INDEFERIDO a Primeira ação pública por tratamento ilegal de dados Pessoais

Views: 101
1 0
Read Time:3 Minute, 41 Second

INDEFERIDO a Primeira ação pública por tratamento ilegal de dados Pessoais.  Poder Judiciário da União – TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS da 5ª Vara Cível de Brasília indeferiu o pedido do MPDFT de ação contra a empresa Infortexto por venda ilegal de dados pessoais no site intitulado “lembrete digital” .

O documento de indeferimento cita que:

“A presente ação não merece prosperar.

Com efeito, para que haja viabilidade jurídica da pretensão deduzida em Juízo, é preciso que a demanda
atenda às condições da ação, estas consubstanciadas no interesse processual e na legitimidade das partes.

No caso dos autos, não se vislumbra a presença do interesse processual, que tem viés jurídico-processual
e se deslinda pela concomitância da necessidade e utilidade do processo e na adequação da via eleita.

Isso porque, através de consulta realizada, nesta data, à rede mundial de computadores, este Juízo
constatou que o sítio intitulado “lembrete digital”, com o domínio lojainfortexto.com.br, está em
manutenção (documento em anexo).

Esse fato, provavelmente, decorre da circunstância de que, com o recente início de vigência da Lei
13.709/18, ocorrido em 18/09/2020 (sexta-feira passada), os responsáveis pelo sobredito sítio devem estar
buscando adequar os seus serviços às normas jurídicas de proteção de dados pessoais. 

Neste contexto, impõe-se reconhecer, ao menos neste momento, a ausência de interesse processual do
autor para agir através desta ação civil pública. É que, em virtude da manutenção realizada no sítio
intitulado “lembrete digital”, com o domínio lojainfortexto.com.br, não restou evidenciada nenhuma lesão
ou ameaça de lesão apta a justificar a pretensão de tutela inibitória deduzida na inicial, com o que a
presente ação se torna inútil.

Assim, com fundamento no art. 330, inciso III, do CPC, INDEFIRO a petição inicial, para, em
consequência, extinguir o processo sem resolução do mérito, nos termos do art. 485, inciso I, do CPC.

Sem custas processuais e honorários advocatícios.

Transitada em julgado, dê-se baixa e arquivem-se os autos.”

Nós do Blog Minuto da Segurança de maneira geral consideramos um perigoso precedente jurídico(*), visto que a infração foi constatada após a entrada de vigência da lei, em 18 de setembro, e que a ação proposta pelo MPDFT considerava outros artigos de leis vigentes como a Constituição Federal, Código do Consumidor e Marco Civil da Internet, já vigente a muitos anos. 

Considerando que outras situações possam ocorrer no mesmo sentido, ao se propor ações similares futuro, os sites simplesmente podem se retirar do ar e fazer sua defesa usando este precedente jurídico.

Veja o despacho na íntegra em  PJe – Documeto número 20092216201702500000068874866

Ação Publica do MPDFT

Ministério Público do Distrito Federal e Territórios – MPDFT ofereceu a primeira ação civil pública com pedido de tutela, baseada na Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, nesta segunda-feira, 21 de agosto. A lei, que entrou em vigor na sexta-feira, enquadra como lesiva a conduta de uma empresa sediada em Belo Horizonte (MG).

O MPDFT, por sua Unidade de Proteção de Dados e Inteligência Artificial – Espec, ajuizou ação pública contra a empresa Infortexto Ltda com fundamento na Constituição Federal, Código de Defesa do Consumidor, Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais e Lei da Ação Civil Pública, por vender indiscriminadamente e de forma maciça dados pessoais através do site intitulado “lembrete digital” que se encontra no domínio da loja proprietária lojainfortexto.com.br. Acredita-se que só em São Paulo, 500 mil pessoas nascidas no município tenham sido expostas indevidamente. Foram identificadas vítimas em todas as unidades da Federação.

O site da empresa oferece, por exemplo, dados segmentados por profissões, como cabeleireiros, corretores, dentistas, médicos, enfermeiros, psicólogos, entre outros. Os “pacotes” eram vendidos de R$ 42 a R$ 212,90.

Por causa do prejuízo supraindividual que a atividade pode causar, o MPDFT requereu à Justiça o pedido de tutela liminar de urgência. Isso porque, pela LGPD, o tratamento dado às informações cadastrais foi totalmente irregular e pode gerar prejuízos aos titulares. A ação destaca ainda que o direito à intimidade, à privacidade e à imagem, garantidos pela Constituição Federal, foi violado.

O MPDFT pediu que a empresa se abstenha de divulgar, de forma paga ou não, os dados pessoais das vítimas. Além disso, solicita o congelamento imediato do domínio do site em que é feita a comercialização, até que haja julgamento pela Justiça.

Veja o resumo completo em LGPD Primeira ação pública por tratamento ilegal de dados Pessoais

FONTE: MINUTO DA SEGURANÇA

Previous post Estudante questiona política de proteção de dados de empresa de bilhetagem em PE
Next post EUA prende membro de um dos maiores grupos de hackers do mundo

Deixe um comentário