum grande impacto em nossas operações devido a este incidente.”

De acordo com a BBC, aprodução em algumas instalações do Dr. Reddy foi interrompida na Índia, e as linhas telefônicas pareciam estar em dois escritórios no Reino Unido. A empresa não divulgou detalhes do ataque e não comentou sobre as instalações que estão sendo retiradas do ar.

Espionagem COVID-19

Este incidente pode ou não estar relacionado com o envolvimento da empresa com sede em Hyderabad no desenvolvimento de vacinas COVID-19, mas, em geral, a espionagem relacionada à pesquisa médica pandêmica tem sido um problema contínuo. Tanto grupos privados quanto patrocinados pelo Estado estão mirando os fármacos devido às vantagens econômicas e influentes que uma vacina bem-sucedida fornecerá aos países, de acordo com pesquisadores.

Em julho, o Departamento de Segurança Interna dos EUA alertou que o grupo ligado à Rússia APT29 (também conhecido como CozyBear ou os Dukes) tem como alvo empresas de pesquisa britânicas, canadenses e americanas. A APT procura roubar pesquisas de vacinas COVID-19 de instituições acadêmicas e farmacêuticas, em uma provável tentativa de avançar na cura para o coronavírus, alertou o DHS.

Mais cedo, na pandemia, a Organização Mundial da Saúde foi alvo do grupo DarkHotel APT, que procurou se infiltrar em suas redes para roubar informações.

Enquanto isso, o Departamento de Justiça acusou recentemente hackers ligados ao governo chinês de espionar a Moderna, a empresa de biotecnologia de Massachusetts. O governo federal está apoiando o desenvolvimento da pesquisa de vacinas da Moderna, com quase US$ 1 bilhão investidos e testes clínicos em andamento.

“Há um forte interesse dos atacantes cibernéticos na indústria farmacêutica, pois os esforços de pesquisa e desenvolvimento estão focados na criação de uma vacina para o COVID-19”, disse Chris Hazelton, diretor de soluções de segurança da Lookout, ao Threatpost. “O primeiro a ser comercializado com uma vacina terá uma vantagem competitiva significativa, e é por isso que há um forte motivo para o roubo de IP na indústria farmacêutica.”

Como tal, as empresas farmacêuticas devem colocar recursos de TI na garantia de seus ambientes únicos, acrescentou.

“Os pesquisadores passam um tempo significativo longe das mesas, o que significa que tablets e smartphones se tornam o principal dispositivo usado por técnicos de laboratório ativos no desenvolvimento de fórmulas de medicamentos”, disse Hazelton. “A indústria farmacêutica sempre esteve na vanguarda da adoção da tecnologia. Eles usam tablets e smartphones como parte integrante de todo o processo de desenvolvimento e distribuição de medicamentos.

“Com esse foco intenso em uma vacina COVID-19, as equipes de segurança farmacêutica devem assumir que há atores de ameaça dentro de sua infraestrutura”, acrescentou.

FONTE: THREATPOST

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *