Volumes de violação de dados dos EUA despencam 30% em 2020

Views: 39
0 0
Read Time:1 Minute, 48 Second

O volume de violações de dados relatadas nos EUA está no caminho mais baixo desde 2015, embora centenas de milhões tenham tido seus detalhes comprometidos até agora em 2020, de acordo com dados oficiais.

Sem fins lucrativos, o Identity Theft Resource Center (ITRC) registra todas as violações relatadas publicamente no país para compilar uma estimativa de execução precisa através das verticais.

Ele alegou em uma atualização do 3º trimestre ontem que o volume reportado até agora em 2020 é 30% menor do que o mesmo período do ano passado. Em termos de vítimas individuais, o número é 60% menor, de 292 milhões.

No entanto, a principal violação no provedor de serviços de TI Blackbaud pode ter distorcido ligeiramente os resultados, já que o único incidente realmente causou perda de dados em centenas de clientes. Se isso fosse tratado como uma série de eventos, o número de violações até agora este ano só teria caído 10% desde 2019, segundo o ITRC.

Além disso, apenas um pequeno número de clientes da Blackbaud violados – 58 de 247 – notificou quantos clientes foram afetados. Atualmente, o número é de quase sete milhões de pessoas afetadas, mas pode aumentar significativamente.

“Se alguém receber um aviso de violação ligado à violação de dados da Blackbaud, deve agir imediatamente porque suas informações ainda podem estar disponíveis”, disse a presidente e CEO do ITRC, Eva Velasquez.

“Sempre que alguém recebe uma notificação de violação, precisa agir de forma rápida e decisiva por causa dos riscos que vêm com informações pessoais sendo expostas.”

A organização sem fins lucrativos também informou que os ataques cibernéticos foram a principal causa de comprometimento de dados no 3º trimestre, com phishing e ransomware os tipos mais comuns. No entanto, se a violação blackbaud foi tratada como uma série de incidentes, então os ataques da cadeia de suprimentos chegariam ao topo.

Um relatório da Risk Based Security em agosto também observou um declínio no volume de violações relatadas. No entanto, embora o número de violações tenha caído 52% em relação ao primeiro semestre de 2020, o número de registros expostos foi estimado quatro vezes maior do que em qualquer momento anterior.

FONTE: INFOSECURITY MAGAZINE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *