Malware perigoso é usado em ataques na França, Nova Zelândia e Japão

Views: 27
0 0
Read Time:2 Minute, 4 Second

Emotet, um dos mais potentes malwares da atualidade, foi detectado em golpes nos três países, segundo pesquisadores de segurança

Um dos malwares mais perigosos da atualidade foi responsável por atacar à segurança cibernética de três países. FrançaJapão Nova Zelândia emitiram alertas de segurança relacionados a um grande aumento de ataques a partir desse programa. Exatamente como costuma ocorrer com o malware Emotet, as vítimas receberam e-mails com documentos anexados onde o programa estava presente e, ao abrir esses documentos, acabaram executando o vírus correndo risco de terem seus dados roubados e compartilhados. Pesquisadores do grupo Cryptolaemus, que possuem como uma de suas atividades rastrear o Emotet, informaram que vêm observando um aumento das atividades do bot nas últimas semanas, principalmente nesses três países. De acordo com o CERT (Centro de Estudos para Resposta e Tratamento de Incidentes em Computadores) do Japão, o Emotet atacou três vezes mais na semana passada com seus três bots (E1, E2 e E3). 

shutterstock_289929278.jpg

Emotet, malware de captura de dados, atacou diversos usuários na França, Japão e Nova Zelândia colocano esses governos em alerta. Imagem: ShutterstockA Nova Zelândia, que também emitiu alertas de ataque, estava sendo monitorada por apenas um desses bots, o E3. Na França, as investidas do malware preocuparam as autoridades locais. A agência de cibersegurança francesa (ANSSI) e o Ministério do Interior francês bloquearam diversos documentos e alertaram, já na segunda-feira, às demais agências do governo sobre os problemas pedindo atenção ao abrir os e-mails, informou o jornalista Boris Kharlamoff em seu perfil oficial no Twitter.

O que é o Emotet?

O Emotet é um malware que foi detectado pela primeira vez em 2014 e inicialmente era especializado em roubos de dados bancários. O programa, que também é conhecido como Geodo ou Mealybug, foi reconfigurado em 2016 e atua a partir de falhas de segurança bastante comuns em arquivos de texto, planilhas e diversas outras ferramentas, como as contidas no pacote Microsoft Office. A forma de contaminação pode ser feita através da presença de algum arquivo contendo um anexo sensacionalista, ou contendo informações que faz a pessoa julgar indispensáveis. Ele também age infectando arquivos de e-mails antigos e reenvia esses e-mails para os contatos da pessoa sem que ela saiba, reiniciando uma nova conversa. É importante ficar alerta, pois o programa consegue enviar spam em diversos idiomas, incluindo português.

FONTE: OLHAR DIGITAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *