Indústria da Saúde Gastará US$ 125 Bilhões em Cibersegurança entre 2020 e 2025

Views: 163
0 0
Read Time:7 Minute, 21 Second

Os gastos com saúde nos EUA — que é o mais alto entre os países desenvolvidos — representam 18% do produto interno bruto do país, ou cerca de US$ 3,5 trilhões, estimam os Centros de Serviços Medicare & Medicaid, e esse número deve subir na próxima década.

Um relatório prevê que os gastos globais em saúde aumentarão de quase US$ 8 trilhões (USD) em 2013 para mais de US$ 18 trilhões em 2040.

Em geral, o alvo tentador nas costas dos cuidados de saúde tem sido atribuível a sistemas de TI desatualizados, menos protocolos de segurança cibernética e equipe de TI, dados valiosos e a necessidade premente de práticas médicas e hospitais pagarem resgates rapidamente para recuperar dados.

A Cybersecurity Ventures prevê que o mercado global de cibersegurança em saúde crescerá 15% em relação ao ano anterior nos próximos cinco anos e atingirá US$ 125 bilhões acumulados em um período de cinco anos de 2020 a 2025.

O que está impulsionando esse investimento astronômico em defesa cibernética? Ataque cibernético. Ou seja, um grande número de hacks e violações de dados amplas lançadas em hospitais e prestadores de serviços de saúde.

Saúde sofre 2-3X mais ataques cibernéticos do que serviços financeiros

Um ano atrás, bem antes da pandemia COVID-19, o The Wall Street Journal informou que os ataques cibernéticos contra prestadores de cuidados de saúde e hospitais haviam se intensificado a ponto de alguns médicos estarem afastando os pacientes.

Mas espere, fica pior

Alguns centros de saúde desligaram as luzes e desligaram completamente suas operações. Aparentemente eles não conseguiram lidar com a interrupção pós-ataque em suas operações.

Uma clínica médica em Simi Valley, Califórnia, fechou suas portas depois de ser infectada por um ataque de ransomware. Uma orelha, nariz, garganta (ENT) e centro auditivo em Battle Creek, Mich. fechado após um hack de dados apagar todos os seus arquivos.

“As organizações de saúde enfrentam desafios de segurança muito particulares e não é porque os ataques cibernéticos são únicos, mas por causa do que está em jogo”, diz Robert Herjavec, fundador e CEO do Herjavec Group, uma empresa líder global de cibersegurança e provedor de serviços de segurança gerenciada (MSSP).

Insegurança ioT

Kathy Hughes, CISO (diretora de segurança da informação) da Northwell Health, um dos maiores sistemas de saúde do país, disse à Cybercrime Magazine que os dispositivos IoT (Internet das Coisas) são, em sua opinião, computadores com sistemas operacionais (OS), semelhantes a outros tipos de computadores – e esses dispositivos são suscetíveis às mesmas ameaças cibernéticas. Ela acrescentou que os dispositivos IoT têm um sistema operacional pequeno e que a segurança é um bolt-on em vez de embutido.

Inside jobs

The insider threat is the number one security challenge for hospitals, according to Hughes, who is responsible for protecting 68,000 employees, which makes Northwell, a non-profit, New York state’s largest private employer.

More than half of insider fraud incidents within the healthcare sector involve the theft of customer data, according to CMU SEI (Carnegie Mellon University Software Engineering Institute).

COVID-19

Hacking patients’ medical devices is a common cyberattack during the COVID-19 pandemic because more patients are using remote care, according to Natali Tshuva, CEO and co-founder of Sternum, an IoT cybersecurity company that provides medical device manufacturers with built-in security solutions.

As instalações médicas temporárias e improvisadas que estão sendo usadas para cuidar de pessoas infectadas com o novo coronavírus criaram mais vulnerabilidades para os hackers explorarem.

O phishing COVID-19 explodiu no início deste ano, de acordo com uma pesquisa da KnowBe4, um dos principais provedores de treinamento de conscientização de segurança. Muitos dos golpes pareciam vir de organizações como a Organização Mundial da Saúde e os Centros de Controle de Doenças. Equipes de TI e segurança cibernética já sobrecarregadas foram encarregadas de acompanhar essas novas ameaças.

Estatísticas de Cibersegurança em Saúde

Para resumir o estado de cibersegurança no setor de saúde, os editores da Cybercrime Magazine compilaram os seguintes pontos de dados:

Tumores falsos?

O mais assustador de todos os descontentamentos cibernéticos no espaço de saúde pode estar à frente.

Pesquisadores em Israel anunciaram no ano passado que criaram um vírus de computador capaz de adicionar tumores em tomografias computadorizadas e ressonâncias magnéticas — malware projetado para enganar médicos para diagnosticar mal pacientes de alto perfil, de acordo com uma matéria de Kim Zetter no The Washington Post.

Salvando vidas

“A vida dos pacientes está em jogo”, diz Herjavec. “Se um ataque cibernético acontecer na área da saúde, então os registros de saúde podem ser roubados, dispositivos que salvam vidas podem ser interrompidos — você o nome. Infelizmente, esses desafios só estão se intensificando à medida que a pandemia COVID-19 acelera a transformação digital.”

Herjavec vem alertando sobre ataques de ransomware a hospitais e prestadores de serviços de saúde há mais de três anos.

Provedores de saúde, conselhos e executivos da suíte C precisam levar a ameaça cibernética tão a sério quanto a Herjavec. Ninguém quer que a morte de um paciente seja um alerta para a segurança cibernética.

FONTE: CYBERCRIME MAGAZINE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *