Ransomware interrompe testes médicos COVID-19

Views: 128
0 0
Read Time:1 Minute, 57 Second

Um ataque de ransomware a uma empresa de tecnologia da Filadélfia interrompeu testes clínicos sendo executados para desenvolver testes, tratamentos e uma vacina para COVID-19.

O ataque atingiu a empresa global eResearchTechnology (ERT)em 20 de setembro. A empresa é especializada em serviços clínicos e coleta, analisa e distribui desfechos eletrônicos relatados pelo paciente (ePRO) para todas as fases da pesquisa clínica.

Como resultado do incidente cibernético, os pesquisadores do estudo não conseguiram acessar dados eletronicamente e tiveram que reverter a caneta e papel para rastrear seus pacientes. Embora o ataque não tenha arruinado nenhum teste que está sendo realizado, isso os atrasou.

Uma empresa impactada pelo ataque ao ERT foi a IQVIA, uma organização de pesquisa para contratação que está auxiliando na gestão do teste de vacina Cov da AstraZeneca.

Ramificações da greve de ransomware também foram experimentadas pelo fabricante de drogas Bristol Myers Squibb, que está liderando uma aliança de empresas na busca de criar um teste rápido para o COVID-19.

A ERT disse que o backup de seus dados com antecedência ajudou a limitar o impacto do ataque de ransomware. A empresa não revelou o número total de testes médicos que foram afetados pelo incidente.

O software desenvolvido pela ERT é usado em testes de drogas na Ásia, Europa e América do Norte. A empresa afirma em seu site que esteve envolvida em 50% de todas as aprovações da FDA desde 2013.

O vice-presidente de marketing da ERT, Drew Bustos, disse ao New York Times na sexta-feira que a empresa havia tomado seus sistemas offline como precaução em 20 de setembro depois que o ataque de ransomware foi descoberto.

“Ninguém se sente bem com essas experiências, mas isso foi contido”, disse Bustos.

O incidente, que foi relatado ao FBI, ainda não está ligado a nenhum grupo de ransomware criminal em particular. Quanto dinheiro foi exigido e se a demanda foi atendida não foram revelados pelo ERT.

Bustos disse que a ERT começou a colocar seus sistemas de volta na sexta-feira.

Michael Rezek, vice-presidente de segurança cibernética da Accedian,comentou: “Estamos enfrentando um ano de violações de segurança sem precedentes. Para economizar tempo, dinheiro e na indústria da saúde, vidas, as empresas precisam ter certeza de que estão equipadas com as ferramentas certas para combater hackers.”

FONTE: INFOSECURITY MAGAZINE

Previous post Bradesco, Itaú e Santander saem do ar em dia de chaves Pix
Next post 14 Gateway de API de código aberto e gerenciado para aplicações modernas

Deixe uma resposta