7 Ferramentas Essenciais de Gerenciamento de Risco de Terceiros (TPRM)

Views: 115
0 0
Read Time:5 Minute, 23 Second

Com 44% das violações de dados causadas por terceiros, e apenas 15% dos fornecedores revelando que uma violação ocorreu, não é surpresa que muitas organizações estejam priorizando o investimento em seus programas de gerenciamento de risco de terceiros (TPRM). Na verdade, 74% dizem que suas organizações precisam urgentemente tornar o TPRM mais consistente em toda a empresa.

Aqueles que ainda confiam em processos manuais ineficientes enfrentam maior risco de uma violação cibernética, bem como repercussões de reputação ou regulamentares. Com as ferramentas certas de TPRM instaladas, as equipes de TI e segurança podem racionalizar e maximizar a eficácia de suas ferramentas e procedimentos para que possam acompanhar as exigências de seus negócios.

Embora múltiplos fatores determinem as necessidades exatas de uma determinada organização, aqui estão sete ferramentas que são essenciais para gerenciar qualquer ecossistema de fornecedores.

Questionários de risco do fornecedor

A maioria das organizações exige que seus terceiros preencham um questionário como parte do processo inicial de embarque e depois repitam o exercício em intervalos. Quando realizadas manualmente através da troca de e-mails e planilhas, estas avaliações podem ser demoradas e muitos líderes de segurança sentem que não têm todas as informações necessárias para realizar uma avaliação eficaz da postura de segurança de um fornecedor.

A fim de ganhar transparência e agilizar o processo de coleta e verificação de dados de risco do fornecedor, os líderes de segurança estão usando tecnologia para validar automaticamente as respostas aos questionários com pontos de dados objetivos de cibersegurança. Os usuários de algumas plataformas podem direcionar ainda mais suas avaliações utilizando modelos que mapeiam para marcos regulatórios específicos, ou personalizando seus próprios modelos para corresponder ao perfil de risco de um determinado fornecedor.

Monitoramento contínuo

Embora os questionários de cibersegurança desempenhem um papel importante na coleta de dados de risco, eles são avaliações pontuais que não respondem por mudanças importantes na postura de segurança que podem ocorrer após a devida diligência e entre as avaliações. Um programa eficaz de TPRM alavanca a capacidade de monitoramento contínuo para preencher as lacunas de segurança que podem surgir durante esses intervalos.

Ter um meio de coleta de dados durante todo o ciclo de vida do fornecedor permite que as equipes de segurança rastreiem automaticamente eventos que podem impactar a postura de segurança de um fornecedor, tais como mudanças na liderança, viabilidade financeira ou vulnerabilidade cibernética. O acesso aos dados em tempo real também permite que as organizações verifiquem se seus fornecedores estão aderindo aos termos de seu acordo de nível de serviço (SLA), e tomem decisões baseadas no desempenho em torno da recontratação.

Classificações de segurança

Como os ecossistemas de fornecedores aumentam em tamanho e complexidade, muitas organizações não têm a capacidade de gerenciar riscos de terceiros através de suas linhas de negócios por conta própria. Os usuários de classificações de segurança ganham o benefício das capacidades de monitoramento contínuo mencionadas acima, bem como a percepção do risco cibernético atribuível a fornecedores terceirizados.

As classificações de segurança permitem ao usuário avaliar a postura de segurança cibernética de seus fornecedores com métricas dinâmicas e objetivas que proporcionam visibilidade contínua dos pontos fracos do controle de segurança e das vulnerabilidades da cadeia de fornecimento de qualquer empresa. Com painéis de controle de fácil utilização que segmentam terceiros em portfólios com base no risco e no tipo de dados que eles tratam, os profissionais de segurança podem rapidamente identificar, priorizar e resolver suas questões de segurança mais importantes.

Fluxos de trabalho automatizados e escaláveis

Muitas organizações têm visto um aumento recente nas atividades do TPRM, e aquelas que ainda estão peneirando manualmente os dados poderiam estar colocando seus recursos e conhecimentos para melhor uso. Ao automatizar tarefas repetitivas, as equipes de segurança estão livres para se concentrar em esforços de alto nível.

As plataformas de segurança cibernética permitem alertas personalizáveis, tais como informar automaticamente o membro apropriado da equipe quando ocorre um problema de segurança ou mudança de classificação. Outras ações, tais como a implementação automática de um questionário de fornecedor ou a transferência de um fornecedor para uma nova carteira de riscos para investigação adicional, também podem ser acionadas automaticamente em resposta a eventos de segurança.

Integrações e APIs

37% dos entrevistados de um estudo recente relataram que as barreiras técnicas, tais como sistemas incompatíveis, são seus principais obstáculos para o compartilhamento de dados de terceiros através da empresa. Embora tenhamos mencionado a importância das classificações de segurança, também é fundamental garantir que todas as equipes de ferramentas estejam utilizando a comunicação entre si.

Ao integrar a visão de segurança cibernética com seus fluxos de trabalho existentes, as equipes de segurança podem maximizar a eficácia de suas ferramentas TPRM existentes sem mudar a maneira como elas trabalham. As APIs também fornecem uma maneira poderosa para os líderes de segurança otimizarem e escalarem suas operações através da personalização de suas próprias integrações.

Ferramentas de colaboração

Para que as organizações tenham sucesso em garantir ecossistemas de fornecedores cada vez mais complexos, a cibersegurança e a gestão de riscos de terceiros precisam ser esportes de equipe. Acrescentar transparência e contexto em torno de questões de segurança é importante para rastrear o status de remediação e promover relações comerciais significativas.

A capacidade de comentar publicamente as questões de classificação de segurança permite que as empresas informem a seus parceiros comerciais que estão no caso. Outras características, tais como conversas e contatos na plataforma economizam o tempo e o esforço de rastrear a parte apropriada dentro da organização de um fornecedor enquanto trabalham juntos para resolver um problema.

Relatórios de segurança

O benefício de comunicar o risco cibernético em uma linguagem de risco uniforme – como uma escala de letras – estende-se até o topo da escada de uma organização. Usando a tecnologia para gerar relatórios de dados envolventes em questão de momentos, os líderes de segurança podem ajudar os executivos de negócios a tomar decisões de investimento em TPRM informadas e baseadas no risco.

Como o Security Scorecard pode ajudar

A segurança deve permitir, e não impedir, os processos comerciais. Aumentar a maturidade de seu programa TPRM com estas capacidades pode ajudar a tornar a segurança cibernética um ativo que suporta a continuidade dos negócios, em vez de um gargalo caro.

As ferramentas de TPRM da SecurityScorecard estão ajudando as empresas a racionalizar e escalonar seus programas. Ao liberar tempo e recursos valiosos, as equipes de segurança ganham a agilidade necessária para permitir o sucesso do negócio em um ambiente de risco em mudança.

FONTE: SECURITY SCORECARD

Previous post Candidatos à Presidência dos EUA em 2020 não estão protegendo seus emails
Next post “Zerologon” e o valor do virtual patching

Deixe uma resposta