Quando não aceitar cookies em um site

Views: 89
0 0
Read Time:4 Minute, 25 Second

Evite “cookies ruins” e proteja sua privacidade com a ajuda de algumas dicas úteis

Quase qualquer site que você visita pede que você aceite cookies, e a maioria de nós nem sequer pensa nessa escolha – nós apenas clicamos em “sim” para nos livrarmos da dor do pop-up. Mas com o que estamos realmente concordando? O que é um biscoito, afinal?

Esses pequenos arquivos de texto foram usados pela primeira vez em navegadores em 1994 e logo se tornaram onipresentes. O problema é que a web não foi projetada para preservar um determinado estado, então quando você passou de um site para outro, o site não saberia que conteúdo você já havia consumido sem usar cookies. Ao enviar-lhe um cookie, um site poderia reconhecê-lo se você retornasse e lhe presentear com uma melhor experiência de navegação. Por exemplo, se você abandonou seu carrinho de compras em um site de comércio eletrônico, um cookie pode economizar tempo e não ter que ree selecionar esses itens quando retornar alguns dias depois. Os cookies também ajudaram as operadoras de sites a lembrar suas configurações individuais, como preferência de idioma, seu nome de login e outros valores.

Cuidado com cookies ruins

Ao longo dos anos, os cookies passaram a ser usados para outros fins, como para garantir que você seja realmente a pessoa que você afirma ser e limitar anúncios de exibir pop-ups e outras configurações. Existem agora vários tipos diferentes de cookies, como explicado neste post: cookies que podem ser usados para rastreá-lo, cookies que persistem por um período específico de tempo, e cookies que são gerados não diretamente pelo site, mas de terceiros, como anunciantes ou empresas de marketing.

Nos primeiros dias da década de 1990, eu escrevia:“Por que ficar todo agitado sobre biscoitos? Bem, os defensores da privacidade acham que os cookies podem dizer muitas informações sobre você e não querem que essas informações sejam transmitidas por toda a rede. O único problema é que há muito mais informações fora do seu cookie disponíveis para servidores web, como seu endereço IP e endereço de e-mail.” Desde esses primeiros dias, temos tecnologias melhores que podem acompanhar sua atividade de navegação, como impressão digital de tela.

Em 2011, a UE decidiu que os cookies eram potencialmente um problema de privacidade e ordenou que os proprietários de sites obtenham permissões dos visitantes e coloquem essas irritantes solicitações pop-up. A lei resultante foi completamente desdentada: nenhum proprietário europeu de site foi multado por violações de biscoitos.

Em que circunstâncias você deve aceitar um pedido de cookie?

“Mais de 95% dos sites usam cookies, principalmente para coisas chatas que nunca passaram pela nossa cabeça, como garantir que um site responda rapidamente ou contar visitantes”, diz um pesquisador de segurança citado nesta extensa história de cookies post. Certamente, se você quiser ver anúncios mais direcionados (seja em banners ou em pop-ups), você deve continuar a aceitá-los.

Dicas para proteger sua privacidade

Se você está preocupado com sua privacidade, aqui estão algumas maneiras de se proteger e tomar cuidado com os tipos ruins de cookies.

  1. Não aceite automaticamente todos os biscoitos. Você pode até tentar negar todos os cookies e ver se ele tem consequências adversas, como desperdiçar tempo para preencher seus dados pessoais em um site de compras.
  2. Adote um estilo de vida de navegação mais cauteloso. Use o modo de navegação privado sempre que possível e limpe periodicamente seus cookies. Substitua duckDuckGo (que não o rastreia) para tarefas de pesquisa em vez de usar o Google ou Bing. Faça modificações nas configurações do seu navegador para se tornar mais privado. Este post dá mais detalhes.
  3. Use um navegador diferente que lhe dê mais controle sobre sua privacidade, como o Brave ou até mesmo o Tor. Nesse post vinculado eu menciono as trocas de usabilidade de usar um navegador diferente e você terá que gastar algum esforço para ajustá-lo às suas necessidades particulares. (Uma nota pessoal: eu tolerei brave por cerca de dois dias antes de voltar a usar o Chrome. Ele simplesmente quebrou muitas coisas para ser útil.)
  4. Instale uma extensão do navegador ou execute um software de segurança adicional. Por exemplo, existem ferramentas como o Avast Secure Browser (que elimina anúncios, bloqueia cookies de terceiros e pára phishing), o Avast AntiTrack (que elimina a impressão digital da tela e interrompe o direcionamento de anúncios) ou o Avast BreachGuard (que verifica se sua identidade de e-mail fez parte de quaisquer violações de dados).

  5. Só execute seu navegador em uma máquina virtual. Isso é complicado na melhor das hipóteses, e quase inutilizável para humanos comuns. Ainda assim, pode ser uma boa solução para algumas circunstâncias para os ultra-paranóicos.
  6. Use uma VPN,mesmo quando estiver em casa. Esteja ciente de que uma VPN só protege seu endereço IP e dados de geolocalização de serem transmitidos para um site.
  7. Finalmente, limite sua navegação na Web em seus dispositivos móveis o máximo possível. Seu celular é um tesouro de todos os tipos de informações sobre você, e mesmo se você estiver usando qualquer um dosnavegadores mais privados, você ainda pode vazar algumas dessas informações para terceiros.

FONTE: AVAST

Previous post Pense duas vezes antes de usar o Facebook, Google ou Apple para fazer login em todos os lugares
Next post Como o The New York Times está remodelando seu negócio de anúncios para um mundo sem cookies

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *